quinta-feira, fevereiro 21, 2013

CRISTIANISMO TRINDADE E MITRAÍSMO



Carlos Alberto
BABILÓNIA,PURA, HAJA CONFUSÃO.


Marcio Oliveira
Vcs mesmo creem que Yeshua é Deus forte, conselheiro, crêem na trindade! Vcs são cristãos!


Magalhães Luís
Eis a grande revelação que Yeshua trouxe-nos: o Ser de D-us é o Amor em estado puro. Então, D-us não poderia fazer outra coisa senão amar. De fato, o amor não existe se não for movimento, reciprocidade, dom, acolhida, relação e comunhão. Na história, D-us não cessou de se revelar e ele continua a fazê-lo hoje, pois se é D-us ele não pode ser e não pode existir mais que como Fonte de Amor, o amor criado que dá a vida, que se multiplica, que se expande e nos faz descobrir sempre mais D-us.



Para falar em Deus, precisamos defini-lo como relação, dom, partilha, comunicação, intercâmbio, comunhão. A única maneira de alcançar a totalidade é necessariamente três pessoas em Deus, porque o Amor tem isto de particular: é preciso que exista um terceiro: “O meu mandamento é este: amem-se uns aos outros, assim como eu amei vocês” (Jo 15,12). O Amor não volta àquele que ama; se dá a outro, daí seu crescimento e a sua fecundidade. Também, o Amor não se fusiona; ele estabelece uma relação interpessoal. É o que faz dizer ao padre francês Léon Paillot: “Deus, nosso Deus é essencialmente relação, intercâmbio. Mas é preciso uma terceira pessoa para que todos os Eu se tornem um Nós”.



Não podemos falar de um Deus Pai/Mãe sem que haja uma relação de amor com um dos filhos gerados por ele. E se não houvesse nada além do que o Pai/Mãe e o Filho, poderíamos pensar que eles se bastariam a se próprios: o Pai/Mãe dá a vida e o Filho a recebe... Porém, isto faria um Deus limitado, centrado em si próprio. E, portanto, diz o teólogo Gérard Sindt: “Deus, na Bíblia, tende ao descentramento de si próprio, e é o Espírito que é o operador. Ele é a fecundidade operacional de Deus, a sua feminidade e a sua maternidade. A feminidade, ela própria, é experiência de Deus”. E Gérard Sindt acrescenta: “Quando se fala de pessoas em Deus, é sempre o Espírito que é mais difícil de atingir. Ele representa aqui a terceira pessoa, isto é, nós”. Nós estamos envolvidos, portanto, do mistério de Deus, da Trindade. Também, para que haja comunhão, é preciso três pessoas; se não houvesse mais do que duas, seria simplesmente uma relação. Assim, o/a Espírito (Ruach Elohim) assegura a fecundidade do Amor do Pai/Mãe ao seu Filho que partilha connosco.


Magalhães Luís

Deus e a Trindade?

1. Deuteronómio 4,32-40: Estamos no TANAK, a Antiga Aliança, e o autor do Deuteronómio maravilha-se diante deste D-us diferente dos outros deuses; não é uma força escura ou impessoal como os outros deuses: Deus está, juntamente, longe e perto: “Javé é o único [UM] HaShem, tanto no alto do céu, como aqui em baixo, na terra” (Dt 4,39). Ele fala ao homem (Dt 4,33) e ele escolheu UM POVO (Dt 4,34). Estas duas coisas fazem parte da sua singularidade. Poderíamos ter pensado que D-us é incomunicável, que o mundo dos homens e o mundo de Deus não se encontram nunca, que eles não falam a mesma língua... Mas não! É tudo o contrário: com D-us existe uma comunicação possível, uma proximidade admirável, e não morremos! (Dt 4,33). D-us libertou o Seu povo da escravidão (Dt 4,34), e ele quer a felicidade dos seres humanos que ele escolheu (Dt 4,40).



Este antigo texto do Deuteronómio não conhecia certamente o D-us Trino tal como o conhecemos hoje e que foi definido pela Igreja ICAR do século IV. Mas já podemos entrever sinais da Trindade, nos versículos 35-38; fala-se da Palavra, do Verbo (segunda pessoa da Trindade), e do Fogo, do Espírito (terceira pessoa da Trindade). É uma antecipação do D-us relação e comunhão, tal como hoje é confessado.



2. Romanos 8,14-17: Na sua carta aos Romanos, Paulo nomeia as três pessoas em D-us, sem mesmo conhecer o conceito da Trindade. Além do mais, ele nos integra na família trinitária: “Todos os que são guiados pelo Espírito de Deus são filhos de Deus” (Rom 8,14). É o Espírito que segura o vínculo entre Deus e nós; ele nos tira dos nossos medos e das nossas escravidões, e nos faz reconhecer Deus como Pai (Rom 8,15). Além disso, diz São Paulo, nós somos como Cristo: “E se somos filhos, somos também herdeiros: herdeiros de Deus, herdeiros junto com Cristo” (Rom 8,17). E São Paulo acrescenta: “uma vez que, tendo participado dos seus sofrimentos, também participaremos da sua glória” (Rom 8,17). Mas atenção para não cair na teologia do martírio como necessidade de salvação! O que São Paulo quer dizer é que nas nossas experiências humanas de libertação e de sofrimento, nós somos como Cristo; assemelhamo-nos a ele. Assim como ele, nós também devemos assumir a nossa condição humana até o fim, isto é, até a morte, para ressuscitar como Cristo.



É evidente que no momento em que Paulo escreve a sua Carta, a perseguição cristã fazia parte do programa. Mas, hoje, como não é mais o caso, nós não devemos inventar silícios, como parecem propô-lo algumas correntes conservadoras cristãs. Nós não devemos levar mais do que os silícios que a vida nos impõe: os nossos limites humanos, as nossas capacidades, a doença, o sofrimento e a morte. A Sexta-Feira/Quarta-Feira Santa precede sempre o Shabbat/Dominga (Domingo) de Páscoa. Foi o caso de Jesua Nazoreu e será o caso para nós também.



3. Mateus 28,16-20: Em nenhum lugar da Bíblia nós encontramos uma fórmula trinitária tão explícita e elaborada como no final do Evangelho de Mateus, onde assistimos ao envio missionário dos Apóstolos, na noite da Páscoa: “Portanto, vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mt 28,19). Segundo os exegetas, esta fórmula constituiu-se na liturgia do baptismo, no final do século I. Isto não quer dizer que o evangelista Mateus conhecia o D-us Trino como o conhecemos hoje; ele utiliza simplesmente o nome de D-us, revelado na história, como um Pai, por Jesus Cristo seu Filho, no Espírito de Cristo que nos habita. Devemos salientar que para Mateus o baptismo não está reservado a um povo em particular; ele é universal: “todos os povos” (Mt 28,19).



A missão consiste, então, em baptizar, em fazer discípulos. Não aderindo a uma doutrina, mas sim entrando numa comunidade de fé que se enraíza em Deus, pelo Espírito Santo que nos habita. É evidente que a pessoa que ensina é importante, mas ele diz respeito aos mandamentos que Cristo nos deu: “ensinando-os a observar tudo o que ordenei a vocês” (Mt 28,20)... Porém, de fato, estes mandamentos resumem-se num só: “Amem-se uns aos outros, assim como eu amei vocês” (Jo 15,12). O nosso Amor deve ser fecundo, voltado aos outros, para que ele produza frutos, e que ele revele outros rostos do Deus Amor, outras pessoas em Deus, pelo Espírito Santo. Apesar das dúvidas que surgissem e que persistissem sobre Deus, da parte desses próximos (Mt 28,17), Cristo nos confirma a sua presença, pois ele mora em nós pelo seu Espírito: “ensinando-os a observar tudo o que ordenei a vocês. Eis que eu estarei com vocês todos os dias, até ao fim do mundo” (Mt 28,20).

Concluindo, eu gostaria simplesmente de propor a vocês esta bela reflexão do exegeta francês Jean Debruynne: “Trata-se de fazer discípulos e fazer discípulos não é recrutar mão de obra ou procurar aderentes. Antes de qualquer coisa, trata-se de ir. Ir é partir, é sair. É ser livre. Ir é o contrário de estar fechado na verdade, e prisioneiro dos seus princípios. Ir é caminhar para a frente, e não de ré. Ir é um sinal de confiança. Vá! É uma decisão. Trata-se de aprender a guardar os mandamentos e não guardá-los na geladeira. O único mandamento é amar!”.




~»» O HaShem é mistério em si mesmo e para si mesmo. Para os cristãos e os messiânicos evangelicais trata-se de um mistério de comunhão e não de solidão. É a Santíssima Trindade: o Pai, o Filho e o Espírito Santo. A ortodoxia afirma: há três Pessoas e um só Deus. É possível isso? Não seria um absurdo 3=1? Aqui tocamos naquilo que os cristãos subentendem quando dizem “Deus”. É diferente que o absoluto monoteísmo judeu e muçulmano. Sem abandonarmos o monoteísmo, faz-se mister um esclarecimento desta Trindade.


O três seguramente é um número. Mas não como resultado de 1+1+1=3. Se pensarmos assim matematicamente, então D-us não é três mas UM e único. O número três funciona como um símbolo para sinalizar que sob o nome D-us há comunhão e não solidão, distinções que não se excluem mas que se incluem, que não se opõem mas se compõem. O número três seria como a auréola que os católicos colocam simbolicamente ao redor da cabeça das pessoas santas. Não é que elas andem por ai com esta auréola. Para os católicos é o símbolo a sinalizar que estão diante de figuras santas. Assim ocorre com o número três.



Com o três dizemos que em D-us há distinções. Se não houvesse distinções, reinaria a solidão do um. A palavra Trindade (número três) está no lugar de amor, comunhão e inter-retro-relações. Trindade significa exactamente isto: distinções em D-us que permitem a troca e a mútua entrega de Pai, Filho e Espírito.



A rigor, como já viu o génio de Agostinho, não dever-se-ia falar de três Pessoas. Cada Pessoa divina é única. E os únicos não se somam porque o único não é número. Se disser um em termos de número, então não há como parar: seguem o dois, o três, o quatro e assim indefinidamente. Kant erroneamente o entendeu assim e por isso rejeitava a ideia de Trindade. Portanto o número três possui valor simbólico e não matemático. O que ele simboliza?



C. G. Jung socorre-nos. Ele escreveu um longo ensaio sobre o sentido arquetípico-simbólico da Trindade cristã. O três expressa a relação tão íntima e infinita entre as diversas Pessoas que se uni-ficam, quer dizer, ficam UM, um só HaShem.



Mas se são três Unicos, não resultaria no triteísmo, vale dizer, três Deuses em vez de um: o monoteísmo? Isto seria assim, se funcionasse a lógica matemática dos números. Se somo uma manga + uma manga + uma manga, resultam em três mangas. Mas com a Trindade não é assim, pois estamos diante de outra lógica, a das relações inter-pessoais. Segundo esta lógica, as relações não se somam. Elas se entrelaçam e se incluem, constituindo uma unidade. Assim, pai, mãe e filhos constituem um único jogo de relações, formando uma única família. A família resulta das relações inclusivas entre os membros. Não há pai e mãe sem filho, não há filho sem pai e mãe. Os três se uni-ficam, ficam um, uma única família. Três distintos mas uma só família, a trindade humana.



Quando falamos de Deus-Trindade entra em acção esta lógica das relações interpessoais e não dos números. Em outras palavras: a natureza íntima de D-us Pai/Mãe não é solidão mas comunhão que inclui o Filho. O Pai/Mãe é "o/a" AMANTE, o RUACH ELOHIM é o AMOR, o Filho é o AMADO. 



Se houvesse um só D-us reinaria, de fato, a absoluta solidão. Se houvesse dois, num frente a frente ao outro, vigoraria a distinção e, ao mesmo tempo, a separação e a exclusão (um não é o outro) e uma mútua contemplação. Não seria egoísmo a dois? Com o três, o um e o dois se voltam para o três, superam a separação e se encontram no três. Irrompe a comunhão circular e a inclusão de uns nos outros, pelos outros e com os outros, numa palavra: a Trindade.



O que existe primeiro é a simultaneidade dos três Unicos. Ninguém é antes ou depois. Emergem juntos sempre comunicando-se reciprocamente e sem fim. Por isso dizíamos: no princípio está a comunhão. Como consequência desta comunhão infinita resulta a união e a unidade em D-us. Então: três Pessoas e um só Deus-comunhão.



Não nos dizem exactamente isto os modernos cosmólogos? O universo é feito de relações e nada existe fora das relações. O universo é a grande metáfora da Trindade: tudo é relação de tudo com tudo: um uni-verso. E nós dentro dele.




Marcio Oliveira » 1 - EIS A RESPOSTA DO CRISTIANISMO ACADÉMICO NA DEFESA DA TRINDADE E DE TODOS OS SERES SENCIENTES (MAS SEM DOGMATISMOS): 



Tomás de Aquino escreveu que acerca de D-us tanto mais sabemos quanto mais nos apercebemos que excede tudo o que dele compreendemos. Numa experiência mística concluiu que tudo quanto tinha escrito lhe parecia palha seca e deixou a Summa Theologiae inacabada. A linguagem menos imperfeita para exprimir o acolhimento da fé é, sempre, simbólica, metafórica, a da beleza, a do amor e a da responsabilidade ética.

2 - O dogma da Santíssima Trindade. Por sua causa, tanto o judaísmo como o islão não acreditam muito na autenticidade do monoteísmo cristão. Até para alguns cristãos é uma complicação desnecessária. O próprio pietista luterano, o filósofo I. Kant não via que se pudesse extrair qualquer coisa de prático dessa fé.



Tenho, no entanto, esta simbólica como fundamental para pensar e acolher as expressões do mistério de D-us e do mundo. Não é por acaso que a grande questão das nossas sociedades, a todos os níveis, é sempre a da unidade e a da pluralidade. Será possível viver juntos, respeitando e promovendo, ao mesmo tempo, a comunhão entre todos e a originalidade de cada um?



Se privilegiamos a pluralidade corremos o risco da fragmentação. Se sublinhamos muito a urgência da unidade, espreita-nos a uniformidade. A coincidência entre unidade e pluralismo parece um milagre sempre diferido. O pluralismo não é funcional e a unidade é sufocante, tanto na Igreja como na sociedade. Paulo gastou muita energia em encontrar metáforas que garantissem a coabitação da unidade e da diversidade dos dons, frutos do mesmo espírito, num só corpo com muitos órgãos e membros.


Magalhães Luís
»» Este é o pensamento académico. »»»» Mas sempre com o respeito devido ao pensamento do Judaísmo e ao Islão monoteísta "puro". Shalom!


Carlos Alberto
MUITO BOM.


Magalhães Luís

»»»» "A fé cristã não assenta na poesia nem na política, essas duas grandes fontes da religião; baseia-se no conhecimento. Venera o Ser que é o fundamento de tudo o que existe, o «Deus verdadeiro». No Cristianismo, a racionalidade tornou-se religião, e já não é o seu adversário. Para que tal acontecesse, para que o cristianismo se compreendesse como vitória da desmitologização, a vitória do conhecimento e, assim, da verdade, devia necessariamente encarar-se como universal e der levado a todos os povos." Joseph Ratzinger na pág. 80 do livro "Existe Deus? Um confronto sobre verdade, fé e ateísmo", de Joseph Ratzinger e Paolo Flores d'Arcais, ed. Pedra Angular.


Marcio Oliveira

A diferença entre o catolicismo (incluo os ortodoxos) e o protestantismo histórico e os chamados ''crentes'' é que o cristianismo confessa que Jesus é uma formulação histórica defendida por Atanásio na sua disputa com Ário; eram dois bispos que disputavam a credibilidade filosófica a respeito do concilio de Nicéia em 325 AD; Os escoliastas das Igrejas históricas são uma intelligentzia que confessam que a trindade é uma "invenção" romana, Já os crentes evangelicais formam um complexo filosófico para afirmar e embasar o dogma falso criado pelo cristianismo romano! Isto é nojento. Que D-us nos livre!


Carlos Alberto

NADA É NADA VEZES NADA É IGUAL A NADA, POIS SE COLOCAMOS SEIS E TIRAMOS SEIS, TUDO DÁ NO NADA, QUALQUER COISA É A MESMA COISA.


Carlos Alberto

ENTENDEU? ESTA É A RAZÃO DE TUDO SER IGUAL EM SUBSTANCIA E EMOÇÕES IGUAIS QUE NEM MESMO SIGMUND FREUD NÃO CONSEGUE EXPLICAR.


Magalhães Luís

»» Caro Marcio Oliveira, a história não é negada. Somos produto duma apologética de confronto. Mas a Trindade é algo bem reflectido hoje por a denominada intelligentzia da cátedra. Lembro-te, chaver, que toda esta simbólica é fundamental para pensar e acolher todas as expressões do mistério de D-us e do mundo. Não é por acaso que a grande questão das nossas sociedades, a todos os níveis, é sempre a da unidade e a da pluralidade. Será possível viver juntos, respeitando e promovendo, ao mesmo tempo, a comunhão entre todos e a originalidade de cada um?



Se privilegiamos a pluralidade corremos o risco da fragmentação. Se sublinhamos muito a urgência da unidade, espreita-nos a uniformidade. A coincidência entre unidade e pluralismo parece um milagre sempre diferido. O pluralismo não é funcional e a unidade é sufocante, tanto na Igreja como na sociedade. Paulo gastou muita energia em encontrar metáforas que garantissem a coabitação da unidade e da diversidade dos dons, frutos do mesmo espírito, num só corpo com muitos órgãos e membros.


Carlos Alberto
TA TUDO EXPLICADO, E CORRECTAMENTE ENTENDIDO.
Não gosto  1  há 7 minutos

Magalhães Luís
»»»» Gérard Sindt na revista Signes d’aujourd’hui diz: “O nosso D-us é um D-us pessoal. Em Yeshua (Jesua), nós descobrimos D-us em pessoas (no plural), que nos ensina a nossa personalidade relacional” e – eu acrescentaria – comunional. De facto, D-us é relação e comunhão com a sua criação, connosco. E porque "temos" isto? Simplesmente porque D-us é Amor.


Carlos Alberto
Tu sabes de coisas finissimas.
Não gosto  1  há 5 minutos

Carlos Alberto
Meu irmão Magalhães, desejo uma boa noite, e tudo de bom para o amigo, muito bom, excelente.
Não gosto  1  há 4 minutos

Magalhães Luís
Para ti também, amado! Graça e Paz!
Não gosto  1  Editar  há 3 minutos

Não gosto  1  há 2 minutos

Shalom, chaver!





Deus nunca foi, nunca é, e nunca será uma divisão filosófica criada no século IV todo esse argumento é muito bonito, um discurso muito bonito, para dividir e conceber o Todo Poderoso numa invenção trinitária ou o que quer que seja! O própio Jesus disse quando perguntado em Marcos 12:29 disse ""Shema Yisrael Adonay Eloheinu Adonai echad"" ele própio sabia da indivisibilidade do sagrado dai vem o cristianismo e formula um dogma distituindo o sagrado isso é idolatria! Adorar ou fazer de Jesus deus ou semi deus; é idolatria compara-lo ao ser supremo!




Respeito o seu pensamento. Não quero impor o meu. O HaShem terá a palavra final. O teólogo K. Rahner escreve: 

"O autêntico dogma nas Igrejas constitui algo que me obriga absolutamente. Como cristão e como teólogo, com certa ansiedade de espírito e coração, devo perguntar-me - com não pouca frequência - qual é o verdadeiro sentido de uma afirmação que o magistério das Igrejas mantêm como dogma, para lhe dar o meu assentimento de modo honesto e tranquilo. 



"Ao longo da minha vida nunca senti que isso fosse impossível. Em relação a esses dogmas, dei-me conta, claramente, que só podem ser bem entendidos quando se torna patente o seu sentido na linha da abertura ao mistério de D-us, sabendo, por outro lado, que foram formulados em condicionamentos históricos determinados. Esses dogmas encontram-se inevitavelmente numa espécie de amálgama que, de facto, não pertence ao conteúdo da declaração dogmática e que pode mesmo levar a que esse conteúdo seja mal interpretado. Isto acontece também porque esses dogmas estão formulados como regulações linguísticas que, para serem fiéis à realidade a que aludem, não deveriam permanecer sempre iguais, nem com as mesmas palavras com que foram formulados. 



"As coisas são diferentes quando se trata deste ou daquele ensino mantido pelo magistério como oficial, apresentado como vinculante, mesmo que não tenha sido 'definido'. Julgo que, por exemplo, nem a argumentação básica nem a autoridade de ensino das Igrejas a que, de facto, se recorre oferecem um fundamento convincente e obrigatório para aceitar a discutida doutrina católica de Paulo VI na 'Humanas Vitae'. O mesmo se diga acerca da declaração feita pela Congregação Católica da Doutrina da Fé que pretende excluir, por princípio, a ordenação de mulheres, como algo a aplicar em todos os tempos e culturas" (cf. "Scriften" XIV, 1980).







D-us nunca foi, nunca é, e nunca será uma divisão filosófica criada no século IV todo esse argumento é muito bonito, um discurso muito bonito, para dividir e conceber o Todo Poderoso numa invenção trinitária ou o que quer que seja! O própio Jesus disse quando perguntado em Marcos 12:29 disse ""Shema Yisrael Adonay Eloheinu Adonai echad"" ele própio sabia da indivisibilidade do sagrado dai vem o cristianismo e formula um dogma distituindo o sagrado isso é idolatria! Adorar ou fazer de Jesus deus ou semi deus; é idolatria compara-lo ao ser supremo!



Respeito o seu pensamento. Não quero impor o meu. O HaShem terá a palavra final. O teólogo K. Rahner escreve: 
"O autêntico dogma nas Igrejas constitui algo que me obriga absolutamente. Como cristão e como teólogo, com certa ansiedade de espírito e coração, devo perguntar-me - com não pouca frequência - qual é o verdadeiro sentido de uma afirmação que o magistério das Igrejas mantêm como dogma, para lhe dar o meu assentimento de modo honesto e tranquilo. 

"Ao longo da minha vida nunca senti que isso fosse impossível. Em relação a esses dogmas, dei-me conta, claramente, que só podem ser bem entendidos quando se torna patente o seu sentido na linha da abertura ao mistério de D-us, sabendo, por outro lado, que foram formulados em condicionamentos históricos determinados. Esses dogmas encontram-se inevitavelmente numa espécie de amálgama que, de facto, não pertence ao conteúdo da declaração dogmática e que pode mesmo levar a que esse conteúdo seja mal interpretado. Isto acontece também porque esses dogmas estão formulados como regulações linguísticas que, para serem fiéis à realidade a que aludem, não deveriam permanecer sempre iguais, nem com as mesmas palavras com que foram formulados. 

"As coisas são diferentes quando se trata deste ou daquele ensino mantido pelo magistério como oficial, apresentado como vinculante, mesmo que não tenha sido 'definido'. Julgo que, por exemplo, nem a argumentação básica nem a autoridade de ensino das Igrejas a que, de facto, se recorre oferecem um fundamento convincente e obrigatório para aceitar a discutida doutrina católica de Paulo VI na 'Humanas Vitae'. O mesmo se diga acerca da declaração feita pela Congregação Católica da Doutrina da Fé que pretende excluir, por princípio, a ordenação de mulheres, como algo a aplicar em todos os tempos e culturas" (cf. "Scriften" XIV, 1980).


Yossef Ben Yaacov

O profeta Isaías revela quem foi o Anjo que o YHWH colocou no meio dos filhos de Yisrael, para conduzi-los até as terras de Canaan. Mas os filhos de Yisrael se rebelaram e magoaram o Espírito o Santo. Foi então que o Espírito o Santo se tornou como inimigo dos filhos de Yisrael, e guerreou contra eles. E, o Ruach haKodesh (Espírito o Santo) não deixou nenhum dos filhos de Yisrael nascidos no Egito, entrar nas terras de Canaan. Só Calebe e Yehoshua (conhecido por nós como Josué ou Jesus) entraram nas terras de Canaã. Isaías 63:10,11,14. (Séculos depois, o próprio YHWH veio a Yisrael como yehoshua ou Jesus). Quando Moshe pediu para ver a face do Espírito o Santo, o Espírito o Santo não deixou Moisés vê a sua face. Mas, Moisés conseguiu vê as costas do Espírito o Santo. Antes de YHWH (conhecido por nós como Yehoshua ou Jesus) colocar o Espírito o Santo no meio dos Messiânicos (Cristãos), ele disse aos Messiânicos: Não pequeis contra o Espírito o Santo, porque o Espírito o Santo não vai perdoar as vossas transgressões.




A PERGUNTA É: O que faz o catolicismo formado no quarto seculo amalgamado sobre os resticios de Roma antiga, baseado em crenças pagãs,definida por grandes filosofos e suas teses dentre eles aristoteles plutao entre outros sintetizado em constantino juntando coisas sagradas dos judeus do primeiro seculo, e paganismo babilonico grego,persa,oque faz pensar ou que credibilidade ha num sistema que anulou a aliança de hashem com seu povoe sua santa Torá ,e agora se diz representante deste mesmo povo com autoridade outorgada por querm? O que os fazem pensar e os seus suditos defenderem sua autoridade junto a questoes de cunho ispiritual fazendo frente ao povo de yisrael e sua tradiçao com mais de 3500 anos ? Sera que nos os judeus aquem o todo poderozo se revelou no sinai nao saberia-mos defini-lo em todo esse tempo? Sera que o catolicismo formado do ventre pagão tem mais credibilidade para definir o sagrado nos dois sabe-mos quem tem razao ne Magalhaes, mas tudo bem se vc quer que hashem tenha a ultima palavra tudo bem, mas deixa esse papo de ''argumentaçao filosofica de padre"' pra la"!


Magalhães Luís
Meu caro Marcio Oliveira, esta é uma reflexão contínua. Todas as reflexões que acontecem partem da influência teológica de Paulo. Ele ataca, num momento de tensão, provocado pelos crentes judaizantes, a revelação no Sinai. Vide Gálatas 3:19b e verso 20. "e foi posta pelos anjos na mão de um medianeiro (Moisés).
Ora, o medianeiro não o é de um só (do HaShem mas sim de Anjos [plural]), mas D-us é um."
Gálatas 3:19-20 »» Paulo não é o único a atestar que a Torah seja promulgada por Anjos (cf. Actos 7: 38.53; Hebreus 2:2). Mas, ao passo que os judeus deduziam disto a sua autoridade divina, Paulo deduz que a Torah escraviza o homem a estes Anjos, cujo mediador é Moisés, por isso o Cristo de Paulo, o seu KYRIOS, liberta os homens da Torah e liberta-os também desta dependência (cf. Colossenses 2:15). Esta dedução, própria de Paulo, fundamenta a argumentação sua e a da Igreja futura. Tudo começa em Paulo. E não no IV século. Paulo rompe com o Judaísmo. http://www.bibliaonline.com.br/acf/gl/4 Gálatas 4, versos 23 a 26:
"Todavia, o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa.
O que se entende por alegoria; porque estas são as duas alianças; uma, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar.
Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos.
Mas a Jerusalém que é de cima é livre; a qual é mãe de todos nós."
Gálatas 4:22-26 »» Existe um paulinismo (Igrejas Históricas muito dependentes da visão secessionista de Paulo) em tensão com a teologia liberal/pluralista (também presente nas Igrejas históricas que são pró monoteístas puras, como os unitarianos). A cisão dá-se com Paulo, Márcio Oliveira.


Magalhães Luís
»» Deus é Pai? Deus é Pessoa? Deus é uno e trino? Jesus é Deus? Jesus é o Verbo encarnado? Jesus nasceu miraculosamente por obra e graça do Espírito Santo? Maria é Mãe de Deus? etc.
» Na visão da teologia liberal/pluralista estas questões podem ser respondidas como “verdadeiras”, quando interpretadas metaforicamente, mas são todas respondidas como “falsas”, quando interpretadas literalmente. Em outros termos, segundo este ponto de vista, todas as respostas a estas questões, quando literalmente interpretadas, são falsas, pois são mitos cristãos, e, numa das principais definições de “mito”, dada pelo maior filósofo e teólogo pluralista do mundo, o inglês John Hick, “um mito é uma história contada, mas não é literalmente verdadeira” (HICK, 1977, p. 178). Ora, se um mito não é literalmente “verdadeiro”, é literalmente “falso”.
Não gosto  1  Editar  há 1 hora

Magalhães Luís
O teu "inimigo" não é a ICAR do IV século ou Constantino. É o apóstolo Paulo. São as Cartas de Paulo.
Não gosto  1  Editar  há 1 hora

Não gosto  1  Editar  há 1 hora

Magalhães Luís
Mas em relação à Trindade, estamos com as reflexões do passado e do presente. Paulo "deu-nos" essa liberdade de pensamento. E se pensarmos livremente à margem das igrejas, chegamos a esta conclusão: "A ortodoxia erudita afirma: há três Pessoas e um só D-us. É possível isso? Não seria um absurdo 3=1? Aqui tocamos naquilo que os cristãos subentendem quando dizem “Deus”. É diferente que o absoluto monoteísmo judeu e muçulmano. Sem abandonarmos o monoteísmo, faz-se mister um esclarecimento desta Trindade.

O três seguramente é um número. Mas não como resultado de 1+1+1=3. Se pensarmos assim matematicamente, então D-us não é três mas UM e único. O número três funciona como um símbolo para sinalizar que sob o nome D-us há comunhão e não solidão, distinções que não se excluem mas que se incluem, que não se opõem mas se compõem. O número três seria como a auréola que os católicos colocam simbolicamente ao redor da cabeça das pessoas santas. Não é que elas andem por ai com esta auréola. Para os católicos é o símbolo a sinalizar que estão diante de figuras santas. Assim ocorre com o número três.

Com o três dizemos que em D-us há distinções. Se não houvesse distinções, reinaria a solidão do um. A palavra Trindade (número três) está no lugar de amor, comunhão e inter-retro-relações. Trindade significa exactamente isto: distinções em D-us que permitem a troca e a mútua entrega de Pai, Filho e Espírito.

A rigor, como já viu o génio de Agostinho, não dever-se-ia falar de três Pessoas. Cada Pessoa divina é única. E os únicos não se somam porque o único não é número. Se disser um em termos de número, então não há como parar: seguem o dois, o três, o quatro e assim indefinidamente. Kant erroneamente o entendeu assim e por isso rejeitava a ideia de Trindade. Portanto o número três possui valor simbólico e não matemático. O que ele simboliza?

C. G. Jung socorre-nos. Ele escreveu um longo ensaio sobre o sentido arquetípico-simbólico da Trindade cristã. O três expressa a relação tão íntima e infinita entre as diversas Pessoas que se uni-ficam, quer dizer, ficam UM, um só HaShem.

Mas se são três Unicos, não resultaria no triteísmo, vale dizer, três Deuses em vez de um: o monoteísmo? Isto seria assim, se funcionasse a lógica matemática dos números. Se somo uma manga + uma manga + uma manga, resultam em três mangas. Mas com a Trindade não é assim, pois estamos diante de outra lógica, a das relações inter-pessoais. Segundo esta lógica, as relações não se somam. Elas se entrelaçam e se incluem, constituindo uma unidade. Assim, pai, mãe e filhos constituem um único jogo de relações, formando uma única família. A família resulta das relações inclusivas entre os membros. Não há pai e mãe sem filho, não há filho sem pai e mãe. Os três se uni-ficam, ficam um, uma única família. Três distintos mas uma só família, a trindade humana.

Quando falamos de Deus-Trindade entra em acção esta lógica das relações interpessoais e não dos números. Em outras palavras: a natureza íntima de D-us Pai/Mãe não é solidão mas comunhão que inclui o Filho. O Pai/Mãe é "o/a" AMANTE, o RUACH ELOHIM é o AMOR, o Filho é o AMADO.

Se houvesse um só D-us reinaria, de fato, a absoluta solidão. Se houvesse dois, num frente a frente ao outro, vigoraria a distinção e, ao mesmo tempo, a separação e a exclusão (um não é o outro) e uma mútua contemplação. Não seria egoísmo a dois? Com o três, o um e o dois se voltam para o três, superam a separação e se encontram no três. Irrompe a comunhão circular e a inclusão de uns nos outros, pelos outros e com os outros, numa palavra: a Trindade.

O que existe primeiro é a simultaneidade dos três Unicos. Ninguém é antes ou depois. Emergem juntos sempre comunicando-se reciprocamente e sem fim. Por isso dizíamos: no princípio está a comunhão. Como consequência desta comunhão infinita resulta a união e a unidade em D-us. Então: três Pessoas e um só Deus-comunhão.

Não nos dizem exactamente isto os modernos cosmólogos? O universo é feito de relações e nada existe fora das relações. O universo é a grande metáfora da Trindade: tudo é relação de tudo com tudo: um uni-verso. E nós dentro dele."


Magalhães Luís
^»»» Mas és livre tu? Pensas em D-us "fora da sinagoga"? Não me sinto pressionado por o Magistério "oficial". Em liberdade penso na Trindade. Mas estou aberto à reflexão. Mesmo sendo "inimigos". Paulo abriu as hostilidades. Nós não queremos estar numa atitude castrense mas de amor. Mas não negamos a via secessionista paulina. Como ponto de partida sadio para uma "boa" teologia livre de dependências judaizantes. Como uma "janela de oportunidade" teológica. Mas admitimos que possamos estar enganados. Até mesmo que a CINA tenha razão. Ou que os do Cristianismo redivivo tenham razão; vide http://jpinheirosouza.blog.uol.com.br/. Ou que tu, Marcio Oliveira, tenhas razão. Junto com os teus correligionários judeus anti-Joshke. Sem problema algum. Quero é argumentos com inteligência. E que todos sejam bem lidos e apreendidos. Paz!


Magalhães Luís
E estou aberto à palavra final do HaShem. Ele é o decisor.


Magalhães Luís
»» E sei (ou admito em nome da reflexão) que a crença cristã exclusivista segundo a qual Jesus é o único Caminho e a única Verdade, com base no famoso versículo joanino, segundo o qual o próprio Jesus teria afirmado ser “o Caminho, a Verdade e a Vida” (João 14, 6), e ninguém iria ao Pai a não ser por ele, é uma crença literalmente equivocada, e espiritualmente arrogante, dos cristãos, pois tem causado muita discriminação ao longo de mais de dois mil anos de história do cristianismo. Mas a culpa é de Paulo. Mas existem outras alternativas teológicas. O referido versículo joanino, porém, se interpretado de uma maneira simbólica e pluralista, tem um rico significado religioso, no sentido de que o código de moral (ou de ética) universal que Jesus ensinou e viveu, resumido na lei do amor, é realmente verdadeiro e libertador: somente quem o praticar será “salvo” (liberto) e terá “vida plena”.

Ou seja, neste sentido simbólico do versículo joanino, pode-se dizer que Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida, pois somente aquele que pratica o amor-caridade alcançará a salvação, ou melhor a libertação ou evolução, pois, como bem ensina o Espiritismo, FORA DA CARIDADE NÃO HÁ SALVAÇÃO!, diferentemente do velho slogan católico/evangelical/ortodoxo/etc: "FORA DO CRISTIANISMO (OU DA IGREJA) NÃO HÁ SALVAÇÃO!"


Magalhães Luís
Acontece, porém, que o código de moral (ou de ética) universal, que Jesus ensinou e viveu, não foi ensinado e vivenciado exclusivamente por ele, mas igualmente por muitos outros sábios, fundadores ou não de religião, filósofos, outros mensageiros (ou messias) do além etc., ao longo da história humana, por exemplo, Sócrates, Platão, Esopo, Moisés, Buda, Krishna, Zoroastro, Confúcio, Lao-Tsé, Baha’u’llah, Gandhi, Allan Kardec, Chico Xavier e tantos outros.

Neste sentido pluralista do ensino e vivência do código de moral universal por inúmeros outros mensageiros enviados por Deus para ajudar o nosso planeta a evoluir moralmente, não se pode afirmar que Jesus é literalmente o único Caminho, o único Salvador, o único Messias, o único Redentor da humanidade, mas um dentre muitos outros espíritos evoluídos, que já vieram a este mundo, para nos ensinar a verdadeira religião, a prática do amor-caridade, a única modalidade de religião capaz de unir a todos e fazer evoluir a humanidade.

Recordemos que a interpretação literalista e exclusivista de João 14,6, é fruto do escorregão humano de um para o (ou de uma para a), segundo o qual Yeshua Nazoreu é o (único) Caminho, e não um Caminho (ao lado de muitos outros), enquanto a interpretação simbólica e pluralista deste mesmo versículo, além de não discriminar nenhuma outra religião e nenhum outro líder religioso, une todas as crenças e todas as pessoas deste planeta.


Elias Abensur
Que Jesus que viveu??? Pelo que eu sei, Jesus Cristo é uma personagem fictícia criada por um imperador romano para se manter no poder.


Magalhães Luís
» A respeito do escorregão (ou escorregamento) inevitável de um para o ou de uma para a (»»»»»»»»»» por ex., o escorregamento de “Jesus é um Caminho” para “Jesus é o Caminho”), reflitamos sobre o que escreveu John Dominic Crossan, na sua obra "Quem Matou Jesus?"):
»»» O ser humano é um ser absolutamente particular, isto é, absolutamente relativo ou relativamente absoluto. Em qualquer coisa que seja de suprema importância para nós, seja cônjuge ou família, passatempo ou paixão, trabalho ou profissão, língua ou país, há sempre um escorregamento inevitável de uma para a. [...] Se lhe mostram um recém-nascido e lhe perguntam: “Não é o bebê mais bonito do mundo?”, a resposta mais sábia é sempre a afirmativa. Mas, lá no canto de nossas cabeças, reconhecemos que um tornou-se o, e sabemos que isto é perfeitamente humano e não apresenta problema – a menos que seja tomado literalmente e os igualmente absolutos relativos dos outros sejam negados. Assim também, ou especialmente, com a fé ou com a religião de alguém. Deve ser experimentada como a manifestação do Sagrado, mas nunca devemos esquecer ou negar que é, na verdade, uma manifestação para mim e para nós. Ser humano é viver em um como o; ser desumano é negar aquele necessário escorregão. (John Dominic Crossan, Quem Matou Jesus?, p. 250-251)
Este mesmo autor, esclarece-nos que um ato de fé é interpretação, e não fato histórico, e que “os cristãos, como todos os outros seres humanos, vivem das profundezas dos mitos e das metáforas”:
Não se pode acreditar num fato, apenas numa interpretação. E nenhuma quantidade de fé pode transformar uma interpretação num fato. Aqui ocorre um engano letal que, muitas vezes, transforma em selvagem o coração do cristianismo. Argumentamos que temos fatos e não interpretações, que temos história e não mito, que nós temos verdades e os outros têm mentiras. Isto não mais funciona, nem para nós nem para ninguém. Precisamos comparar os mitos e as metáforas uns dos outros para vermos quão humana é a vida que eles engendram, mas não podemos negar que todo mundo constrói firmemente sobre tais fundações inevitáveis. Os cristãos, como todos os outros seres humanos, vivem das profundezas dos mitos e das metáforas. Mas ainda permanece, especialmente agora, o desafio urgente de aceitar o nosso próprio mito fundacional sem vergonha ou negação, e os dos outros, sem ódio ou menosprezo. (John Dominic Crossan, Quem Matou Jesus?, p. 252-253)
Concordo "plenamente" com este renomado teólogo e ex-padre católico, John Dominic Crossan, a respeito do escorregamento inevitável que os seres humanos fazem de um para o ou de uma para a (por ex., o escorregão feito pelos cristãos de “Jesus é um Filho de Deus” para “Jesus é o Filho de Deus” ou de “Jesus é um Salvador” para “Jesus é o Salvador”), bem como com sua explicação de que um ato de fé é interpretação, e não fato histórico, e com a sua declaração de que “os cristãos, como todos os outros seres humanos, vivem das profundezas dos mitos e das metáforas”, e devem enfrentar o desafio urgente de aceitar seu próprio mito fundacional sem vergonha ou negação, e os dos outros, sem ódio ou menosprezo.
Para concluir, reafirmo que, na minha visão inclusiva (também a tenho!), o segundo maior "erro" do cristianismo dogmático é a interpretação literal e exclusivista de Jesus como o (único) Salvador, e não um Salvador; o (único) Caminho, e não um Caminho; o (único) Senhor, e não um Senhor; o Messias, e não um Messias etc. Este é o chamado mito da unicidade cristã (SÓ CRISTO SALVA!). Simbólica e metaforicamente, contudo não há nenhum problema em afirmar que Jesus é o Salvador, o Senhor, o Messias, o Filho de Deus, o Caminho etc. O grande erro dos cristãos dogmáticos, porém, é tomar estas expressões ao pé da letra, literalmente, de maneira exclusivista, criando uma barreira intransponível entre o cristianismo e todas as demais religiões deste planeta, o que impede a paz, a fraternidade e o diálogo inter-religioso de igual para igual.


Magalhães Luís
Pois meu caro Eliezer Abensur Jesus não é uma ficção do Constantino e da ICAR. Tens que superar e avançar. Todos os académicos o sabem. Só tu e os ateus fundamentalistas insistem neste argumento frágil.


Magalhães Luís
No seu livro “O Nascimento do Cristianismo”, John Dominic Crossan afirma que “os Evangelhos foram escritos pela fé, para a fé e a partir da fé. [...] os Evangelhos são teologia em vez de história” (CROSSAN, 2004,p. 61).
Ora, se os Evangelhos não são, essencialmente, livros de história, mas de fé no Deus-Jesus, interpretá-los ao pé da letra, como verdades históricas absolutas e exclusivas do cristianismo, não deixa de ser uma grande mentira sobre Jesus.


Magalhães Luís
Crossan tem dito e repetido que a Bíblia é, de fato, muito mais um conjunto de metáforas e de parábolas religiosas (com a finalidade de expressar a fé dos cristãos e de todos os outros) do que de fatos históricos reais. Logo, ela não pode ser toda interpretada ao pé da letra, mas metaforicamente/simbolicamente.


Elias Abensur
Jesus Cristo é farsa.


Magalhães Luís
Dizer, por exemplo, que o rei Herodes mandou matar as crianças em Belém, para matar Jesus, não é uma verdade histórica, mas é, no correto dizer de Crossan, uma parábola, para afirmar que Jesus é o novo Moisés e Herodes é o novo faraó (cf. John Dominic Crossan, Revista SUPER Interessante, edição 250, março/2008, p. 17-18).



Neste sentido, todas as histórias e cenas que Mateus e Lucas narram acerca do nascimento e da infância de Jesus, por exemplo, a manjedoura, a estrela de Belém, os astrólogos (magos) do oriente (sul de Espanha?), os pastores, os anjos, os cantores, o massacre das crianças pelo rei Herodes, a fuga para o Egito etc., são parábolas e, logo, não podem ser interpretadas ao pé da letra. Interpretá-las literalmente como fatos históricos é transformar em mentiras as histórias sobre o nascimento e a infância de Jesus.


Magalhães Luís
In his early years as an atheist Oxford literary scholar C. S. Lewis also considered Jesus a myth, thinking all religions were simply inventions.
Years later, Lewis was sitting by the fire in an Oxford dorm room with a friend he called “the hardest boiled atheist of all the atheists I ever knew.” Suddenly his friend blurted out, “The evidence for the historicity of the Gospels was really surprisingly good…It almost looks as if it had really happened once.”
Lewis was stunned. His friend’s remark that there was real evidence for Jesus prompted Lewis to investigate the truth for himself. He writes about his search for truth about Jesus in his classic book Mere Christianity.
So, what evidence did Lewis’ friend discover for Jesus Christ?


Magalhães Luís
Let’s begin with a more foundational question: How can we distinguish a mythical character from a real person? For example, what evidence convinces historians that Alexander the Great was a real person? And does such evidence exist for Jesus?
Both Alexander and Jesus were depicted as charismatic leaders. Both reportedly had brief careers, dying in their early thirties. Jesus is said to have been a man of peace who conquered by love; Alexander a man of war who ruled by the sword.
In 336 B.C. Alexander the Great became king of Macedonia. A military genius, this handsome, arrogant leader swept through villages, towns, and kingdoms of Greco-Persia until he ruled it all. It is said that he cried when there were no more worlds to conquer.
The history of Alexander is drawn from five ancient sources written 300 or more years after he died.[4] Not one eyewitness account of Alexander exists.
However, historians believe Alexander really existed, largely because the accounts of his life are confirmed by archaeology and his impact on history.
Likewise, to determine if Jesus was a real person, we need to seek evidence for his existence in the following areas:
Archaeology
Early non-Christian accounts
Early Christian accounts
Early New Testament manuscripts
Historical impact


Magalhães Luís
Archaeology

The sands of time have buried many mysteries about Jesus that only recently have been brought to light.
Perhaps the most significant discoveries are several ancient manuscripts unearthed between the 18th and 20th centuries. We will look closer at these manuscripts in a later section.
Archaeologists have also discovered numerous places and relics that agree with the New Testament accounts of Jesus. Malcolm Muggeridge was a British journalist who considered Jesus a myth until he saw such evidence during a BBC television assignment to Israel.
After reporting on the very places written about in the New Testament account of Jesus, Muggeridge wrote, “A certainty seized me about Jesus’ birth, ministry and Crucifixion…I became aware that there really had been a man, Jesus….”
However, prior to the 20th century no tangible evidence existed for the Roman governor Pontius Pilate and the Jewish chief priest Joseph Caiaphas. Both men were central figures in the trial leading to the crucifixion of Christ. Skeptics cited this apparent lack of evidence as ammunition for their Christ-myth theory.
However, in 1961 archaeologists discovered a block of limestone inscribed with the name of “Pontius Pilate prefect of Judea.” And in 1990 archaeologists discovered an ossuary (bone box) with the inscription of Caiaphas. It has been verified as authentic “beyond a reasonable doubt.”
Also, until 2009, there was no tangible evidence that Jesus’ hometown of Nazareth existed during his lifetime. Skeptics like Rene Salm regarded lack of evidence for first-century Nazareth as a deathblow to Christianity. In The Myth of Nazareth Salm wrote in 2006, “Celebrate, freethinkers.… Christianity as we know it may be finally coming to an end!”
However, on December 21, 2009, archaeologists announced the discovery of first-century clay shards in Nazareth, confirming that this tiny hamlet existed during the time of Christ (see “Was Jesus Really from Nazareth?”).
Although these archaeological finds don’t prove that Jesus lived there, they do support the Gospel accounts of his life. Historians note that mounting evidence from archaeology confirms rather than contradicts the accounts of Jesus.”


Magalhães Luís
Early Non-Christian Accounts

Skeptics like Ellen Johnson cite the “lack of secular history” for Jesus as evidence that he didn’t exist.
Yet there is very little documentation for any person from the time of Christ. Most ancient historical documents have been destroyed through the centuries, by wars, fires, and pillaging, or simply through weathering and deterioration.
According to E. M. Blaiklock, who has catalogued most of the non-Christian writings of the Roman Empire, “practically nothing exists from the time of Christ”, even for great secular leaders such as Julius Caesar. Yet no historian questions Caesar’s existence.
And since he wasn’t a great political or military leader, Darrell Bock notes, “It is amazing and significant that Jesus shows up at all in the sources we have.”
So, who are these sources Bock mentions? Which early historians who wrote of Jesus did not have a Christian agenda? First of all, let’s look to Jesus’ enemies.
Jewish Historians: The Jews had the most to gain by denying Jesus’ existence. But they always regarded him as real. “Several Jewish writings refer to Jesus as a real person whom they opposed.
Noted Jewish historian Flavius Josephus wrote of James, “the brother of Jesus the so-called Christ.” If Jesus wasn’t a real person why wouldn’t Josephus have said so?
In another somewhat controversial passage, Josephus speaks more extensively of Jesus.
At this time there was a man who was called Jesus. His conduct was good, and he was known to be virtuous. And many people from among the Jews and other nations became his disciples. Pilate condemned him to be crucified, and he died. And those who had become his disciples did not abandon his discipleship. They reported that he had appeared to them three days after his crucifixion and that he was alive. Accordingly, he was thought to be the Messiah.”
Although some of his words are in dispute, Josephus’ confirmation here of Jesus’ existence is widely accepted by scholars.
Israeli scholar Shlomo Pines writes, “Even the most bitter opponents of Christianity never expressed any doubt as to Jesus having really lived.”
World historian Will Durant notes that no Jew or Gentile from the first-century ever denied the existence of Jesus.


Magalhães Luís
Roman Historians: Early Roman historians wrote primarily of events and people important to their empire. Since Jesus wasn’t of immediate importance to the political or military affairs of Rome, very little Roman history referenced him. However, two important Roman historians, Tacitus and Suetonius, do acknowledge Jesus as a real person.
Tacitus (a.d. 55-120), the greatest early Roman historian, wrote that Christus (Greek for Christ) had lived during the reign of Tiberius and “suffered under Pontius Pilate, that Jesus’ teachings had already spread to Rome; and that Christians were considered criminals and tortured in a variety of ways, including crucifixion.”
Suetonius (a.d. 69-130) wrote of “Chrestus” as an instigator. Most scholars believe this is a reference to Christ. Suetonius also wrote of Christians having been persecuted by Nero in a.d. 64.
Roman Officials: Christians were considered enemies of Rome because of their worship of Jesus as Lord rather than Caesar. The following Roman government officials, including two Caesars, wrote letters from that perspective, mentioning Jesus and early Christian origins.
Pliny the Younger was an imperial magistrate under Emperor Trajan. In a.d. 112, Pliny wrote to Trajan of his attempts to force Christians to renounce Christ, whom they “worshiped as a god.”
Emperor Trajan (a.d. 56-117) wrote letters mentioning Jesus and early Christian origins.
Emperor Hadrian (a.d. 76-136) wrote about Christians as followers of Jesus.
Pagan Sources: Several early pagan writers briefly mention Jesus or Christians prior to the end of the second century. These include Thallus, Phlegon, Mara Bar-Serapion and Lucian of Samosate. Thallus’ remarks about Jesus were written in a.d. 52, about twenty years after Christ.
In total, nine early non-Christian secular writers mention Jesus as a real person within 150 years of his death. Interestingly, that is the same number of secular writers who mention Tiberius Caesar, the Roman emperor during Jesus’ time. If we were to consider Christian and non-Christian sources, there are forty-two who mention Jesus, compared to just ten for Tiberius.


Magalhães Luís
Historical Facts about Jesus:
These early non-Christian sources provide the following facts about Jesus Christ:
Jesus was from Nazareth.
Jesus lived a wise and virtuous life.
Jesus was crucified in Judea under Pontius Pilate during the reign of Tiberius Caesar at Passover time, being considered the Jewish king.
Jesus was believed by his disciples to have died and risen from the dead three days later.
Jesus’ enemies acknowledged that he performed unusual feats.
Jesus’ disciples multiplied rapidly, spreading as far as Rome.
Jesus’ disciples lived moral lives and worshiped Christ as God.
This general outline of Jesus’ life agrees perfectly with the New Testament.
Gary Habarmas notes, “In total, about one-third of these non-Christian sources date from the first century; a majority originate no later than the mid-second century.”[24] According to the Encyclopedia Britannica ”These independent accounts prove that in ancient times even the opponents of Christianity never doubted the historicity of Jesus.”»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
Early Christian Accounts

Early Christians wrote thousands of letters, sermons and commentaries about Jesus. Also, creeds which speak of Jesus, appeared as early as five years after his crucifixion.
These non-biblical writings confirm most New Testament details about Jesus, including his crucifixion and resurrection.
Incredibly, over 36,000 complete or partial such writings have been discovered, some from the first century. These non-biblical writings could reconstruct the entire New Testament except for a few verses.
Each of these authors writes of Jesus as a real person. Christ-mythers disregard these accounts as biased. But the question they must answer is: How could a mythical Jesus have so much written about him within a few decades of his life?


Magalhães Luís
»» Skeptics like Ellen Johnson also dismiss the Second Testament as evidence for Jesus, calling it “biased.” However, even most non-Christian historians consider ancient New Testament manuscripts as solid evidence for Jesus’ existence. Cambridge historian Michael Grant, an atheist, argues that the Second Testament should be considered as evidence in the same way as other ancient history:
If we apply to the New Testament, as we should, the same sort of criteria as we should apply to other ancient writings containing historical material, we can no more reject Jesus’ existence than we can reject the existence of a mass of pagan personages whose reality as historical figures is never questioned.
The Gospels (Matthew, Mark, Luke & John) are the primary accounts of Jesus’ life and words. Luke begins his Gospel with these words to Theophilus: “Since I myself have carefully investigated everything from the beginning, I too decided to write an orderly account for you, most excellent Theophilus.”
Noted archaeologist Sir William Ramsey originally rejected Luke’s historical account of Jesus. However, he later acknowledged, “Luke is a historian of the first rank.… This author should be placed along with the very greatest historians.… Luke’s history is unsurpassed in respect of its trustworthiness.”
The earliest accounts about Alexander were written 300 years after him. But how close to the life of Jesus were the Gospels written? Would eyewitnesses to Jesus have still been alive, or was there enough time for a legend to have developed?
In the 1830s, German scholars argued that the New Testament was written in the 3rd century, much too late to have been written by Jesus’ apostles. However, manuscript copies discovered in the 19th and 20th centuries by archaeologists proved these accounts of Jesus were written much earlier. [See "But is it True?", http://y-jesus.com/wwrj/4-are-gospels-true.php]
William Albright dated all the New Testament books “between about a.d. 50 and a.d. 75.” John A. T. Robinson of Cambridge dates all New Testament books by a.d. 40-65. Such early dating means they were written when eyewitnesses were alive, much too early for a myth or legend to develop.
After C. S. Lewis read the Gospels he wrote, “Now, as a literary historian, I am perfectly convinced that…the Gospels are…not legends. I have read a great deal of legend and I am quite clear that they are not the same sort of thing.”
The quantity of manuscripts for the New Testament is enormous. Over 24,000 complete or partial manuscript copies of its books exist, putting it far above all other ancient documents.
No other ancient historical person, religious or secular, is backed up by as much documentation as is Jesus Christ. Historian Paul Johnson remarks, “If we consider that Tacitus, for example, survives in only one medieval manuscript, the quantity of early New Testament manuscripts is remarkable.”
(For more on the reliability of the New Testament, see “Are the Gospels Reliable?”, http://y-jesus.com/wwrj/4-are-gospels-true.php)


Magalhães Luís
Historical Impact

Myths have little, if any, impact on history. The historian Thomas Carlyle said, “The history of the world is but the biography of great men.”
There is no nation or regime which owes its foundation or heritage to a mythological person or god.
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»» But what has been the impact of Jesus Christ?
The average Roman citizen didn’t feel his impact until many years after his death. Jesus marshalled no army. He wrote no books and changed no laws. The Jewish leaders and Roman Caesars had hoped to wipe out his memory, and it appeared they would succeed.
Today, all we see of ancient Rome is ruins. Caesar’s mighty legions and the pomp of Roman imperial power have faded into oblivion. Yet how is Jesus remembered today? What is his enduring influence?
More books have been written about Jesus than about any other person in history.
Nations have used his words as the bedrock of their governments. According to Durant, “The triumph of Christ was the beginning of democracy.”
His Sermon on the Mount established a new paradigm in ethics and morals.
Schools, hospitals, and humanitarian works have been founded in his name. Over 100 great universities — including Harvard, Yale, Princeton, Dartmouth, Columbia, and Oxford – were begun by his followers.
The elevated role of women in Western culture traces its roots back to Jesus. (Women in Jesus’ day were considered inferior and virtual nonpersons until his teaching was followed.)
Slavery was abolished in Britain and America due to Jesus’ teaching that each human life is valuable.
Amazingly, Jesus made all of this impact as a result of just a three-year period of public ministry. When noted author and world historian H. G. Wells was asked who has left the greatest legacy on history, he replied, “By this test Jesus stands first.”
Yale historian Jaroslav Pelikan writes of him, “Regardless of what anyone may personally think or believe about him, Jesus of Nazareth has been the dominant figure in the history of Western culture for almost twenty centuries… It is from his birth that most of the human race dates its calendars, it is by his name that millions curse and in his name that millions pray.”
If Jesus didn’t exist, one must wonder how a myth could so alter history.


Magalhães Luís
Myth vs. Reality

Whereas mythical gods are depicted as superheroes living out human fantasies and lusts, the Gospels portray Jesus as a man of humility, compassion and impeccable moral character. His followers present him as a real person for whom they willingly gave their lives.
The non-Christian scientist Albert Einstein stated, “No one can read the Gospels without feeling the actual presence of Jesus. His personality pulsates in every word. No myth is filled with such life.… No man can deny the fact that Jesus existed, nor that his sayings are beautiful.”
Is it possible Jesus’ death and resurrection was plagiarised from these myths? Their case against Jesus was presented in the YouTube movie, Zeitgeist, where author Peter Joseph boldly claims,
The reality is, Jesus was…a mythical figure….Christianity, along with all other theistic belief systems, is the fraud of the age.
As one compares the Jesus of the Gospels with the gods of mythology, a distinction becomes obvious. In contrast to the reality of Jesus revealed in the Gospels, accounts of mythological gods depict unrealistic gods with elements of fantasy:
Mithra was supposedly born out of a rock.
Horus is depicted with the head of a falcon.
Bacchus, Hercules, and others were flown to heaven on the horse Pegasus.
Osiris was killed, chopped into 14 pieces, and reassembled by his wife, Isis, and brought back to life.
But could Christianity have copied Jesus’ death and resurrection from these myths?
His followers certainly didn’t think so; they willingly gave their lives proclaiming that the account of Jesus’ resurrection was true. [See "Did Jesus rise from the dead?"]
Furthermore, “accounts of a dying and rising god that somewhat parallel the story of Jesus’ resurrection appeared at least 100 years after the reports of Jesus’ resurrection.”
In other words, accounts of Horus, Osiris, and Mithra dying and rising from the dead were not in their original mythologies, but were added after the Gospel accounts of Jesus were written.
T. N. D. Mettinger, professor at Lund University, writes, “The consensus among modern scholars — nearly universal — is that there were no dying and rising gods that preceded Christianity. They all post-dated the first century.”
According to most historians there really are no true parallels between any of these mythological gods and Jesus Christ. However, as C. S. Lewis observes, there are some common themes that speak to mans’ desire for immortality.
Lewis recounts a conversation he had with J. R. R. Tolkien, the author of The Lord of the Rings trilogy. “The story of Christ,” said Tolkien, “is simply a true myth: a myth…with this tremendous difference that it really happened.”
New Testament scholar F. F. Bruce concludes, “Some writers may toy with the fancy of a ‘Christ-myth,’ but they do not do so on the grounds of historical evidence. The historicity of Christ is as axiomatic for an unbiased historian as the historicity of Julius Caesar. It is not historians who propagate the ‘Christ-myth’ theories.”


Magalhães Luís
Here Was a Man

So, do historians believe Jesus was a man or a myth?
Historians regard both Alexander the Great and Jesus Christ as real men. Yet the manuscript evidence for Jesus is far greater and hundreds of years closer to his life than the historical writings for Alexander are to his. Furthermore, the historical impact of Jesus Christ far exceeds that of Alexander.
Historians cite the following evidence for Jesus’ existence:
Archaeological discoveries continue to verify the Gospel accounts of people and places they record, the latest being Pilate, Caiaphas and the existence of first-century Nazareth.
Thousands of historical writings document Jesus’ existence. Within 150 years of Jesus’ life 42 authors mention him in their writings, including nine non-Christian sources. During that same time period, only nine secular authors mention Tiberius Caesar; only five sources report the conquests of Julius Caesar. Yet no historian denies their existence.
Historians, secular and religious, readily acknowledge Jesus Christ has influenced our world more than any other person.
After investigating the Christ-myth theory, the great world historian Will Durant concluded that, unlike the gods of mythology, Jesus was a real person.
Historian Paul Johnson states that all serious scholars acknowledge Jesus as real.
Atheist historian Michael Grant writes, “To sum up, modern critical methods fail to support the Christ-myth theory. It has again and again been answered and annihilated by first-rank scholars.”
Perhaps the non-Christian historian H. G. Wells put it the best regarding Jesus Christ’s existence:
Here was a man. This part of the tale could not have been invented. »» Permission to reproduce this article: Publisher grants permission to reproduce this material without written approval, but only in its entirety and only for non-profit use. No part of this material may be altered or used out of context without publisher’s written permission. Printed copies of this article and Y-Origins and Y-Jesus magazine may be ordered at: http://jesusonlineministries.com/resources/products/
© 2012 JesusOnline Ministries. This article is a supplement to Y-Jesus magazine by Bright Media Foundation & B&L Publications: Larry Chapman, Chief Editor.







»»»» Meu caro correligionário Marcio Oliveira, esta é uma reflexão contínua. Todas as inúmeras reflexões teológicas que acontecem nas Universidades de Teologia partem da influência teológica de Paulo. Ele ataca, num momento de tensão extremo, provocado pelos crentes judaizantes da sua seita, conhecida como a do "Caminho", a venerada revelação no Sinai/Horeb. Vide a Carta aos Gálatas 3:19b e verso 20. "... e foi posta pelos Anjos [deve-se ler literalmente como "Mensageiros", mas de quem?!] na mão de um medianeiro (Moisés).

Ora, o medianeiro não o é de um só (do HaShem mas sim de Anjos [plural]), mas D-us é um." 



Gálatas 3:19-20 »»»» Paulo não é o único a atestar que a Torah seja promulgada por Anjos (cf. Actos 7: 38.53; Hebreus 2:2). Mas, ao passo que os judeus deduziam disto a sua autoridade divina, Paulo deduz que a Torah escraviza o homem a estes Anjos, cujo mediador é Moisés, por isso o Cristo "especial e místico" (que recusa o Yeshua judeu) de Paulo, o seu KYRIOS, liberta os homens da Torah e liberta-os também desta dependência ligada a Anjos (cultura sincretista, extraterrestres, anjos filhos de Satan... as denominadas "Potestades do Ar"?!) (cf. Colossenses 2:15). Esta dedução, própria de Paulo, fundamenta a argumentação sua e a da Igreja futura, especialmente os fundamentalistas, mas também muitos crentes liberais cultos. Lembro: tudo começa em Paulo (o místico Shaul). E não no IV século. Paulo rompe com o Judaísmo. http://www.bibliaonline.com.br/acf/gl/4 Gálatas 4, versos 23 a 26:

"Todavia, o que era da escrava nasceu segundo a carne, mas, o que era da livre, por promessa.

O que se entende por alegoria; porque estas são as duas alianças; uma, do monte Sinai, gerando filhos para a servidão, que é Agar.
Ora, esta Agar é Sinai, um monte da Arábia, que corresponde à Jerusalém que agora existe, pois é escrava com seus filhos.
Mas a Jerusalém que é de cima é livre; a qual é mãe de todos nós." 
Gálatas 4:22-26 »» Existe um paulinismo (Igrejas Históricas muito dependentes da visão secessionista de Paulo) em tensão com a teologia liberal/pluralista (também presente nas Igrejas históricas que são pró monoteístas puras, como os unitarianos). A cisão dá-se com Paulo, Márcio Oliveira.
Gálatas 4
bibliaonline.com.br



O teu "inimigo" não é a ICAR do IV século ou Constantino. É o apóstolo Paulo. São as Cartas de Paulo.






»»»»»»» Para ti caríssimo Eliezer Abensur. "After investigating the Christ-myth theory, the great world historian Will Durant concluded that, unlike the gods of mythology, Jesus was a real person.

Historian Paul Johnson states that all serious scholars acknowledge Jesus as real.

Atheist historian Michael Grant writes, “To sum up, modern critical methods fail to support the Christ-myth theory. It has again and again been answered and annihilated by first-rank scholars.”" Vide http://cavrt.blogspot.pt/





http://www.westarinstitute.org/Periodicals/4R_Articles/strauss.html » David Friedrich Strauss's The Life of Jesus (1835). "Though Strauss's book was called The Life of Jesus, it actually says relatively little about the historical Jesus. Instead, his main concern was the nature of the texts themselves, rather than the history of the figure behind the texts. Some are classified as "evangelical myths," others as "historical myths," others as "legends." The effect was to undermine the historicity of much of the gospel story. The details of Strauss's argument, his use of Hegelian philosophy, and even his definition of myth, have not had a lasting impact. Yet his basic claims—that many of the gospel narratives are mythical in character, and that "myth" is not simply to be equated with "falsehood" — have become part of mainstream scholarship. What was wildly controversial in Strauss's time has now become one of the standard tools of biblical scholars."




»»»»»»»»» ""Myth" is not simply to be equated with "falsehood"".




Mais: "The problems began not with Jesus, but with God. Some time in elementary school, my first theological conundrum occurred. I was puzzled about how to put together two different things I had heard about God: God was "everywhere present" and God was "up in heaven." How could this be, I wondered? My young mind resolved the puzzle in favor of "God up in heaven." I decided that "everywhere present" must mean that God could be anywhere God decided to be. God could even appear in this room right now. But of course, most of the time God is not "here;" rather, God is "up in heaven." Unwittingly, my resolution of the perplexity reduced God's omnipresence to a magical potentiality to be anywhere.


And unwittingly, I had taken the first step in removing God from the world. My solution involved thinking of God as a supernatural being "out there." God became distant and remote, far away from the world, except for special interventions, like those described in the Bible. In my young mind, I was reliving the early history of the Enlightenment, the period of western intellectual history that removed God from the world, and that, among other things, involved the "disenchantment of nature."







Adolescence: doubt and anguish 

But I still had no doubts God was real. These doubts began in my early teens, and they filled me with anxiety, guild and fear. I still believed enough to be afraid of going to hell because of them. I knew these doubts were wrong and repeatedly asked for forgiveness. But I couldn't stop doubting, and so my requests for forgiveness seemed insincere. After all, I had learned that true repentance included the resolution not to continue committing the sin." More here: 
http://www.westarinstitute.org/Periodicals/4R_Articles/borg_bio.html

Sem comentários:

Enviar um comentário

Shalom! Welcome to CAV Reformed Theology

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.




Uma identificação última com a essência fundamental das igrejas ou espiritualidades não significa, de modo nenhum, que estejamos de acordo com todas e cada uma das coisas que se fazem nelas.

O teólogo K. Rahner escreve: 
"O autêntico dogma nas Igrejas constitui algo que me obriga absolutamente. Como cristão e como teólogo, com certa ansiedade de espírito e coração, devo perguntar-me - com não pouca frequência - qual é o verdadeiro sentido de uma afirmação que o magistério das Igrejas mantêm como dogma, para lhe dar o meu assentimento de modo honesto e tranquilo. 

"Ao longo da minha vida nunca senti que isso fosse impossível. Em relação a esses dogmas, dei-me conta, claramente, que só podem ser bem entendidos quando se torna patente o seu sentido na linha da abertura ao mistério de D-us, sabendo, por outro lado, que foram formulados em condicionamentos históricos determinados. Esses dogmas encontram-se inevitavelmente numa espécie de amálgama que, de facto, não pertence ao conteúdo da declaração dogmática e que pode mesmo levar a que esse conteúdo seja mal interpretado. Isto acontece também porque esses dogmas estão formulados como regulações linguísticas que, para serem fiéis à realidade a que aludem, não deveriam permanecer sempre iguais, nem com as mesmas palavras com que foram formulados. 

"As coisas são diferentes quando se trata deste ou daquele ensino mantido pelo magistério como oficial, apresentado como vinculante, mesmo que não tenha sido 'definido'. Julgo que, por exemplo, nem a argumentação básica nem a autoridade de ensino das Igrejas a que, de facto, se recorre oferecem um fundamento convincente e obrigatório para aceitar a discutida doutrina católica de Paulo VI na 'Humanas Vitae'. O mesmo se diga acerca da declaração feita pela Congregação Católica da Doutrina da Fé que pretende excluir, por princípio, a ordenação de mulheres, como algo a aplicar em todos os tempos e culturas" (cf. "Scriften" XIV, 1980).

Labels

"Only the Father" (1) “Temendo a Deus” (1) 1 (1) 180 grados (1) 4 Pontos do Novo Calvinismo (1) 5 Ways You Will Be Mistreated (1) a comunidade ao mesmo espírito. (1) A IMPOSSIBILIDADE LÓGICA DE JESUS ('YESHUA') (2) A lo Cielo con ustedes (1) A MAIS BELA FLOR (1) A MINHA DESPEDIDA DO CONSERVADORISMO (1) A mulher de Jesus e o Próprio Jesus (1) A ORIGEM DO MAL (1) A palavra El (1) A palavra Ιησουα é feminina (1) A Partícula de Deus (1) A Tradição Adâmica (1) A VERDADEIRA FIDES (3) A vida foi feita para ser vivida (4) A vida foi feita pra ser vivida (1) A Vida Oculta de Jesus (2) Abalemos as Nossas Instituições Divididas (2) Abraão (2) acaba induzindo (1) Adam (1) Adam Harishon (1) Adam Kadmon (1) Adão e Eva (1) ADELE (1) Adjetivos a YHWH (1) ADN (1) Afetos (2) Aliens (1) ALMA (2) AMAR INCONDICIONALMENTE É UMA ARTE (3) Amen (1) AMIGOS (2) Aminata - Um caso de Mutilação Genital | Circuncisão na Alemanha (1) AMOR À INÊS (1) AMOR DE MANINHA (1) AMOR IDIOTA (1) Andre Luchi - Deep Inside Ft. Priscila Prix (Andre Motta Funk Side Mix) (1) Andrés Torres Queiruga (1) Anselmo Borges (3) ANTENA 3 TV AO VIVO (1) Antropologicamente Profundo (1) Apocalipse (1) Apologética Judaicas (1) Arcanjo Gabriel (1) Arcanjo Miguel (1) Armageddon (2) Armindo dos Santos Vaz (4) Arrebatamento (1) ASCO DE VIDA (1) Asham (1) Assexualidade Mística e o Arrebatamento (4) Auto-conhecimento (2) Baal (1) Baptismo (1) Batistas (1) Belém (1) Bíblia (5) BÍBLIAS HEMEROTECA (1) BÍBLIAS HEMEROTECA - EM BUSCA DA VERDADEIRA TRADUÇÃO | Tradução Correta do NT (3) BIBLIOTECA DE TEOLOGIA E EXEGESE ECUMÉNICAS - LINKS (1) BIG BANG (4) Bispas (1) Bispo Aprigio e o Apocalipse (1) Blogues (1) Braga e os Bispos (1) Buenas noches y Buenafuente 1x06 HD | 20/05/2012 | Completo (1) Cabras a cantar são nova sensação do YouTube (1) CALACUS (2) Calvinismo (4) Calvino (1) Caparot (1) Capitalismo não ético (1) Caraítas (2) Carman (1) Carmelitas. Uma vida de oração (1) CARREIRA DAS NEVES (1) Carta aos Hebreus contestada (1) Carta de Deus (1) Carta do HaShem (1) Carta do HaShem a um yehud antinomiano (1) Casa de José (1) Casa de Judá (1) Casamento Judaico (1) Catequese (1) Catequese - Lições (2) Católicos tradicionalistas (1) Cauvinismo (1) CBN LIVE (1) Céu (2) Christianity (1) Ciência (1) CINA (1) Ciúmes (2) Comensalidade (1) Community (1) Compaixão (1) Conservative Judaism (1) Consultório Sexual (3) Contraditório Judaico ao B´rit Hadashah (1) Conversão (2) Conversas com a Nilce (1) Corpo de Deus (1) Criação (1) Cristianismo Progressivo (3) CRISTIANISMO TRINDADE E MITRAÍSMO (1) Cristianismo versus Judaísmo (2) Cruz (1) CUIDADO COM QUEM ANDA - AMISH GRACE - FILME SOBRE A FÉ AMISH NO MOMENTO DA MORTE (1) Culinária (1) D-us morreu no Holocausto? (1) D'us (1) D'us Ele-Ela (1) DAM (1) DAVID É O MESSIAS REENCARNADO (1) de Sandi Dubowsk (1) Debate (4) Debate: Israel não havia quebrado a aliança antes da vinda de Jesus (1) Debates de Afecto Com Uma Feminista (3) DEFICIENTES (1) Deificação (3) Deus (2) Deus Ele - Ela (2) Deus. (1) DEZ MANDAMENTOS (3) Diálogo com o Judaísmo (3) DIÁLOGO ENTRE ATEUS E CRENTES (2) DIÁLOGOS COM O MEU PASTOR BATISTA (1) DIÁLOGOS DE POESIA (2) Disciplina (1) Dízimo (2) DOES JUDAISM NEEDS G-D? (2) e não observada. Não seja plateia (1) É razoável acreditar num Deus? (1) e sim ator. Porém (1) Easter (1) Echad (1) Economia (2) ECUMENISMOS (1) Ed René Kivitz (1) Efraim (1) Eibissa (1) El Cristianismo y las grandes religiones (1) El Hijo de DIos - Teaser Western bíblico futbolero (1) Élder Luís Magalhães Apresenta Judaísmo e Osho (1) Elias (1) EM BUSCA DA BÍBLIA (1) EM OBRAS (1) Emoções (1) Enoch (1) Equality & Gender Issues (1) Escatologia (6) ESCATOLOGIA CRISTÃ (5) ESCATOLOGIA JUDAICA (5) Escatologia Judaica Crente em Yeshua (3) Escatologia Muçulmana (1) ESCOLA DE TEOLOGIA (1) ESCOLA DE TEOLOGIA E BIOLOGIA (1) Escórias (1) Estatísticas (1) ET'S (1) Ética (1) Eunuco (1) Evolução (1) exegese (1) Existe uma guerra espiritual como é interpretada em Efs 6:12? (1) Experiências após a morte (1) Ezequiel 23:20 em Mazal (1) Ezequiel 28 (1) Falo (1) Famílias (1) Fátima (1) FAV TWEETS (1) Feminismo (1) Festas (2) FILISTEUS (1) Filmes místicos (1) Find people who care much more about works of compassion and about inner spiritual growth than they do about doctrines. (1) Frei Bento Domingues (2) FUN AND SPORTS (2) FUTBOLEROS TV (1) Gays (1) Genealogia (2) Génese (1) Genesis (1) GÉNESIS 1-3 (5) GÉNESIS 1:1 (1) Genizah (1) GEOLOGIA (1) GLBT (9) GLBTI (2) Gnosticismo (1) Guehinom (1) Guerra (1) Guerras (1) Guilgul Neshamot (2) HA Satan (2) Hades Intermediário (1) Halal (1) Hans Küng (1) HaShem (1) Hassidismo (1) HEMEROTECA DE EBOOKS (1) Hesed (1) Hora do Enterro de Jesus (1) HUMOR (2) Humor bizarro (1) Identidades religiosas em Portugal: identidades (1) Idolatria (1) IGREJA DE INGLATERRA (1) Igreja Evangélica (1) Igreja Ortodoxa (3) iguais-aos-Apóstolos (1) Illuminati (1) Imagens (2) iMissio (1) Imortalidade (2) improvise. (1) Impureza (1) Índice (1) INFERNO (4) Inquisição Católica (1) Inquisição Protestante (1) Inquisições (1) Intercessão (1) INTRO (1) Irmãos de Jesus (1) Isa (1) Isaac (1) Isaías 9:6 (1) Islam (2) ISRAEL (2) Javá (1) Jean Cauvin (1) Jesus (7) JESUS ANTES (1) Jesus Cristo - um presente dos gregos - Ivani de Araujo Medina (1) Jesus Cristo Presente Dos Gregos (1) JESUS DEPOIS.... (1) JESUS E AS RELAÇÕES DO MESMO SEXO (1) Jesus e o Centurião (1) Jesus foi preso na noite de terça-feira (1) JESUS NÃO DESCENDE DE DAVID (1) Jesus um Plágio? (1) João 1 (1) João 1:1 (3) JOÃO 1:1 Mateus 2:23 Isaías 53 (3) JUDAÍSMO (8) Judaísmo 101 (3) Judaísmo Humanista (1) Judaísmo Liberal (2) Judaísmo Trinitariano vs Judaísmo Monoteísta Puro (1) JUST LIVE LIFE (1) Kabbalah (4) Kasher (1) Kashrut (1) La Historia de la Religión en 1 Minuto (1) Laicidades (1) Lapidação (1) Leandro Lima - Uma Defesa do Batismo Infantil e por Aspersão (1) LECTIO DIVINA (1) Lefebvrianos (1) LEI DE NEWTON (1) Leis e costumes de Iom Kipur (1) Leis Noahides (1) LGBQ (1) LIBERALISMO (1) Lilith (4) Links (1) LOGOS FM (1) LUTERO 2016 (1) Lutero e o Mal (2) MACEDO DE CAVALEIROS (1) Maçonaria (2) Mahdi (1) Mal (1) Malkitsdec (1) MANIF (1) MANTRAS (1) Mário Soares (1) MAS APENAS O PRIMEIRO HEBREU - J. Herculano Pires e Anselmo Borges (1) mas um problema (1) masculina ou neutra ou dual? No meu link da SEPTUAGINTA (1) Mashiach Ben Constantinus (1) Massiach (1) Masturbação (1) MATEUS 16:20 (1) Mazal (8) MAZAL HOJE - O DIABO | AS RELAÇÕES HUMANAS | O CRIACIONISMO (2) Medula Óssea (1) Meet the Amish (1) Melania Trump (1) Mesopotâmia (1) Milénio (1) Mística (2) mística nupcial (1) Mitch Hedberg (1) Mitos sexuais (2) Moisés (1) MOMENTOS DE FÉ E COMPAIXÃO (1) Monja (1) MONOGAMIA | PRAZER | ROMANTISMO (1) More Ventura Twitcam (1) Moré Yossef Felix (1) Morte (2) Mortes (1) Mudanças (1) mulher (1) Mulher Segundo o Judaísmo Bíblico (1) Mulheres (1) MÚSICA (3) Música Judaica (1) não ensaie (1) não existe Neemias 11:16 (1) Nascimento de Jesus (1) Nascimento Virginal (1) Nasi (1) Nazoreu (1) NDE (2) Near Death Experience (1) nem Adão (1) Nem Eva (1) nem pecado original (1) no nível energético (1) Noiva do Cordeiro (1) O Fruto do Pecado Original (1) O mal (1) O Maligno (1) O MEU SITE (1) O mito do lençol manchado de sangue (1) O Nome (1) O Nome de Deus (1) O Nosso Destino Futuro (1) O Racialismo Excêntrico do Falo e de Lilith (2) O Ritual Tashlich (dos Peixinhos) (1) O SEXO DOS ANJOS (1) O sexo é a música do matrimónio (1) O TEMPO (1) O testamento do Papa Bento XVI (1) OIEV (1) Online Contemporary Jewish Community. (1) Open Theism (2) ORAÇÕES PELOS DOENTES (1) ORAR (1) Origens (1) Os Novos Dez Mandamentos (1) OSHO (1) OSHO: D-us não é uma solução (1) Osservatore Romano (1) Ovnis (1) Oxysgenos Design (1) Padre Beto (1) Padre Carreira das Neves (1) Padre da Lixa (3) Padre Quevedo (1) Padrões da Comunidade do Facebook (1) Palavra da Sabedoria (1) Pânico Na Band - 29/07/12 - COMPLETO (HD) (1) Papa (2) Paper.li (1) Parousia (1) PASTOR BATISTA FAMOSO E ESQUECIDO (1) PASTORES QUE NÃO ACREDITAM EM DEUS (1) Paulo Brabo (1) PDF (1) Pecado contra o Espirito Santo (1) Pecado Original (7) Pecado Original não existe nos Judeus (1) Pensar (1) Pentecostes (1) Perdão (1) PERDOAR (1) Peshitta (1) Pessach (2) Pitonisa (1) Poesia (1) POLÍTICA SEXY (1) Political and Religious Subjects (1) Porque razão o inconsciente tem uma atuação mais forte do que o consciente? (1) Post Mortem (1) Predestinação (2) Profecia (1) Purgatório (1) quebrou quando não creu Nele? (1) Quiyamah (1) Rabinato (1) Rabino Marcos Andrade Abrão (2) Rabino Marcos Andrade Abrão (1) Rádio Goom (1) Rádio Los 40 (1) RAP (1) Reencarnação (1) REFO 500 (1) Reform Judaism (2) REFORMATION (1) Regressão (1) Religião Hebraica e Cananita (1) Religiosas(os) de Clausura (1) Ressurreição (6) RETRO TUMBLR (1) Ricardo Gondim (1) RIT - Programa Vejam Só - A Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal (1) Ritual Kosher (1) Ritual Tashlich (dos Peixinhos) (1) Romanos 9 (1) ROMANOS 9 | PREDESTINAÇÃO | LIVRE-ARBÍTRIO | LIVRE AGÊNCIA | ADÃO NÃO FOI O PRIMEIRO HOMEM (1) Rosh Marcos Andrade Abrão (3) Ruído (1) Sacerdócio Feminino (1) Sacrifício de Jesus (1) Sacrifícios (1) SALMO 23 (1) Salvação (3) Samael (1) Samaritanos (1) Samuel (1) Sangue (1) Santidade Judaica (1) Santíssima Trindade (3) Santo Ofício (1) Santos (1) Santos Constantino e Helena (1) SARAH (1) Satan (2) Saúde (1) Saul (1) Serpente (1) Sete Leis de Noach (1) Sete Mandamentos (1) Sete Mandamentos de Noach (1) sexualidade (2) Shabbat Shalom (2) Sharia (1) Shechita (1) SPAM (1) Street View (1) Talmud (2) Talmude (1) Tanach (1) TANTRA (1) Teísmo Aberto (2) teologia (1) Teologia Relacional (1) Teólogo Kadu Santoro (1) TERCEIRA GUERRA MUNDIAL (1) TESE SOBRE HOMOSSEXUALISMO (1) Teshuvá - Tefilá - Tzedaká (1) Texto antigo fala que o Prefeito Pôncio Pilatos ofereceu sacrificar filho no lugar de Yeshua (1) The House of Yahweh My Side of the Story (1) The Shlomones -I'm Going to a Seder - Passover Pesach (1) This is my Bible (1) TIMELINE (1) Tom Horn (1) Torah (1) TORAH COMPLETA (2) Tradução Correta do NT (2) Transfusões de sangue (2) TRANSMUTAÇÃO (1) Tratado de Sotá (1) Tratado de Sucá (1) TREVAS (1) Trindade (4) tumblr pessoal (1) TUMBLRS (2) TWEETS (1) TWEETS LIBERAIS E CONSERVADORES (11) TWITCAM (1) TWITTERS QUE SIGO (1) TWWW.TV (1) Tzemah Yoreh (1) Um pastor sexualmente culpado e promiscuo (1) UMA PESSOA QUE NASCEU SURDA MUDA PENSA EM QUE IDIOMA? (1) UNÇÃO (1) Unitarismo (1) Valedor (2) VALORES (1) valores e práticas - 2011 (1) Verbo (1) Véu (1) Vida de Contemplação (1) VINGANÇA (1) VIOLÊNCIA (1) Virgem Maria (1) VIVER (1) Você crê em Deus ou em Elohim? (1) Yachad (1) Yachid (1) YESHAYAHU/ISAÍAS 52:13—53:12 (1) Yeshu (1) Yeshu ha-Notzri (1) Yeshua (4) Yom Kippur (1) Yoshke (3) Yossef Pai de Miriam (1)

VERBETE SOBRE CIÚME

Read more

GLBT News

Read more

ESKUP ÚLTIMA HORA

Tuultimolibro




Padrões-da-Comunidade-do-Facebook e do Judaísmo Secular ou Humanista » http://cavrt.blogspot.pt/2012/10/padroes-da-comunidade-do-facebook.html



Robespierre Cardoso da Cunha
Simples o dominio que esta por trás dela é de um anjo caído ...HA'Satan


Francisco Sales Gonzaga
só isto e prq eles seguem anjo caido?será que o sujeito ñ esta vendo o anjo caido não? gente acorda!!!!!


Regina Da Silva Farias
ñ é nda por causa de anjo nenhum é por causa de poder só isto e riquezas ela sabe que se começa falar a vdd tera que devolver oque tomou dos inocentes a 2mil anos e tera que pga pelos crimes que cometeu nestes 20 seculos!


Regina Da Silva Farias
ela ainda é muito poderosa esta na epoca do barro mas ainda é muito forte!


Alcides Jose de Castro
Mas como posso ser conhecedor da vdd e ensinar a mentira?pode patecer ingenuo de minha parte mas quantas pessoas nas trevas.e JESUS CRISTO,O NAZARENO sempre diz que a vdd liberta.como posso cultuar imagens de gesso uma vez que D+us busca adoradores que o adorem em Espirito,pela fé.


Francisco Sales Gonzaga
A idolatria e depravação dos homens>A ira de DEUS se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detém a verdade pela justiça; romanos cap;1;vers;18porquanto o que de DEUS


Francisco Sales Gonzaga
se pode conhecer é manifesto entre eles,porque DEUS lhe manifestou.vers;19!


Magalhães Luís
Eu ainda não percebi porque razão se afirma que a Igreja Católica leva à idolatria. Como é que uma teologia apoiada em Santos e teólogos de primeira qualidade ainda leva a uma questão do século XVI?! Quando as Igrejas da Reforma que tinham essa disputa já chegou a um entendimento da postura Católica. Para chegar a uma posição consensual nas cerimónias litúrgicas ecuménicas recorre-se a ícones.


Magalhães Luís
Continua-se a pensar a partir da mentalidade sectariana evangelical, unicista, unitariana, judia-muçulmana...


Magalhães Luís
E aos crentes em Yeshua vão estudar mariologia. Passo 1: http://pt.scribd.com/doc/99504667/MARIOLOGIA



X
Alcides Jose de Castro......a igreja católicas criou muitos costumes para se diferenciar entre as religião....para aderir mais adeptos.....criou costumes quem nem existe na Biblia,o de padre não poder casar,isto não existe, é apenas uma forma que igreja católicas achou de não dividir seus bens.....do vaticano não dividir seus bens com estas famílias....mais podemos ver muitos filhos bastardos jogados ao leu.....muitos jovens sendo usados pelos padres....não existe a crisma....entre muitos outros costumes ....o de idolatria....pois o Papa é o maior criador de imagens....mais pela posição social .....e politica ....pela força de poder politico.....ela consegue continuar a enganar......um pastor disse em uma de suas pregações que a África sofre até hoje as consequências das escravidão.....do Egito.....pois lá foi o lugar que Cristo foi crucificado.....e pela nação do Egito ser um povo negro.....entendeu-se que é racismo.....mais na verdade é só as consequências de pecado do passado.....Deus acabou com Sodoma e Gomorra pelo pecado do luxuria.....do imagens ....e idolatria ..e do homossexualismo que existia na época.....e este mesmo pastor disse que Deus ama os homossexuais....mais condena seus pecados.....foi criticado por isso ...e o Papa para defender a família católica disse a mesma frase.....que Deus ama os homossexuais mais condena seus pecados....ama as pessoas mais não seus erros.....e ninguém se importou....nada houve contra ele......tudo que a igreja católica aprova ....fala......por causa da politica...economia......do poder......tudo é aceito......e se de qualquer religião disser.....é condenado......a justiça do homem é cega......a justiça do homem é conveniente......só a Deus....é justa e fiel......por isso nunca vamos enteder ninguém nem o mundo pois os homens são corruptos e todo mundo tem um preço.....e cada um mostra seu valor na hora da verdade.......o mundo jás do maligno......e o que vale....entre muitos é sobreviver......enquanto deveria ser saber viver.....pois sem YHWH não somos nada......ou podemos até ser por um tempo.....mais não podemos ser o tempo todo...assim é a verdade e a mentira......tudo pode durar por um tempo mais nunca o tempo todo.....Deus tira as mascaras.....desnuda os soberbos....rebeldes...desobedientes.....arrogantes......


Magalhães Luís
A questão do Padre ser casado ou não, não tem a haver com argumentos materialistas. Que estão presentes, é claro, ninguém contesta isso. Mas o Padre casa misticamente com Jesus. Que é superior a qualquer casamento humano.


X
PAZ DE ESPÍRITO, MELHOR CALMANTE!
Às vezes as tribulações da vida nos deixam abalados e perdemos a paz e o sono. Sentimo-nos acuados e encurralados por sentimentos turbulentos que assombram nossa alma. O melhor remédio para um sono reparador é a paz de espírito, fruto da confiança em Deus. o rei Davi, quando estava passando o momento mais amargo de sua vida, fugindo de seu próprio filho Absalão, que queria tirar-lhe a vida e tomar-lhe o trono, disse: "Deito e logo pego no sono, porque só tu, Senhor, me fazes repousar seguro".


Magalhães Luís
Eu sou um cristão que está casado misticamente com Jesus; não o troco por mulher alguma.


Magalhães Luís
Sou celibatário com toda a liberdade.


Magalhães Luís
Todo o sacerdote apaixonado por Jesus devia ser celibatário.


Magalhães Luís
Estou com São Paulo.


Magalhães Luís
1 Coríntios 7: 32 Pois quero que estejais livres de cuidado. Quem não é casado cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor,

33 mas quem é casado cuida das coisas do mundo, em como há de agradar a sua mulher,

34 e está dividido. A mulher não casada e a virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santas, tanto no corpo como no espírito; a casada, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido.

35 E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma.
João Ferreira de Almeida Atualizada (AA)


Magalhães Luís
"O homem não casado e o virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santos, tanto no corpo como no espírito; o casado, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à esposa."


Magalhães Luís
"A mulher não casada e a virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santas, tanto no corpo como no espírito; a casada, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido."

X
Se o padre tem a ideia que casa com Jesus Magalhães Luís.....ainda é pecado maior ainda...de ignorância pois todos os padres tem suas amantes.....e o vaticano incoberta oculta tudo isso....sempre que aparece na mídia algo sobre isso de um padre ele fica um tempo fora e depois volta......lá tudo é acobertado....esse negocio de celitabo....é falso.....veja o Francisco renunciou.....ficou um tempo acobertado....e hoje já mora quietinho nos palácios do vaticano.....lá tudo funciona na mesma politica.....tudo se acoberta.....todos os estupros......toda luxuria......todo fruto da carne é acobertado e oculto pelo vaticano.....se você cre que existe mesmo celibato na igreja católica você é muito ingênuo.....


Magalhães Luís
"E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma."


Magalhães Luís
Pois eu não tenho amante alguma. Só Jesus na minha vida. E comigo tenho muitos santos.


Magalhães Luís
E não vivo na lúxuria.

X
Algum crente.....já foi casado com uma mulher por caridade?


Magalhães Luís
Sim. Por caridade. Existem crentes assim. Para as tirarem da prostituição. Com autorização eclesiástica. Nada às escuras. 


X
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk......quanta hipocrisia Magalhães Luís


Magalhães Luís
Agora essas mulheres estão casadas com pessoas que realmente as amam no aspecto unitivo e procriativo. Cristãos praticantes. E nessas congregações toda a gente participa nesses eventos reconstructivos da nova biografia dessas almas.

X
Você está vendo que você só confirmou tudo o que eu disse Magalhães Luís.....o Vaticano aprova....tudo......e os padres enganam a si mesmos....pois a sociedade já sabe ....sem essa de caridade.


Magalhães Luís
Com certeza, mas não é da ICAR. Não menciono denominações. E foi um pedido de uma outra Igreja a outra Igreja. Que pediu ajuda. Pois não sabiam mais como ajudar. Foi algo interconfessional. Contaram-me. Gente de credibilidade.


X
Você não precisa casar com uma mulher para ajudar ela Magalhães Luís.........Para de se enganar com esses da clerezia.....Fica dizendo essas heresias absurdas de caridade e outros besteirol.


Magalhães Luís
José casou com Maria, a nossa Mãe, por caridade e obediência.


Magalhães Luís
Sabia disso?! Para não ser apedrejada.


X
Magalhães Luís......me desculpe...mais com a hipocrisia deslavada não dá da para falar.....e voce ainda fica argumentando se achando o bom......me poupe...desta.....todo o padre tem amante sim e é acobertado pelo Vaticano.......ele sabe que não vive o pecado pois casar e ter família não é pecado.....o pecado é a hipocrisia....sua de disser que era só caridade......


Magalhães Luís
José casou com Maria, a nossa Mãe, por caridade e obediência. Sabia disso?! Para não ser apedrejada. Sabia. Estou apenas a imitar o santo.


Magalhães Luís
E mais: "O homem não casado e o virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santos, tanto no corpo como no espírito; o casado, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à esposa."

Magalhães Luís "A mulher não casada e a virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santas, tanto no corpo como no espírito; a casada, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido."


Magalhães Luís
"E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma."


Magalhães Luís
Destaco: "A fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma."


Magalhães Luís
Sem distracção alguma.


Magalhães Luís
Sem distracção alguma.


Magalhães Luís
Sem distracção alguma.


Magalhães Luís
Destaco: "A fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distracção alguma."

X
Magalhães Luís.....ou voce é muito safado.....ou é ignorante.....Jose amava a Maria....já estava para se casar com ela......e por ser um homem temente a Deus....e por um anjo ter falado com ele....e por ele ver que ali se fazia a gloria de Deus.....se fazia cumprir as promessas.....e depois eles tiveram muitos outros filhos.....ele respeitou Maria no tempo que Deus deu a ele....mais a mulher que voce casou não precisava de sua caridade desta forma......me engana que eu gosto.....isso tem outro nome......que vergonha usar as Palavras Bíblicas para justificar esta heresia blasfêmia...hipocrisia....



Magalhães Luís
José amava Maria?! E por um Anjo ter falado com ele?! Isso é em Mateus 1:20. Em "19José, com quem Maria ia casar, era um homem que sempre fazia o que era direito. Ele não queria difamar Maria e por isso resolveu desmanchar o contrato de casamento sem ninguém saber."


Magalhães Luís
Veja: "José, com quem Maria ia casar, era um homem que sempre fazia o que era direito. Ele não queria difamar Maria e por isso resolveu desmanchar o contrato de casamento sem ninguém saber.""


Magalhães Luís
Não fala de amor. Fala de fazer tudo direito.


Magalhães Luís
E mais » Escreve São Paulo: "E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distracção alguma."


Magalhães Luís
 E centre-se no que diz São Paulo: "E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma."

X
Magalhães Luís.....as pessoas usam versículos da Biblia...e querem usar em sua vida achando que estão fazendo as mesmas coisas igual da Palavra....se voce se casou com alguém seu celibato se foi no casamento.....hoje voce pode ser uma pessoa resguardada......mais não no celeibato...na pureza.....


Magalhães Luís
O celibato, no meu caso é retomado quando eu quiser. Eu quando fiz o voto de celibato não era perpétuo. Pois era um religioso calvinista, não era um religioso católico. Tinha alguns privilégios especiais. Eu queria crescer no conhecimento do Senhor. Sem distracções.


Magalhães Luís
E durante anos não me distraí do Senhor.


X
Eu já fui da Igreja Católica e tenho muitos da família na igreja católica e sei como funciona estas coisas lá....


Magalhães Luís
Se sei algo hoje devo-o a esse tempo. "O homem não casado e o virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santos, tanto no corpo como no espírito; o casado, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à esposa."


Magalhães Luís
Eu fui monge a tempo inteiro e sei como funcionam estas coisas lá...


Magalhães Luís
Não ouvi dizer.


Magalhães Luís.....quando voce perde a virgindade.....perdeu amigo....quando perdemos algo....esta perdido principalmente num caso como esse......a pureza.....é assim ou se é ou se não é.....deixa de hipocrisia.....voce já de certeza se deitou ou coabitou com alguém e quer me dizer qaue é puro sexualmente.....me poupe......


Magalhães Luís
"E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma."


Magalhães Luís
Celibato não é virgindade.


Magalhães Luís
Celibato não tem a ver com ser puro sexualmente. Isso é ser monge budista.


X
HIPOCRISIA....Magalhães Luís..........voce não vive de celibato assim como nenhum padre vive isso é só enganação.....enganam vocês mesmos e tentam enganar os outros.........besteirol.........o celibato é um costume só no papel.....de igreja católica.....mais na pratica não funciona.....de forma nenhuma........HIPOCRESIA>>>>>>>>>>
No dicionário Magalhes esta escrito assim: Celibato estado de uma pessoa que se manteve solteira...celeibatario que ou aquele que nunca se casou.......portanto.......para de HIPOCRESIA.....

Magalhães Luís
Os três conselhos evangélicos (de «virgindade-pobreza-obediência») constituem teologicamente um unicum. Os três conselhos não são separáveis: na sua unidade eles evocam a fé na Santíssima Trindade (escolhe-se ser pobre perante o Pai rico de todos os dons; obedientes como o Filho; virgens pelo amor unificador e fecundo do Espírito Santo), eles unem intimamente o cristão ao mistério do Filho encarnado que viveu pobre, casto e obediente; exprimem com radicalidade o dinamismo das três virtudes teologais; conduzem ao redescobrir da estrutura originária do ser humano e an­tecipam o mundo novo. Não se pode «professar» a virgindade, sem professar também a pobreza e a obe­diência.


Magalhães Luís
Mas dentro da Igreja Católica um padre pode casar-se. Basta ser padre católico da Igreja Católica de rito oriental.


Magalhães Luís
Só o padre de rito latino é que não pode casar.


Magalhães Luís
No rito ocidental se você quiser casar pode casar-se na Comunhão Anglicana e depois pedir para ser integrado na Igreja Católica.


Magalhães Luís
Por isso qualquer padre pode casar-se. Só tem é que escolher.


Magalhães Luís
Repito. Os três conselhos evangélicos (de «virgindade-pobreza-obediência») constituem teologicamente um unicum. Os três conselhos não são separáveis: na sua unidade eles evocam a fé na Santíssima Trindade (escolhe-se ser pobre perante o Pai rico de todos os dons; obedientes como o Filho; virgens pelo amor unificador e fecundo do Espírito Santo), eles unem intimamente o cristão ao mistério do Filho encarnado que viveu pobre, casto e obediente; exprimem com radicalidade o dinamismo das três virtudes teologais; conduzem ao redescobrir da estrutura originária do ser humano e an­tecipam o mundo novo. Não se pode «professar» a virgindade, sem professar também a pobreza e a obe­diência.

X
Magalhães Luís
Se não quiser invocar a santíssima Trindade na sua vida sacerdotal, tem o rito oriental e a Comunhão Anglicana.

Magalhães Luís........HIPOCRESIA ...e EGOCENTRISMO.......essa é sua religião esse é seu deus.......chega......sem definição..........................................................................................................................e o pior de tudo fica tentando se argumentar...............................................................seja seu sim. sim............seu não não o que vier além disso é maligno....................cada vez se compromete mais...quanto mais fala.....mais azeda tudo....


Magalhães Luís
Não quer entender é consigo. Mas pergunte a um padre se no rito oriental não se pode casar.


Magalhães Luís
Passar bem.

X
Tem muita sujeira em muitas lugares Magalhães Luís.......não em tudo mais em muita coisa em muita religião.....e escondem tudo debaixo do tapete.....conhecedores da Palavra ........é cheio de hipocrisia......enganação......só Deus para por terra toda sujeira......enganação.


Magalhães Luís
Que a afectividade e a sexualidade não são uma fatalidade, imposta pelas leis da natureza e da sociedade, mas são o campo de uma escolha livre, é o próprio Jesus quem o proclama, antes de mais sendo Ele próprio celibatário e proclamando que há aqueles que escolhem a via da continência por amor do Reino dos Céus (cf. Mt 19, 12). Ao proclamar a possibilidade desta escolha livre, o Senhor restitui ao casamento a sua dignidade de escolha livre. Sobretudo a mulher, que tinha a sua dignidade restringida à procriação, sente-se liberta e reconhecida na sua dignidade como pessoa. Não é por acaso que, na Igreja nascente, são as mulheres que escolhem a virgindade como caminho para seguir a Cristo, que suscitam o ideal da virgindade como caminho cristão de amor.


Magalhães Luís
Eu hoje retomo esse caminho. Por isso fico mais livre para estudar e poder depois partilhar.


Magalhães Luís
O celibato não é uma renúncia ao amor; é a escolha de um amor novo e este converge com o amor do Bom Pastor. A própria complementaridade homem-mulher encontra expressão de profundidade e de intimidade mística, onde o melhor de cada um exprime a comunhão dos santos. São Bento e Santa Escolástica, São Francisco e Santa Clara não são os únicos exemplos.

Magalhães Luís.......voce vive na carne......do seu próprio egocentrismo........faz um churrasco da própria carne e não consegue nem sentir dor.......nem ver nada......vive num arco íris......


Magalhães Luís
Eu escolhi este amor novo. Imitador de São Paulo. E das suas palavras: "Sem distracção".


Magalhães Luís
Você parece que quer me incentivar negativamente.


Magalhães Luís
Em vez de me ajudar. Eis um poema que descreve o que queremos ser. O que a nossa alma quer ser. »»»»»»»»»

Seja a alma humana leve, branca e pura como a neve, 
A fim de que a sua lisura seja tudo menos breve. 
Essa pureza química na verdade sã consiste; 
A mentira, triste mímica, lá não cabe, lá não existe. 
E assim, no refrigério dessa alva simplicidade, 
Encontra-se viva e salva a irmã humanidade!...

Miguel Neves