domingo, abril 14, 2013

A VERDADEIRA FIDES PARA A NOSSA DEIFICAÇÃO - PARTE II


há 54 minutos

Magalhães Luís
Nosso Senhor Deus e Salvador Jesus Cristo vem justamente anunciar ao Povo de Israel e a todos os homens a verdadeira Liberdade, a Liberdade interior, a Liberdade do espírito, que consiste na libertação das paixões e que abre espaço para a vivência genuína do Amor.
Não gosto  1  Editar  há 50 minutos

Magalhães Luís
A Trindade cristã é formada por Deus Pai, o Filho Jesus Cristo (que são todos os seres humanos) e o Espírito Santo (que é a comunhão ou amor entre Deus e os seres humanos, entre todos os seres humanos.
Isto é belo...
Não gosto  1  Editar  há 49 minutos

Magalhães Luís
SANTO INÁCIO E A TRINDADE

A fórmula ternária aparece três vêzes nas cartas de Santo Inácio:

"Sois pedras do templo do Pai, alçadas para as alturas pela alavanca de Jesus Cristo, alavanca que é a cruz, servindo-vos do Espírito Santo como de um cabo". Ef. 9,1

"Cuidai de permanecer firmes nas doutrinas do Senhor e dos Apóstolos, para que tudo quanto fazeis caminhe bem, na fé e na caridade, no Filho e no Pai e no Espírito, em união com o vosso bispo muito digno e coroa espiritual do vosso presbitério, e com os diáconos segundo o coração de Deus". Mg. 13,1

"Sede sujeitos ao bispo e uns aos outros, como Jesus Cristo está sujeito ao Pai, segundo a carne, e os Apóstolos a Cristo e ao Pai e ao Espírito". Mg. 13,2

SANTO INÁCIO E CRISTO

Inácio declara que

"Há um só Deus, que se manifestou através de seu Filho Jesus Cristo, sua Palavra saída do silêncio". Mg. 8,2

Também afirma que Jesus Cristo é Deus nas seguintes passagens:

"Nosso Deus, Jesus Cristo, tomou carne no seio de Maria segundo o plano de Deus". Ef. 18,2

"Não vos separeis de Jesus Cristo Deus, nem dos bispos, nem das prescrições dos Apóstolos". Tral. 7,1

"Inácio, à Igreja amada e iluminada segundo a fé e a caridade de Jesus Cristo nosso Deus, deseja todo o bem e irrepreensível alegria em Cristo Jesus Nosso Deus". Rom. Introd.

Em outras passagens ele subentende a diferença de Cristo do Pai:

"Assim como o Senhor nada fêz sem o Pai, com o qual estava unido, nem pessoalmente, nem através dos Apóstolos, assim também vós nada haveis de empreender sem o bispo e os presbíteros". Mg. 7,1

"Sigam todos ao bispo, como Jesus Cristo ao Pai". Smir. 8,1

"Após a ressurreição comeu e bebeu com eles, como alguém que tem corpo, ainda que estivesse unido espiritualmente ao Pai". Smir. 3,3

Em outras, ainda, ele afirma a preexistência de Cristo antes da encarnação:

"Acorrei todos ao único templo de Deus, ao único altar do sacrifício, a um só Jesus Cristo, que saíu de um só Pai, permaneceu em Um só e a Ele voltou". Mg. 7,2

"Esforçai-vos por fazer tudo sob a presidência do bispo em lugar de Deus e dos presbíteros em lugar do colégio dos apóstolos e dos diáconos encarregados do serviço de Jesus Cristo, o qual antes dos séculos estava com o Pai e nos últimos tempos se manifestou". Mg. 6,1

Mas sobre a natureza da distinção de Cristo do Pai na unidade divina tudo o que Inácio tem a dizer é que Cristo é o "pensamento" do Pai:

"Jesus Cristo, nossa vida inseparável, é o pensamento do Pai, como por sua vez os bispos, estabelecidos até os confins da terra, estão no pensamento de Jesus Cristo". Ef. 3,2
Não gosto  1  Editar  há 47 minutos

Magalhães Luís
A SANTÍSSIMA TRINDADE NOS PADRES APOSTÓLICOS.

A evidência que pode ser reunida dos textos dos Padres Apostólicos é pobre e inconclusiva.

A preexistência de Cristo era de modo geral concedida, assim como seu papel na Criação e na Redenção.

De uma doutrina da Trindade no sentido estrito não há sinal, embora a fórmula ternária da Igreja tivesse deixado a sua marca em todo o lugar.
Editado  Não gosto  1  Editar  há 44 minutos

Magalhães Luís
Nota dogmática histórica: A PLURALIDADE DAS PESSOAS DIVINAS NA TRADIÇÃO APOSTÓLICA E NA FÉ PRIMITIVA.

A pluralidade das Pessoas divinas é claramente visível nas páginas do Novo (Segundo) Testamento. É mais marcada ainda na primitiva liturgia da Igreja e na prática catequética do dia a dia.

Embora no período primitivo não houvesse ainda credos com fórmulas estabelecidas, é evidente que nos tempos apostólicos o principal tema da propaganda da Igreja e do culto era que Deus havia enviado o seu Filho, o Messias Jesus, que havia morrido, ressuscitado no terceiro dia, subido ao céu, o qual haveria de retornar em glória. Frequentemente incluía-se uma referência ao Espírito Santo, inspirador dos profetas do Velho testamento (Tanach) e dom concedido nestes últimos tempos aos fiéis.

Algumas vezes estas expressões se encaixam num molde binário referindo-se apenas ao Pai e ao Senhor Jesus Cristo, mas o molde ternário, afirmando a crença no Pai que criou o Universo, no seu Filho Jesus Cristo, e no Espírito Santo, gradualmente se torna normal à medida em que avança o segundo século.

O rito batismal é a liturgia da qual possuímos maior conhecimento neste período, e a evidência que daí pode-se tirar é a mesma. As idéias implícitas nestas fórmulas catequéticas e litúrgicas primitivas representam uma fase pré-reflexiva e pré-teológica da fé cristã.
Editado  Não gosto  1  Editar  há 41 minutos

Magalhães Luís
O Verbo nos Escritos dos Padres Apologistas.

A COLOCAÇÃO GERAL DOS PADRES APOLOGISTAS
Comentário geral
Os padres apologistas, entre os quais estão São Justino, Taciano e Teófilo de Antioquia, padres do segundo século da era cristã que receberam este nome por causa de seus escritos mais conhecidos, intitulados Apologias por sustentarem uma defesa do Cristianismo diante de pagãos e judeus, foram também os primeiros a tentarem esboçar uma explicação intelectualmente satisfatória da relação de Cristo para com Deus Pai. A solução que eles propuseram, reduzida aos pontos essenciais, foi que, enquanto pré- existente, Cristo foi o pensamento ou a mente do Pai, e, enquanto manifestado na Criação e na revelação, foi sua extrapolação ou expressão.

SÃO JUSTINO

1. A doutrina de Justino sobre Cristo: Cristo é o Logos

O ponto de partida de Justino é que a razão ou Logos germinal é aquilo que une os homens a Deus e lhes dá conhecimento dEle. Antes da vinda de Cristo os homens possuíam como que sementes do Logos e foram capazes de chegar a facetas fragmentárias da verdade. O Logos, porém, agora, "tomou forma e se fêz carne" em Jesus Cristo, encarnando-se inteiramente nEle.

REFERÊNCIAS:

S. Justino: 1 Apol. 32,8; 5,4.

Idem: 2 Apol. 8,1; 10,2; 13,3; 10,1.

2. O que é o Logos

O Logos é aqui concebido como a inteligência ou o pensamento racional do Pai; mas Justino afirmou que Ele não era distinto do Pai somente pelo nome, mas era numericamente distinto também.

REFERÊNCIAS:

S. Justino: Dial. 128,4.

3. Provas de que o Logos é outro que não o Pai
Que o Verbo é outro que não o Pai pode ser mostrado:

A. Pelas aparições de Deus no Velho Testamento, como por exemplo, a Abraão entre os carvalhos de Manre, o que sugere que "abaixo do Criador de todas as coisas, existe um outro que é, e é chamado,
Deus e Senhor", já que é inconcebível que o "Mestre e Pai de todas as coisas tivesse abandonado todos os seus afazeres supra celestes e se tornado visível em um diminuto recanto do mundo".

B. Pelas frequentes passagens do Velho Testamento, como por exemplo, em Gênesis 1, 26: "Façamos o homem à nossa imagem e semelhança", que representam Deus como que conversando com um outro, que presumivelmente é um ser racional como Ele mesmo.

C. Pelos textos que tratam da sabedoria, como Provérbios 8,22 e seguintes: "O Senhor possuíu-me no início de seus caminhos, desde o princípio, antes que fizesse suas obras. Na eternidade fui concebida, desde épocas antigas, antes que a terra fosse feita", já que todos concordam que o gerado é diverso do gerante.

REFERÊNCIAS:

S. Justino: Dial. 56,4; 60,2; 62,2; 129,3 ss; 61,3-7; 62,4.
Editado  Não gosto  1  Editar  há 39 minutos

Magalhães Luís
O Verbo é divino

Embora diverso do Pai, o Verbo é divino, diz São Justino: "Sendo Verbo e primogénito de Deus, Ele também é Deus". "Assim, portanto, Ele é adorável, Ele é Deus", e "nós adoramos e amamos, depois de Deus, o Logos derivado de Deus incriado e inefável, vendo que por nossa causa Ele se fez homem".

REFERÊNCIAS:

S. Justino: 1 Apol. 63,15;

Idem: Dial. 63,5;

Idem: 2 Apol. 13,4.



As funções do Logos

À parte a Encarnação, as funções especiais do Logos são, de acordo com Justino, ser o agente do Pai em criar e ordenar o Universo, e revelar a verdade aos homens.

REFERÊNCIAS:

S. Justino: 1 Apol. 59; 64,5; 5,4; 46; 63,10;

Idem: 2 Apol. 6,3; 10,1.

A natureza do Logos

No que diz respeito à sua natureza, enquanto os outros seres são coisas feitas ou criaturas, o Logos é "gerado" de Deus, sua "criança" e "filho único": "Antes de todas as criaturas", diz ainda Justino, "Deus gerou, no início, uma potência racional além de si mesmo".

Por esta geração, entretanto, Justino não se refere à origem última do Logos ou razão do Pai, o que ele não discute; mas sua emissão para os propósitos da criação e revelação.

Esta geração ou emissão não acarreta, porém, nenhuma separação entre o Pai e seu Filho. Nós observamos em muito a mesma coisa quando um fogo é acendido de outro: o fogo do qual é acendido não é diminuído, mas permanece o mesmo, enquanto que o fogo que é acendido dele é visto existir por si mesmo sem diminuir o fogo original.

REFERÊNCIAS:

S. Justino: 2 Apol. 6,3;

Idem: Dial. 62,4; 61,1; 100,2; 125,3; 105,1; 61,2;

Idem: 1 Apol. 21,1.

TACIANO

1. A doutrina de Taciano em seu conjunto

Taciano foi discípulo de São Justino e, como seu mestre, falou do Logos como existente do Pai como sua racionalidade e depois, por um ato de Sua vontade, sendo gerado.

Como Justino, também enfatizou a unidade essencial do Verbo com o Pai, usando a mesma imagem da luz acendida com a luz.

2. A doutrina dos dois estados do Logos é mais marcada em Taciano

Taciano colocou num relevo mais claro do que Justino o contraste entre os dois estados sucessivos do Logos.

Antes da criação Deus estava sozinho, o Logos sendo imanente nEle como a sua potencialidade para criar todas as coisas. Mas no momento da criação Ele saltou fora do Pai como sua "obra primordial". Uma vez gerado, "sendo espírito derivado de espírito, racionalidade de potência racional", Ele serviu como o instrumento do Pai na criação e no governo do Universo, em particular, fazendo os homens à divina imagem.

REFERÊNCIAS:

Taciano: Oratio ad Hel. 5,1; 7,1.
Não gosto  1  Editar  há 37 minutos

Magalhães Luís
TEÓFILO DE ANTIOQUIA

1. A doutrina de Teófilo de Antioquia

A doutrina de Teófilo de Antioquia segue uma linha semelhante à de São Justino.

O Verbo não é Filho de Deus no sentido em que os poetas e os romancistas relatam o nascimento dos filhos dos deuses, mas no sentido em que antes que as coisas tivessem existência, Deus o tinha como Seu conselheiro, Sua própria inteligência e pensamento.

Mas quando Deus quis criar o que Ele tinha planejado, Ele engendrou o Seu Verbo, o primogênito de toda a Criação.

REFERÊNCIAS:

Teófilo Antioqueno: Ad Autolicum 2, 22.

2. A interpretação das manifestações de Deus no Antigo Testamento

Assim como Justino, Teófilo considera que as teofanias do Velho testamento foram, de fato, aparições do Logos. Deus em si mesmo não pode estar contido no espaço e no tempo, e era precisamente a função do verbo que Ele gerou manifestar sua mente e vontade na ordem criada.

OBSERVAÇÕES FINAIS

1. Duas observações finais

Há dois pontos no ensino dos Apologistas que, por causa da importância do seu alcance, devem ser sublinhados:

A. A expressão Deus Pai é entendida como a divindade: Para todos os Apologistas a expressão "Deus Pai" não se refere à primeira pessoa da Santíssima Trindade, mas à divindade una considerada como autora de tudo o que existe.

B. A geração do Logos é datada: É comum a todos os Apologistas datarem a geração do verbo, e conseqüentemente, a atribuição que lhe é devida do título de Filho, não a partir de sua origem no seio da Divindade, mas a partir de sua emissão ou geração tendo em vista os propósitos da Criação, Revelação e Redenção.
Não gosto  1  Editar  há 37 minutos

Magalhães Luís
O Espírito Santo e a Trindade nos escritos dos Padres Apologistas

1. COMENTÁRIO GERAL

O que os Apologistas têm a declarar sobre o Espírito Santo é muito mais escasso, pois o problema que principalmente os ocupou foi o da relação de Cristo com a divindade. Entretanto, sendo homens da Igreja, cumpriram com o seu dever ao proclamar a fé da Igreja, cujo modelo é claramente ternário.

2. OS PADRES APOLOGISTAS E O ESPÍRITO SANTO

Assim, em comparação com suas colocações sobre o Verbo, os Apologistas foram extremamente vagos quanto à posição e função do Espírito Santo.

Aos seus olhos, a função essencial do espírito Santo seria a de inspirar os profetas. Mesmo assim, entretanto, há passagens nos escritos de São Justino onde ele atribui a inspiração dos profetas ao Verbo; e Teófilo também sugere que foi o verbo quem, sendo espírito divino, iluminou a mente dos profetas; não há dúvida que aqui o pensamento dos Apologistas é bastante confuso.

Também vimos (V/2, 3c) que Justino interpretou os textos do Antigo Testamento que falam da Sabedoria pré existente como se referindo ao Verbo; mas neste ponto Teófilo, separando-se de Justino, identificou a Sabedoria com o Espírito Santo. De acordo com Taciano...

..."o Espírito de Deus não está presente em todos, mas descendo sobre aqueles que vivem como justos, une-se às suas almas, e pelas suas predições anunciou o futuro escondido às almas".

Atenágoras definiu o Espírito Santo como uma "efluência de Deus, fluindo dEle e a Ele retornando
como um raio de Sol".

REFERÊNCIAS:

Justino: 1 Apol. 33,9; 36,1;

Teófilo: Ad Autol. 2,10; 1,7; 2,18;

Taciano: Oratio 13,3;

Atenágoras : Supplic. 7,2; 9,1.

3. OS PADRES APOLOGISTAS E A TRINDADE

Apesar das incoerências, entretanto, as linhas gerais de uma doutrina trinitária são claramente visíveis nos Apologistas. O Espírito Santo era para eles o Espírito de Deus; e, assim como o Verbo, ele compartilha da natureza divina, sendo, nas palavras de Atenágoras, uma "efluência" da Deidade.

Em diversas ocasiões Justino coordena as três Pessoas, algumas vezes citando fórmulas derivadas do Batismo e da Eucaristia, outras vêzes sendo eco dos ensinamentos catequéticos oficiais. Assim, por exemplo, ele defende os cristãos da acusação de ateísmo apontando a veneração que eles tem para com o Pai, o Filho e o "Espírito profético".

Atenágoras protesta também contra os que acusam de ateísmo os cristãos...

..."homens que reconhecem Deus Pai, Deus Filho e o Espírito Santo, e declaram tanto o Seu poder na união e Sua distinção na ordem".

Esta ordem não se refere a graus de subordinação na Divindade, mas é atribuída aos três segundo que eles se manifestam na Criação e na Revelação.

Teófilo foi o primeiro escritor a aplicar a palavra "tríade" à Divindade, afirmando que os três dias que precederam a criação do Sol e da Lua...

..."foram figuras da tríade, isto é, de Deus, de seu Verbo e sua Sabedoria".

Ele via Deus como tendo Seu Verbo e Sua Sabedoria eternamente em si mesmo, e gerando-os para os propósitos da Criação; e também ele foi claro que quando Deus os gerou, não esvaziou a Si mesmo dEles, mas está "em eterno colóquio com o Seu Verbo"

REFERÊNCIAS:

Justino: 1 Apol. 61,3-12; 65,3; 6,1 ss;

Atenágoras: Supplic. 10,3;

Teófilo: Ad Autol. 2,15; 2,10; 2,22.

4. CONCLUSÃO

Assim os Apologistas trabalharam a Trindade numa imagem de um homem gerando o seu pensamento e seu espírito em atividade externa. Esta imagem os capacitou a reconhecer, embora obscuramente, a pluralidade da divindade, e também a mostrar como o Verbo e o Espírito, enquanto realmente manifestados no mundo do espaço e tempo, podiam também residir no ser do Pai, permanecendo intacta sua unidade essencial com Ele.
Não gosto  1  Editar  há 36 minutos

Magalhães Luís
Santo Irineu

1. COMENTÁRIO GERAL

Santo Irineu foi o teólogo que resumiu o pensamento do século segundo e dominou a ortodoxia cristã antes de Orígenes. A visão de Irineu da Divindade foi a mais completa e a mais explicitamente trinitária antes de Tertuliano.

Conforme veremos, Santo Irineu, seguindo a Teófilo em vez de Justino, identificou o Espírito Santo com a Sabedoria divina, com o que pôde fortalecer sua doutrina da terceira pessoa com uma base escriturística segura. Com isto deixou uma imagem no fim do século segundo da Divindade, não de três pessoas co-iguais, mas de um único personagem, o Pai, que é a própria divindade, inefavelmente uno, contendo em si mesmo desde toda a eternidade o Verbo, sua mente ou racionalidade, e sua Sabedoria; o qual, ao manifestar-se, ou ao empenhar-se na Criação e Redenção, extrapolou e manifestou a estes como o Filho e o Espírito.

2. A DOUTRINA DE IRINEU

Nos escritos de Santo Irineu encontramos que ele aborda Deus sob dois ângulos diferentes: Enquanto Ele existe em Seu ser intrínseco, e enquanto Ele manifesta a si mesmo na "economia", isto é, no processo ordenado de sua auto revelação.

Do ponto de vista de seu ser intrínseco, Deus é o Pai de todas as coisas, inefavelmente uno e contendo em si mesmo desde toda a eternidade seu Verbo e sua Sabedoria.

Do ponto de vista de sua auto-revelação, ou empenhando-se na Criação e na Redenção, Deus extrapola ou manifesta o Verbo e a Sabedoria. Estes, como Filho e Espírito, são suas "mãos", imagem sem dúvida tirada de Jó 10,8: "Tuas mãos me fizeram, e me plasmaram todo"; e de Salmos 118,73: "Tuas mãos me fizeram e me formaram".

Assim, Irineu afirma que...

... "pela própria essência e natureza de Seu ser existe apenas um só Deus", enquanto que ao mesmo tempo, "de acordo com a economia de nossa Redenção existem tanto o Pai como o Filho", ao que poderia acrescentar: "e o Espírito Santo".

REFERÊNCIAS:

S. Irineu: Adversus Hereses 4,20,1-3;

Idem: Demons. Pred. Apost. 47.

3. A GERAÇÃO DO FILHO

Em Irineu nós temos a concepção familiar aos apologistas do Verbo como racionalidade imanente de Deus que Ele extrapola na criação.

Ao contrário dos apologistas, porém, ele rejeita as tentativas de se explicar a geração do Verbo, citando Isaías 53,8: "Sua geração, quem a narrará?"

Além disso, ele coloca em relevo de uma maneira muito mais explícita a coexistência do Verbo com o Pai desde toda a eternidade mas, embora pareça claro que ele tenha concebido a existência de uma relação eterna do Verbo para com o Pai, em nenhum momento ele chegou a declarar que esta seria a geração do Verbo.

REFERÊNCIAS:

S. Irineu: Adv. Hereses 2,28,4-6; 2,13,8; 2,30,9; 3,18,1; 4,20,1.

4. AS FUNÇÕES DO VERBO E DO ESPÍRITO SANTO: A CRIAÇÃO

O Verbo e o Espírito Santo, segundo Santo Irineu, colaboraram no trabalho da criação sendo, se tal fosse possível, as "mãos" de Deus, conforme vimos acima.

Foi função do Verbo trazer as criaturas à existência, e do Espírito ordená-los e adorná-los.

REFERÊNCIAS:

S. Irineu: Adv. Hereses 4, pref., 4; 5,1,3; 5,5,1; 5,6,1; 4,20,2;

Idem: Demonst. 11.

5. OUTRAS FUNÇÕES DO VERBO: REVELAR O PAI

Afirma Irineu que "Deus é inefável, mas o Verbo o declara para nós"; e também: "o que é invisível
no Filho é o Pai, e o que é visível no Pai é o Filho".

Nas Teofanias do Velho Testamento foi realmente o Verbo que falou com os patriarcas.

REFERÊNCIAS:

S. Irineu: Adv. Hereses 4,6,3; 4,6,6; 4,9,1; 4,10,1.
Não gosto  1  Editar  há 36 minutos

Magalhães Luís
6. OUTRAS FUNÇÕES DO ESPÍRITO SANTO: INSPIRAR OS PROFETAS, REVELAR O VERBO, SANTIFICAR OS JUSTOS

Afirma Santo Irineu que foi através do Espírito Santo "que os profetas profetizaram, e os justos foram levados ao caminho da justiça, e foi ele que nos fins dos tempos foi derramado de uma nova maneira, renovando o homem para Deus".

Além disso, sem o espírito Santo, é "impossível ver o Verbo de Deus"; e também, "o conhecimento do Pai é o Filho, mas o conhecimento do Filho de Deus somente pode ser obtido através do Espírito Santo".

Nossa santificação é totalmente obra do Espírito Santo, "o qual o Filho ministra e dispensa a quem o Pai quer e como quer".

REFERÊNCIAS:

S. Irineu: Demonst. 6,7.

7. CONCLUSÃO: TRINITARIANISMO ECONÔMICO DE SANTO IRINEU

É evidente que a abordagem dos apologistas e mesmo de Santo irineu não é muito clara quanto à posição do Filho e do Espírito Santo antes de sua geração ou emissão.

Por causa de sua ênfase na "economia", este tipo de pensamento recebeu posteriormente o nome de "Trinitarianismo Econômico". Especialmente no caso de Santo Irineu, esta expressão é correta, desde que não se presuma que a ênfase na "economia" impediu-o de reconhecer o mistério da trindade na unidade na vida interna da Divindade.
Não gosto  1  Editar  há 36 minutos

Magalhães Luís
A Santíssima Trindade em Hipólito e Tertuliano

1. HIPÓLITO E TERTULIANO.

Hipólito e Tertuliano situam-se quanto à Santíssima Trindade mais ou menos na mesma linha dos apologistas e Irineu. Ambos pertencem ao início do século III, sendo Hipólito de Roma e Tertuliano do norte da África.

Assim como no caso de Irineu, a chave para a sua doutrina é abordá-la simultaneamente de duas direções opostas, considerando Deus

Enquanto Ele existe em Seu ser eterno;
enquanto Ele se revela no processo da Criação e da Redenção.
Embora sigam a linha dos apologistas e de Irineu, sua doutrina é mais explícita do que a destes (em geral) e,( em particular, nos) seguintes pontos:

(Provavelmente por causa da tendência da Igreja Ocidental da qual faziam parte, de acentuar a unidade da divindade), Hipólito e Tertuliano procuram tornar mais explícito como a Trindade revelada na economia não é incompatível com a unidade essencial de Deus.

Ao descreverem o Pai, o Filho e o Espírito Santo, usam o termo `Pessoa' (`Prosopon', no caso de Hipólito, um dos últimos escritores de língua grega no Ocidente; `Persona', no caso de Tertuliano). O termo `Pessoa' é aplicado por Hipólito ao Pai e ao Filho; e por Tertuliano ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Porém aplicam-lhes o termo `Pessoa' somente enquanto manifestados na ordem da Revelação. O termo `Pessoa' só mais tarde começou a ser aplicado ao Filho e ao Espírito Santo enquanto imanentes no ser eterno de Deus.

Nos escritos de Tertuliano surge pela primeira vez a expressão `Trindade'. Em uma passagem da obra Adversus Praxean, ele afirma que o Espírito Santo também é uma "Pessoa", de modo que a Divindade é uma "Trindade".

2. DEUS ANTES DA ECONOMIA (REVELAÇÃO, CRIAÇÃO E REDENÇÃO)

Tanto Hipólito como Tertuliano tinham a concepção de Deus existindo em total solidão desde toda a eternidade, tendo, porém, de modo imanente e em unidade indivisível consigo mesmo, sua razão ou Verbo.

A. Hipólito

Hipólito afirma que o Verbo de Deus e sua Sabedoria são distintos, sendo de fato o Filho e o Espírito Santo enquanto imanentes. Sempre houve uma pluralidade em Deus, pois, "embora sozinho, Ele era múltiplo, pois Ele não estava sem o seu Verbo e sua Sabedoria".

B. Tertuliano

Tertuliano é mais explícito: "Antes de todas as coisas, Deus estava sozinho, sendo Ele seu próprio universo. Ele estava sozinho, entretanto, no sentido em que não havia nada de externo e Ele, pois mesmo então Ele não estava realmente sozinho, já que Ele tinha consigo aquela Razão que Ele possuía em Si mesmo, isto é, Sua própria Razão".

Em outra passagem ele tenta explicar, mais claramente que os seus antecessores, o ser-outro ou a individualidade desta razão imanente ou Verbo. Ele explica que a racionalidade ou o discurso, por meio do qual o homem cogita e faz planos é, de uma certa maneira, um "outro" e um "segundo" no homem, e assim é com o Verbo divino, com o qual Deus raciocina desde toda a eternidade e que constitui "um segundo para consigo".

REFERÊNCIAS:

Hipólito: Refut. 10,33,1;

Idem: Contra Noetus 10;

Tertuliano: Adv. Prax. 5.

3. DEUS, ENQUANTO MANIFESTADO NA ECONOMIA.

O caráter ternário do ser intrínseco de Deus é manifestado, em segundo lugar, na Criação e na Redenção.

A. Hipólito

Segundo Hipólito, quando Deus o quis, engendrou o seu verbo, usando-o para criar o universo, e sua Sabedoria para adorná-lo ou ordená-lo. Mais tarde, tendo em vista a salvação do mundo, Ele tornou o Verbo, até então invisível, visível na Encarnação. A partir daí, ao lado do Pai, o que no contexto dos seus escritos significa a Divindade em si mesmo, havia "um outro", uma segunda "Pessoa" (`Prosopon'), enquanto que o espírito completou a tríada. Entretanto, Hipólito reluta em designar o Verbo como Filho de maneira própria a não ser após a Encarnação.

Quanto à unidade divina, Hipólito insiste na unidade essencial de Deus, afirmando que "quando falo de `um outro', não me refiro a dois Deuses, mas como se (este outro) fosse luz da luz, água de sua fonte, um raio do Sol".

B. Tertuliano

Seguindo os apologistas, Tertuliano data a "perfeita geração" do Verbo na sua extrapolação para a obra da Criação. Antes do momento da geração, não se poderia dizer que Deus tivesse um Filho num sentido estrito, enquanto que após a geração o termo Pai, que os teólogos anteriores utilizavam referindo-se a Deus como autor da realidade, passou a adquirir o significado especial de Pai do Filho. Enquanto assim gerado, o verbo ou Filho é uma "Pessoa" (`Persona') e "um segundo para com o Pai". Em terceiro lugar, existe o Espírito Santo, "representante" ou "força vigária" do Filho. O Espírito Santo procede do Pai por meio do Filho, "a Pater per Filium", sendo "um terceiro para com o Pai e o Filho". O Espírito Santo é também uma "Pessoa", de modo que a divindade é uma "Trindade". Os três são realmente distintos numericamente, sendo "passíveis de serem numerados", ou, na expressão original, "numerum patiuntur".

Quanto à unidade divina, devido às críticas dos herejes modalistas, Tertuliano esforça-se por mostrar como a trindade revelada na economia não é incompatível com a unidade essencial de Deus. Embora três, as pessoas são manifestações de um único poder indivisível, observando que analogamente, no governo imperial, uma única e mesma soberania pode ser exercida por órgãos coordenados. Entre os três há uma distinção ou disposição, não uma separação, como pode ilustrar-se pelo exemplo do Sol e sua luz. O modo característico de Tertuliano de expressar este fato é a afirmação de que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são uma única substância: o Pai e o Filho são uma idêntica substância que não foi dividida, mas estendida. Quando o Salvador afirmou "Eu e o pai somos um", mostrou que os três são "uma única realidade", não "uma única Pessoa", existindo uma identidade de substância e não uma mera unidade numérica. O Filho é "de uma única substância"para com o Pai, e o Filho e o Espírito Santo são "consortes da substância do Pai".

REFERÊNCIAS:

Hipólito: Contra Noetus 7; 11; 14; 10; 8; 15;

Tertuliano: Adversus Prax. 7; 5; 4; 11; 3; 12; 2; 25; 3;

Idem: Adversus Hermog. 3;

Idem: De Praescr. 13;

Idem: De Pud. 21;

Idem: Apol. 21,12.
Não gosto  1  Editar  há 35 minutos

Magalhães Luís
Heresias Anti-Trinitárias na Igreja Ocidental no fim do Século II

A posição da Igreja de Roma

1. O ADOCIONISMO

O adocionismo foi a teoria de que Cristo era um simples homem sobre o qual desceu o Espírito de Deus. Originou-a um mercador de couro bizantino chamado Teodoto, que a trouxe até Roma em torno do ano 190.

Teodoto sustentava que até o seu batismo Jesus viveu a vida de um homem ordinário, com a diferença, porém, que havia sido um homem supremamente virtuoso. O Espírito, ou Cristo, então desceu sobre Ele, e a partir daquele momento operou milagres sem, entretanto, tornar-se divino. Mais tarde, alguns dos seguidores de Teodoto admitiram que após sua ressurreição Jesus teria sido deificado.

Teodoto foi excomungado pelo Papa S. Vitor, mas a partir daí seus seguidores provavelmente passaram a suspeitar que a ortodoxia pregava a crença em dois Deuses, pois, segundo Novaciano, presbítero de Roma naquela época, afirmavam que "Se o Pai é um e o Filho é outro, e se o Pai é Deus e Cristo é Deus, então não há um só Deus, mas há dois Deuses simultaneamente colocados, o Pai e o Filho".

REFERÊNCIAS:

Hipólito: Refutatio 7,35;

Novaciano: De Trinitate 30.

2. A REPERCUSSÃO DO ADOCIONISMO

O adocionismo foi uma heresia de um grupo relativamente isolado de pessoas, (pois, embora negando a Trindade, o faziam a partir da suposição de que Jesus não fosse Deus). Embora os adocionistas afirmassem que essa tinha sido sempre a posição da Igreja, Hipólito não teve dificuldade em apontar a grande sucessão de teólogos que, desde o primeiro século, "teologizaram a Cristo", e em cujas obras está proclamado que "Cristo é tanto Deus como homem".

Que a suposição fundamental do adocionismo nunca tivesse sido a posição da Igreja era, pois, bastante evidente para a maioria dos cristãos para que esta heresia pudesse ter se espalhado.

Este, porém, já não seria mais o caso para o monarquianismo, conforme será exposto a seguir.

REFERÊNCIAS:

Eusébio de Cesaréia: Hist. Ecles. 5,28.

3. O MONARQUIANISMO.

O primeiro teólogo que formalmente colocou as posições monarquianistas foi Noeto de Esmirna. Embora condenado em suas teorias pelos presbíteros de sua cidade, que as confrontaram, com as regras da fé da Igreja, um dos discípulos de Noeto trouxe suas idéias até Roma, onde se difundiram.

O monarquianismo, ao contrário do adocionismo, estava firmemente convencido tanto da unidade de Deus como da plena divindade de Cristo. Esta teoria começou a ganhar simpatizantes em Roma quando alguns teólogos, alguns dos quais já mencionados neste texto, começaram a representar a divindade como tendo se revelado na economia como tri- personal. Para os monarquianistas, qualquer sugestão de que o Verbo ou o Espírito pudessem ser um outro ou uma pessoa distinta do Pai seria uma afirmação da existência de dois deuses.

Para, entretanto, não negarem que Cristo era Deus, afirmaram que havia apenas um único Deus, o Pai. Se Cristo é Deus, então ele deve ser idêntico ao Pai, senão ele não seria Deus. Portanto, é o próprio Pai que sofreu e passou pelas experiências humanas do Cristo. Por isto, tal doutrina passou a conhecer-se como patripassianismo. Os monarquianistas rejeitaram a doutrina do Verbo, afirmando que o prólogo do Evangelho de São João deveria ser interpretado alegoricamente.

Os monarquianistas acreditavam em uma única e idêntica divindade, que podia ser designada indiferentemente como Pai ou Filho; estes termos diferentes não implicariam distinções reais, mas seriam apenas nomes aplicáveis em tempos diferentes.

REFERÊNCIAS:

Hipólito: Contra Noetus 2; 6; 15;

Idem: Refutatio 9,10;

Epifânio: Haereses 57.

4. SABELIANISMO

Na pessoa de Sabélio surgiu uma forma de monarquianismo mais sofisticado, que de alguma forma percebia a ingenuidade do monarquianismo simples, e levava em conta elementos tomados de empréstimo ao trinitarianismo econômico que os monarquianistas criticavam.

Sabélio, embora afirmando a unidade de Deus, ensinou que a divindade se expressa em três operações. Comparando a divindade com o Sol, objeto único que irradia tanto calor como luz, o Pai seria a forma ou a essência da Divindade, o Filho e o Espírito Santo modos de sua auto expressão. Assim, a única Divindade, vista como Criadora e Legisladora seria o Pai; para a obra da Redenção operou como Filho; para inspirar e conferir a graça operou como Espírito.

REFERÊNCIAS:

Hipólito: Refutatio 9,11 ss;

Epifânio: Haereses 6,1,4 ss; 62,1;

5. A ATITUDE DA IGREJA DE ROMA

Num estágio inicial, o movimento monarquianista esteve em ascendência na Igreja de Roma. Os papas do final do século segundo e início do terceiro (São Zeferino, entre 198 e 217 e São Calisto, entre 217 e 222), embora estivessem conscientes dos erros do monarquianismo, conforme mostra a afirmação do papa Zeferino citada por Hipólito de que "não foi o Pai quem morreu, mas o Filho", e a excomunhão de Sabélio pelo Papa Calisto, por outro lado simpatizavam com a reação popular contra as teorias de Hipólito e Tertuliano, que eles consideravam como conduzindo ao diteísmo. Estes papas viam com suspeita o uso que estes autores faziam do termo "Pessoa" aplicado à Trindade.

Em pouco tempo, porém, a teologia de Roma iria assimilar as principais colocações da doutrina de Tertuliano e inclusive aprofundá-la. É o que, no ano 250, encontramos na obra intitulada De Trinitate, escrita por um presbítero de Roma denominado Novaciano.

REFERÊNCIAS:

Hipólito: Refutatio 9,11;

Tertuliano: Adv. Praxeam. 3.
Não gosto  1  Editar  há 35 minutos

Magalhães Luís
A ATITUDE DA IGREJA DE ROMA - NOVACIANO

No ano 250 Novaciano, presbítero da Igreja de Roma, escrevia um livro intitulado De Trinitate onde encontra-se a doutrina de Tertuliano e mais o reconhecimento de que a geração do Filho e sua consequente distinção do Pai como Pessoa não é fruto da "economia", mas pertence à vida pré temporal da Divindade pois, já que o Pai é sempre Pai, sempre deve ter tido um Filho. Assim, pois, a geração do Filho é desvinculada da Criação.

Segundo Novaciano a única Divindade é o Pai, autor de toda a realidade; mas além dEle, "quando Ele quis, gerou um Filho, seu Verbo".

Conforme dissemos, a geração do Filho não é vinculada à Criação, mas é pré-temporal. O Filho é Deus porque a Divindade lhe foi transmitida pelo Pai, existindo uma "uma comunhão de substâncias" entre Eles. Esta doutrina, diz Novaciano, não implica uma dualidade de deuses, porque o Filho, embora uma "segunda Pessoa além do Pai", não é não gerado ou sem origem; se o fosse, haveria dois deuses, mas como o Verbo é outro além do Pai como Filho, e deve seu ser inteiramente ao Pai, não há divisão da natureza divina.

Novaciano afirma que o Pai necessariamente "precede" o Filho, e que antes que o Filho existisse com o Pai como uma Pessoa, Ele estava imanente "no Pai"; entretanto, esta prioridade não parece ser uma prioridade real, mas de razão, porque Novaciano também insiste que o Pai sempre teve o seu Filho.

Quanto ao Espírito Santo, a doutrina de Novaciano é rudimentar. Ele considera o Espírito Santo como a potência divina que operou nos profetas, nos apóstolos e na Igreja, inspirando-os e santificando-os. Não faz, porém, menção de sua subsistência como Pessoa.

REFERÊNCIAS:

Novaciano: De Trinitate.

X - Clemente de Alexandria

1. INTRODUÇÃO HISTÓRICA: A ESCOLA DE ALEXANDRIA

Clemente de Alexandria nasceu provavelmente em Atenas, filho de pais pagãos, por volta do ano 150. Bem dotado intelectualmente, empreendeu várias viagens em busca da verdade e do conhecimento pelo sul da Itália, Síria e Palestina, até que enfim conheceu Panteno, o responsável pela escola de catecúmenos da Igreja de Alexandria no Egito, que o converteu ao Cristianismo.

Panteno havia sido filósofo estóico e homem célebre pela sua instrução. Convertendo-se ao cristianismo, foi pregar o Evangelho aos pagãos do Oriente, chegando até à Índia. Mais tarde, pelos seus merecimentos, terminou a vida regendo a escola de catecúmenos de Alexandria.

Clemente, seu aluno, assistente e sucessor na direção da escola, é considerado por alguns autores como o primeiro sábio cristão. Conhecia a fundo não só a Escritura Sagrada e quase toda a literatura cristã da época, mas ainda a literatura grega clássica e filosófica, de que são prova as citações de seus livros tiradas de mais de 360 escritores profanos.

Clemente ensinou com êxito em Alexandria, acabando por formar diversos discípulos, dentre os quais se destacou Orígenes, que o sucedeu na direção da escola de catecúmenos.

Clemente e Orígenes, como os dois principais pensadores responsáveis pela escola catequética de Alexandria, deram a inspiração inicial para um outro desenvolvimento da especulação trinitária que iria se operar no Oriente cristão. Ambos foram profundamente influenciados, em suas tentativas de compreender e expor a Divindade triuna, pelo platonismo que neste tempo revivia em Alexandria.
Não gosto  1  Editar  há 34 minutos

Magalhães Luís
2. A DOUTRINA DE CLEMENTE.

Trataremos brevemente de Clemente, pois este foi mais um moralista do que um teólogo sistemático.

Para ele, Deus é absolutamente transcendente, inefável e incompreensível, e este é o Pai.

O Pai somente pode ser conhecido através de seu Verbo, ou Filho, que é sua Imagem e é inseparável do Pai. O Verbo é a mente ou a racionalidade do Pai, compreendendo em si as idéias do Pai, e também as forças ativas pelas quais Ele anima o mundo das criaturas.

A geração do Filho a partir do Pai é sem início, pois "o Pai não é sem o Filho, pois (enquanto Pai), é Pai do Filho".

O Filho é essencialmente uno com o Pai, já que o Pai está nEle e Ele está com o Pai.

O Espírito Santo é a luz que emana do Verbo a qual, dividida sem divisão real, ilumina o fiel. O Espírito Santo é a potência do Verbo que permeia o mundo a atrai os homens para Deus.

REFERÊNCIAS:

Clemente Alexandrino: Pedagogo 1,71,1; 1,62,4; 1,71,3; 3,101,1; 1,24,3; 1,53,1;

Idem: Protreptico 98,3;

Idem: Stromata 2,6,1; 5,65,2; 5,78,3; 5,81,3; 5,16,3; 7,5,5; 4,156,1 ss; 5,16,3; 4,162,5; 5,1,3; 7,2,2; 138,1 ss; 7,9,4; 7,79,4.
Não gosto  1  Editar  há 34 minutos

Magalhães Luís
Orígenes

1. INTRODUÇÃO

Orígenes nasceu por volta do ano 185 em Alexandria, filho de pais cristãos os quais, desde criança, antes mesmo que chegasse a freqüentar a escola, lhe transmitiram o gosto pelo estudo das Sagradas Escrituras, ao qual o menino passou a dedicar-se pelo resto de sua vida. Quando tinha dezessete anos, seu pai foi preso, vindo a morrer posteriormente como mártir na perseguição desencadeada por Sétimo Severo. Inflamado também pelo desejo do martírio, Orígenes só não se juntou ao pai por causa de sua mãe ter escondido suas roupas, obrigando o filho a permanecer em casa.

Pouco tempo após a morte do pai, com 18 anos, foi convidado pelo bispo de Alexandria a suceder Clemente na escola catequética da cidade, de quem tinha sido discípulo. Verificando que o procuravam pagãos e herejes cultos, começou a estudar filo para poder dialogar com os mesmos e converteu para o cristianismo diversos filósofos pagãos, vários dos quais vindo posteriormente a morrer mártires. Após doze anos de ensino, Orígenes empreendeu uma viagem a Roma para, conforme suas palavras, "ver a antiqüíssima Igreja dos romanos".

Lá, refere mais tarde São Jerônimo, pôde ouvir um sermão sobre o "louvor de Nosso Senhor e Salvador", pregado por Hipólito, então presbítero da Igreja Romana. O modo exemplar como vivia as virtudes cristãs atraíu multidões à escola catequética, onde Orígenes era procurado desde manhã até à noite. Morreu mártir aos 70 anos.

Quanto à doutrina, Orígenes tinha a intenção de ser cristão ortodoxo e o queria ser, o que se pode deduzir do simples fato de ter ele uma grande estima pelo magistério da Igreja e considerar um erro de doutrina mais pernicioso do que um desvio de moral. Entretanto, sob a influência da filo platônica, Orígenes incidiu em erros dogmáticos, tendo surgido, imediatamente após a sua morte, disputas acerca de sua ortodoxia, e algumas de suas interpretações da Sagrada Escritura tendo sido posteriormente condenadas pela Igreja.

2. A DOUTRINA DE ORÍGENES SOBRE A TRINDADE

A fonte e o fim de toda a existência é Deus o Pai. Somente Ele é Deus no sentido estrito, apenas Ele sendo não gerado. A este respeito, Orígenes afirma ser significativo que Cristo falou dEle no Evangelho de São João como "o único Deus verdadeiro" (Jo. 17, 3).

Sendo o Pai perfeita bondade e poder, sempre deve ter tido objetos em quem exercê-las. Portanto, o Pai trouxe à existência um mundo de seres espirituais, ou almas, que são co-eternas consigo.

Para servir de mediador entre sua absoluta unidade e a multiplicidade das almas, porém, Deus Pai tem o seu Filho, sua imagem expressa. Assim, o Filho possui uma dupla relação para com o Pai e para com o mundo.

O Pai gera o Filho por um ato eterno, fora da categoria do tempo, de modo que não se pode dizer que (Ele) existia quando (o Filho) não existia. Além disso, o Filho é Deus, embora sua deidade seja derivada, e portanto Ele é um Deus Secundário, ou, na expressão grega original, `Deuteros Teos'.

Em terceiro lugar há o Espírito Santo, "o mais honorável de todos os seres trazidos à existência através do Verbo, o primeiro da série de todos os seres originados pelo Pai através de Cristo".

REFERÊNCIAS:

Orígene : In Johan. 2,2,16; 2,10,75; 1,20,119; 6,39,202;

Idem: De principiis 1,2,10; 1,4,3; 2,9,1; 1,2,4;

Idem: Contra Celsum 2,64; 5,39;

Idem: Hom. in Jerem. 9,4.

3. DISTINÇÃO DAS PESSOAS NA SANTÍSSIMA TRINDADE

Orígenes afirmou que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são três Pessoas, a palavra empregada por ele para significar Pessoa sendo o termo grego "Hipóstase".

Já vimos anteriormente que Tertuliano e Hipólito se referem às "Pessoas" da Trindade; o primeiro utilizou o termo latino "Persona", e o segundo o termo grego "Prosopon".

O termo que Orígenes emprega, "Hipóstase", originalmente é sinônimo de "Ousia". Ambos significam "Essência", ou aquilo que uma coisa é, e não a substância individual. Em Orígenes, entretanto, embora "Hipóstase" seja empregado às vezes com o significado de essência, o mais freqüente é que ele lhe dê o sentido de subsistência individual.

Orígenes afirma que o erro do monarquianismo está em tratar os Três como numericamente indistintos, separáveis somente pela razão, "não um só na essência, mas também na subsistência".

A doutrina verdadeira, na opinião de Orígenes, é que o Filho "é outro em subsistência além do Pai,
mas um só em unanimidade, harmonia e identidade da vontade".

Assim, enquanto realmente distintos, os Três são de um outro ponto de vista um só; conforme Orígenes se expressa, "nós não temos receio de falar em um sentido de dois Deuses, em outro sentido de um Deus".

REFERÊNCIAS:

Orígenes: In Johan. 2,10,75; 10,37,246; 2,2,16;

Idem: In Matth. 17,14;

Idem: De Orat. 15,1;

Idem: Contra Celsum 8,12;

Idem: Dial. Heracl. 2.

4. A UNIDADE DAS PESSOAS NA SANTÍSSIMA TRINDADE.

Em algumas passagens, Orígenes realmente representa a unidade das Pessoas como uma união moral. Ele afirma que elas são "um só em unanimidade, harmonia e identidade de vontade", suas vontades sendo virtualmente idênticas. Mas, consideradas isoladamente, tais passagens não fazem justiça ao pensamento integral de Orígenes a este respeito.

O ponto básico é que o Filho foi gerado, não criado, pelo Pai. Como gerado do Pai, Ele é eternamente emanado do ser do Pai e assim participa em sua Divindade. O Filho procede do Pai como a vontade da mente, a qual não sofre divisão neste processo. De acordo com o Livro da Sabedoria, Ele é um "sopro do poder de Deus, uma pura efluência da glória do Todo Poderoso". Sab. 7, 25

Orígenes utiliza esta passagem para mostrar que "ambas estas ilustrações sugerem uma comunidade de substância entre o Pai e o Filho, porque uma influência parece ser `homoousios', isto é, de uma só substância, com aquele corpo do qual esta é uma efluência ou vapor".

Assim segundo Orígenes, a unidade entre o Pai e o Filho corresponde àquela unidade que existe entre a luz e o seu brilho, ou entre a água e o vapor que dela emana.

Se, no sentido mais estrito, somente o Pai é Deus, não é porque o Filho não é também Deus ou não possui a Divindade, mas porque, como Filho, Ele a possui por participação ou de maneira derivada.

REFERÊNCIAS:

Orígenes: In Johan. 13,36,228; 2,2,16;

Idem: De Principiis 1,2,6; 4,4,1;

Idem: Frag. in Hebr. PG 14,1308.
Não gosto  1  Editar  há 33 minutos

Magalhães Luís
5. O ESPÍRITO SANTO.

O Espírito Santo, diz Orígenes, "fornece àqueles que são chamados santos, por causa dEle e de sua participação nEle, a matéria de suas graças, se é possível descrevê-las assim". "Esta matéria de suas graças", continua Orígenes, "é feita por Deus, ministrada por Cristo, e chega à subsistência individual
como o Espírito Santo".

Assim, a raiz última do ser do Espírito Santo é o Pai, mas Ele é mediado para com o Pai pelo Filho, do qual o Espírito Santo também deriva todos os seus atributos distintivos.

REFERÊNCIAS:

Orígenes: In Johan. 2,10,77; 2,10,76.

6. COMENTÁRIO FINAL

I. Triteísmo ou Monoteísmo?

Não é correto concluir, como muitos o fizeram, que Orígenes colocou uma tríade de seres independentes em vez de uma trindade. Mas a verdade é que uma tendência fortemente pluralista no seu trinitarianismo é uma sua característica saliente. Em sua análise, as três pessoas da Trindade são real e eternamente distintos.

Para satisfazer as exigências do monoteísmo, Orígenes insiste que a plenitude da Divindade inoriginada está concentrada no Pai, o qual só Ele é a "fonte da deidade". O Filho e o Espírito Santo são divinos, mas a divindade que Eles possuem e que constitui sua essência jorra e deriva do ser do Pai.

REFERÊNCIAS:

Orígene : In Johan. 2,3,20.

7. COMENTÁRIO FINAL

II. A Influência do Platonismo.

Esta concepção do Trindade, conforme formulada por Orígenes, tem uma estrutura subjacente evidentemente tirada do platonismo e a ele contemporâneo. Uma ilustração disto é o fato de que, além do Filho ou Verbo, Orígenes concebeu todo o mundo dos seres espirituais como sendo coeternos com o Pai. Além disso, suas relações com o Verbo são exatamente paralelas àquela com que o Verbo, num nível mais alto, se relaciona para com o Pai. Estes seres espirituais são imagens do Verbo, assim como o Verbo é imagem do Pai, e em seus respectivos graus podem também ser chamados deuses.

Em relação ao Deus do Universo, o Filho merece assim um grau secundário de honra, pois Ele não é verdade e bondade absolutas, mas sua bondade e sua verdade são um reflexo e uma imagem da bondade e da verdade do Pai.

Por esta razão, Orígenes conclui que "nós não devemos rezar para qualquer ser gerado, nem mesmo para Cristo, mas somente para o Deus e Pai do Universo, para quem nosso próprio Salvador orou".

Se a oração for oferecida a Cristo, esta será enviada por Ele ao Pai. De fato, o Filho e o Espírito Santo são transcendidos pelo Pai tanto quanto, se não mais, do que Eles Mesmos transcendem o conjunto dos seres inferiores.

Esta concepção de uma hierarquia descendente é ela própria o produto de idéias do platonismo.

REFERÊNCIAS:

Orígenes: Contra Celsum 7,57; 8,13;

Idem: De Principiis 1,2,13;

Idem: In Johann. 13,25,151; 32,28;

Idem: De Oratione 15,1; 16, início;

Idem: In Matth. 15,10.
Não gosto  1  Editar  há 33 minutos

Magalhães Luís
A Controvérsia entre o Papa e o Bispo de Alexandria

1. INTRODUÇÃO

Após quase 30 anos de ensino na escola catequética de Alexandria, Orígenes transferiu-se para Cesaréia da Palestina, passando à frente da escola o sacerdote Héraclas, seu antigo auxiliar. No ano seguinte Héraclas tornou-se bispo de Alexandria e na direção da escola de Alexandria sucedeu-o Dionísio, antigo discípulo de Orígenes. Dezesseis anos depois Dionísio também acabou sucedendo a Héraclas como bispo da cidade, a segunda em importância no Império Romano.

Por volta da segunda metade do século III Dionísio de Alexandria foi obrigado pelas circunstâncias a defender a ortodoxia da fé diante de um surto de heresia Sabeliana nas cidades do leste do Egito. Não fora de propósito, já que seu objetivo era o de refutar o monarquianismo, ,ele trouxe à tona a questão da distinção pessoal entre o Pai e o Filho.

Em relação a isto, os Sabelianos escreveram uma queixa formal ao Papa em Roma, que também chamava-se Dionísio, fazendo diversas acusações ao bispo de Alexandria.

2. AS ACUSAÇÕES DOS SABELIANOS CONTRA O BISPO DE ALEXANDRIA.

Em sua carta ao papa S. Dionísio, os sabelianistas acusaram o bispo de Alexandria dos seguintes pontos:

De colocar uma divisão nítida, implicando em uma separação, entre o Pai e o Filho;
de negar a eternidade do Filho, afirmando que o Pai nem sempre foi Pai e que o "Filho não existia antes que Ele viesse à existência";
de nomear o Pai sem o Filho e o Filho sem o Pai, como se eles não fossem inseparáveis em seus próprios seres;
de não descrever o Filho como `homoousios', (isto é, de mesma essência ou substância) com o Pai;
de afirmar que o Filho seria uma criatura, tão diferente do Pai em substância como a vinha do agricultor.
REFERÊNCIAS:

S. Atanásio: De Sent. Dion. 4; 14; 16; 18.

3. A REAÇÃO DO PAPA

Em resposta, o Papa elaborou um breve no qual, sem mencionar o nome do bispo de Alexandria, foi na verdade uma dura crítica ao mesmo.

Não há dúvida que Dionísio de Alexandria, em seu zelo anti-sabeliano, usou de uma linguagem infeliz ao se expressar; embora no século seguinte Santo Atanásio tenha tentado desculpá-lo, mais tarde São Basílio, comentando o episódio, colocou que em seu zelo, Dionísio de Alexandria tinha se deixado levar ao extremo oposto.

Por outro lado, porém, é possível que alguns desentendimentos quanto à terminologia tenham contribuído para a tomada de posição do Papa. Este, por exemplo, ficou claramente chocado com a doutrina, inspirada em Orígenes, das três hipóstases, que para ele parecia negar a unidade divina, chegando a afirmar que os teólogos de Alexandria que defendiam a posição eram, virtualmente, triteístas. Ora, conforme vimos ao tratarmos de Orígenes, - e não nos devemos esquecer de que Dionísio de Alexandria havia sido seu discípulo -, `hipóstase' em grego é sinônimo de `ousia', e significa `essência'; Orígenes, entretanto, costuma empregar este termo no sentido de substância individual. Assim, embora a tradução literal de `hipóstase' para o latim fosse `essência', ou `substância', considerando-se o contexto origenista do termo, a tradução não literal pela palavra latina `persona' lhe corresponderia mais fielmente. Não é impossível, pois, que o Papa, baseando-se em um significado etimologicamente correto, julgasse que `hipóstase' fosse o equivalente grego para `substância'.

Afirmando, pois, que a colocação de três hipóstases na divindade por parte dos teólogos alexandrinos fosse um triteísmo virtual, S. Dionísio de Roma em resposta declara que o Verbo e o Espírito Santo devem, ao contrário, ser vistos como inseparáveis do Deus do Universo, o qual nunca pode ter existido sem seu verbo e seu Espírito, já que eles pertencem ao seu próprio ser.

Da mesma forma, é uma blasfêmia falar do verbo como de uma criatura; sua origem não é um ato de criação, mas "uma geração divina inefável", conforme a Escritura a qual, na Versão dos Setenta, dela afirma que "Antes da aurora, de meio seio te gerei". Salmo 109, 3

REFERÊNCIAS:

S. Atanásio: De Decret. 26;

Idem: De Sent. Dion. 4;

S. Basílio: Epistola 9, 2.

4. A RESPOSTA DE DIONÍSIO DE ALEXANDRIA.

Dionísio de Alexandria, embora sem renunciar a nenhuma de suas posições essenciais, reconheceu a impropriedade de algumas de suas expressões e analogias, e adotou a linguagem do papa ao reformular a sua doutrina.

Dionísio nega que separasse o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Os três são obviamente inseparáveis, como seus próprio títulos o demonstram, pois um Pai implica num Filho, e um Filho implica num Pai, e o Espírito implica tanto na fonte da qual procede como no meio pelo qual ele procede.

Sobre a eternidade do Filho, Dionísio afirmou sem ambigüidade que o Filho é eterno.

A respeito dele não ter usado o termo `homoousios', Dionísio respondeu que não o havia feito pois esta palavra não é usada nas Sagradas Escrituras. Apesar disso, ele aceita o seu significado, como o demonstram outras expressões de que ele se utiliza.

REFERÊNCIAS:

S. Atanásio: De Sent. Dion. 14; 18; 17;

S. Basílio: De Spirit. Sanct. 72.

5. CONCLUSÃO

A resposta de Dionísio de Alexandria ao Papa fêz com que os estudiosos freqüentemente explicassem a controvérsia como um resultado de desentendimento quanto à terminologia. Até um certo ponto realmente foi isso. Já comentamos como o papa pode ter inferido que `hipóstase' fosse o equivalente grego para o termo latino `substância'; daí a sua reação ao supor que a doutrina dos alexandrinos fosse o equivalente do triteísmo.

Mas a verdade é que havia algo mais profundo do que as palavras por detrás da controvérsia. O trinitarianismo ocidental, conforme vimos, foi marcado por uma tendência monarquianista e, com isso, o que era luminosamente claro para os teólogos ocidentais era a unidade divina. Embora eles estivessem realmente convencidos das distinções que existiam nesta unidade, julgavam-nas tão misteriosas que apenas timidamente estavam iniciando a pensar nelas como `Pessoas'. No Oriente, onde o clima intelectual estava impregnado com idéias provenientes do platonismo sobre a hierarquia do ser, tinha-se estabelecido uma abordagem diferente e abertamente pluralística.
Não gosto  1  Editar  há 33 minutos

Magalhães Luís
As Colocações Trinitárias, desde Orígenes até ao Concílio de Nicéia

1. INTRODUÇÃO

Orígenes morreu mártir em 253 e a controvérsia entre o papa e o bispo Dionísio de Alexandria deu-se logo após, em torno do ano 260.

No começo do século seguinte, em Alexandria, durante o episcopado de Alexandre, iria irromper a heresia Ariana, pregada inicialmente por Ário, presbítero da Igreja de Alexandria. Apesar de um sínodo local, presidido pelo bispo Alexandre, ter condenado as posições de Ário, a heresia estendeu-se a tal ponto que tornou-se necessária a convocação do primeiro Concílio Ecumênico da história, realizado no ano 325 em Nicéia, onde a Igreja em conjunto começou a tomar posições oficiais sobre a questão.

O propósito deste capítulo é comentar as posições existentes entre os cristãos sobre a Trindade no período histórico intermediário entre estes dois acontecimentos.

2. PRIMEIRO ASPECTO DAS COLOCAÇÕES TRINITÁRIAS ANTES DO CONCÍLIO DE NICÉIA

Num primeiro aspecto, nesta época o que parece mais ter sido objeto de consideração para os cristãos não foi a Trindade enquanto tal, mas o Verbo em sua relação para com a Divindade, se Ele era plenamente divino ou se na verdade era uma criatura.

3. SEGUNDO ASPECTO: DUAS TENDÊNCIAS NA ABORDAGEM DA POSIÇÃO DO VERBO NA DIVINDADE

Na Igreja Ocidental o problema era colocado numa ótica onde se percebia a influência do monarquianismo. Os teólogos do ocidente procuravam enfatizar a unidade divina sentindo mais profundamente o caráter misterioso das distinções dentro da Divindade.

Na Igreja Oriental, a influência dominante era a proveniente de Orígenes. Os orientais não tinham tantas dificuldades em descrever a distinção das pessoas dentro da Trindade; ao mesmo tempo, porém, havia uma divisão entre eles quanto ao modo de explicarem como esta distinção de pessoas não contradizia a unidade divina. De modo geral, antes do aparecimento do Arianismo, havia na Igreja Oriental duas posições derivadas de Orígenes: uma, mas moderada, insistia claramente na unidade existente entre as pessoas divinas e colocava que o Filho não era uma criatura; outra, mais radical, acentuou demasiadamente a tendência subordinacionista de Orígenes. Veremos a seguir as posições de alguns representantes destas tendências.

O Arianismo representou, mais tarde, uma posição muito mais radical que a dos origenistas mais extremos, praticamente impossível de vir a tornar-se aceita no Oriente, muito menos no Ocidente. A grande propaganda que teve esta heresia, entretanto, acabou por obrigar a Igreja universal a tomar uma posição oficial em Nicéia.

4. UM REPRESENTANTE DO ORIGENISMO MODERADO: ALEXANDRE, BISPO DE ALEXANDRIA.

Coube a Alexandre, bispo de Alexandria de 313 a 328, advertir primeiramente ao presbítero Ário,seu subordinado, para depois convocar um sínodo local com o fim de condenar as suas teorias. Das primeiras cartas que ele escreveu em crítica às doutrinas de Ário depreende-se um origenismo moderado.

Alexandre era acusado por Ário justamente por insistir na unidade da Tríade, apesar dele manifestamente conceber o Verbo como "Pessoa" (`hipóstase'), ou "Natureza" (em grego `fisis', sendo que em seus escritos esta palavra tem um sentido equivalente ao de `hipóstase', isto é, embora literalmente signifique `essência', é usada como `ser individual'). Esta "Pessoa" ou "Natureza" é distinta do Pai.

Em uma perspectiva claramente origenista, Alexandre descreve o verbo como a única natureza que media entre Deus e a criação. Mas Ele próprio não é uma criatura, sendo derivada do ser do Pai. Além disso, o Filho, enquanto Filho, é co-eterno com o Pai, e para explicar a sua co- eternidade, Alexandre faz pleno uso da concepção origenista da geração eterna.

REFERÊNCIAS:

Alexandre de Alexandria: Epistola Enciclica, citada na História Eclesiástica de Sócrates 1,6;

Idem: Epistola ad Alex. Byz., citada na História Eclesiástica de Teodoreto 1,4.

5. UM REPRESENTANTE DO ORIGENISMO RADICAL: EUSÉBIO DE CESARÉIA.

Quando completou quase trinta anos de ensino catequético em Alexandria, Orígenes mudou-se para cesaréia na Palestina, onde fundou, em 232, uma nova escola. Em pouco tempo organizou-se aí uma notável biblioteca cristã que se desenvolveu consideravelmente graças ao sucessor na direção da escola, o presbítero Pânfilo. Eusébio de Cesaréia, o autor da famosa História da Igreja, e depois bispo dessa cidade, estudou sob a orientação de Pânfilo na escola fundada por Orígenes. Através desta escola, a tradição de Alexandria estendeu-se também aos grandes padres da Capadócia de que falaremos adiante, a saber, São Basílio, São Gregório Nazianzeno e São Gregório de Nissa. São Gregório de Nazianzo, quando jovem e antes de receber o Batismo, chegou a freqüentar a escola de Cesaréia da Palestina. Ao contrário destes padres, porém, Eusébio levou a um extremo as posições de Orígenes.

Segundo Eusébio, só o Pai é auto existente e sem princípio, causa de todas as coisas. O Verbo, uma hipóstase gerada do Pai antes de todas as eras, é seu intermediário para a Criação e governo do Universo, pois a ordem contingente não poderia ter um contato direto com o Ser absoluto. O Verbo difere de todas as criaturas, e é por causa dEle trazer em si mesmo a imagem da Divindade inefável que o chamamos de Deus. O Filho, porém, não é co-eterno com o Pai, pois, já que somente o Pai é não gerado, diz Eusébio de Cesaréia, "devemos admitir que o Pai é anterior e pré-existe ao Filho".

Eusébio também corrige a venerável analogia da luz e seu brilho, apontando que o brilho existe simultaneamente com a luz, enquanto que o Pai precede o Filho. Além disso, Eusébio abandona a posição de Orígenes segundo a qual o Pai e o Filho participam da mesma essência ou substância, convencido de que tal doutrina implica em uma divisão da Divindade que é, na realidade, indivisível, e levaria à posição absurda da existência de dois seres não gerados.

Quanto à unidade do Filho com o Pai, de que fala o Evangelho de São João ao Cristo afirmar que "Eu e o Pai somos um", Jo. 10, 30 esta, segundo Eusébio de Cesaréia, consiste simplesmente no compartilhamento de uma glória idêntica; e Eusébio ainda acrescenta que os santos também podem desfrutar do mesmo tipo de comunhão com o Pai.

REFERÊNCIAS:

Eusébio de Cesaréia: De Ecles. Theol. 2,6; 1,13,1; 3,19;

Idem: Demonst. Evang. 4,1,145; 4,6,1-6; 5,1,14-20; 4,2,1; 4,3,5;

Idem: Contra Marcellum 1,1,2;

Idem: Epistola ad Caes. 5.
Não gosto  1  Editar  há 32 minutos

Magalhães Luís
O Arianismo

1. INTRODUÇÃO

Até a época em que surgiu o Arianismo, as heresias não eram coisa nova na Igreja. Quando apareciam, anteriormente, os bispos, como guardiães do depósito da fé, as condenavam e preveniam os fiéis; e os inovadores, ao serem expulsos da Igreja, não conseguiam, após sua condenação, manter sua posição na Igreja ou suas posições heréticas.

Com o Arianismo, porém, deu-se uma transformação a este respeito. No ano 318 Ário, presbítero da Igreja de Alexandria, começou a propagar suas idéias a respeito da natureza do Verbo. Segundo elas, o Verbo não seria Deus mas apenas uma criatura. O bispo de Alexandria, Alexandre, chamou-o à ordem e chegou a reunir um concílio local com cerca de cem bispos do Egito e da Líbia que condenaram os erros de Ário e o excomungaram junto com um grupo de cinco presbíteros, seis diáconos e dois bispos, seus partidários.

Ário, porém, não aceitou a condenação e procurou apoio exterior, na Palestina, e com o apoio conseguido iniciou uma verdadeira guerra de acaloradas controvérsias. O Oriente cristão acabou por transformar-se em toda a parte num cenário de conflitos e disputas.

2. A DOUTRINA DO ARIANISMO. I. A NATUREZA DE DEUS.

A doutrina ariana parte da afirmação da absoluta unidade e transcendência de Deus, fonte inoriginada de toda a realidade.

Sendo único, transcendente e indivisível, o ser ou essência (`ousia') da Divindade não pode ser compartilhado ou comunicado, pois Deus conceder Sua Substância a algum outro ser, não importa quão elevado, significaria ser Ele divisível e sujeito à mudança, o que é inconcebível. Além disso, se qualquer outro ser participasse da natureza divina em um sentido próprio, haveria uma dualidade de seres divinos, enquanto que a divindade é, por definição, única.

3. A DOUTRINA DO ARIANISMO- II. A NATUREZA DO VERBO.

Como o mundo contingente não podia suportar o impacto direto da ação do Pai, este usou o Filho ou Verbo como um seu órgão de criação e atividade cósmica.

Em relação à natureza deste Verbo, Ário colocou o seguinte:

A. O Verbo é uma criatura.
B. Como criatura, o Verbo teve um início.

De fato, acerca do Verbo Ário afirmou que "embora nascido fora do tempo, antes de sua geração Ele não existia".

A posição segundo a qual o Verbo seria co-eterno com o Pai parecia para Ário que implicaria na existência de "dois princípios auto existentes", o que significaria a destruição do monoteísmo.

C. O Filho não tem comunhão nem conhecimento direto de seu Pai.
Embora o Filho seja o Verbo e a Sabedoria de Deus, Ele é distinto daquele Verbo e daquela Sabedoria que pertencem à própria essência de Deus. O Filho é uma criatura pura e simples, e somente possui estes títulos porque Ele participa no Verbo e Sabedoria essenciais.
D. O Filho é sujeito à mudança e até ao pecado.
Um dos arianos, em uma conferência, surpreendido por uma questão súbita, admitiu que o Filho poderia ter caído como o demônio caíu, e isto era o que eles em seus corações acreditavam. Sua doutrina oficial, entretanto, foi uma modificação desta afirmação no sentido de que, enquanto a natureza do Filho em princípio estaria sujeita ao pecado, Deus em sua previdência previu que Ele permaneceria virtuoso por sua própria e firme resolução.
REFERÊNCIAS:

Santo Atanásio: Contra Arianos 2,24; 1,5; 2,37;

Idem: De Decret. 8;

Idem: Epistola ad Alex. in op. De Synodis.

Alexandre: Epistola Encyc. 10.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Shalom! Welcome to CAV Reformed Theology

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.




Uma identificação última com a essência fundamental das igrejas ou espiritualidades não significa, de modo nenhum, que estejamos de acordo com todas e cada uma das coisas que se fazem nelas.

O teólogo K. Rahner escreve: 
"O autêntico dogma nas Igrejas constitui algo que me obriga absolutamente. Como cristão e como teólogo, com certa ansiedade de espírito e coração, devo perguntar-me - com não pouca frequência - qual é o verdadeiro sentido de uma afirmação que o magistério das Igrejas mantêm como dogma, para lhe dar o meu assentimento de modo honesto e tranquilo. 

"Ao longo da minha vida nunca senti que isso fosse impossível. Em relação a esses dogmas, dei-me conta, claramente, que só podem ser bem entendidos quando se torna patente o seu sentido na linha da abertura ao mistério de D-us, sabendo, por outro lado, que foram formulados em condicionamentos históricos determinados. Esses dogmas encontram-se inevitavelmente numa espécie de amálgama que, de facto, não pertence ao conteúdo da declaração dogmática e que pode mesmo levar a que esse conteúdo seja mal interpretado. Isto acontece também porque esses dogmas estão formulados como regulações linguísticas que, para serem fiéis à realidade a que aludem, não deveriam permanecer sempre iguais, nem com as mesmas palavras com que foram formulados. 

"As coisas são diferentes quando se trata deste ou daquele ensino mantido pelo magistério como oficial, apresentado como vinculante, mesmo que não tenha sido 'definido'. Julgo que, por exemplo, nem a argumentação básica nem a autoridade de ensino das Igrejas a que, de facto, se recorre oferecem um fundamento convincente e obrigatório para aceitar a discutida doutrina católica de Paulo VI na 'Humanas Vitae'. O mesmo se diga acerca da declaração feita pela Congregação Católica da Doutrina da Fé que pretende excluir, por princípio, a ordenação de mulheres, como algo a aplicar em todos os tempos e culturas" (cf. "Scriften" XIV, 1980).

Labels

"Only the Father" (1) “Temendo a Deus” (1) 1 (1) 180 grados (1) 4 Pontos do Novo Calvinismo (1) 5 Ways You Will Be Mistreated (1) a comunidade ao mesmo espírito. (1) A IMPOSSIBILIDADE LÓGICA DE JESUS ('YESHUA') (2) A lo Cielo con ustedes (1) A MAIS BELA FLOR (1) A MINHA DESPEDIDA DO CONSERVADORISMO (1) A mulher de Jesus e o Próprio Jesus (1) A ORIGEM DO MAL (1) A palavra El (1) A palavra Ιησουα é feminina (1) A Partícula de Deus (1) A Tradição Adâmica (1) A VERDADEIRA FIDES (3) A vida foi feita para ser vivida (4) A vida foi feita pra ser vivida (1) A Vida Oculta de Jesus (2) Abalemos as Nossas Instituições Divididas (2) Abraão (1) acaba induzindo (1) Adam (1) Adam Harishon (1) Adam Kadmon (1) Adão e Eva (1) ADELE (1) Adjetivos a YHWH (1) ADN (1) Afetos (2) Aliens (1) ALMA (2) AMAR INCONDICIONALMENTE É UMA ARTE (3) Amen (1) AMIGOS (2) Aminata - Um caso de Mutilação Genital | Circuncisão na Alemanha (1) AMOR À INÊS (1) AMOR DE MANINHA (1) AMOR IDIOTA (1) Andre Luchi - Deep Inside Ft. Priscila Prix (Andre Motta Funk Side Mix) (1) Anselmo Borges (3) ANTENA 3 TV AO VIVO (1) Antropologicamente Profundo (1) Apocalipse (1) Apologética Judaicas (1) Arcanjo Gabriel (1) Arcanjo Miguel (1) Armageddon (2) Armindo dos Santos Vaz (4) Arrebatamento (1) ASCO DE VIDA (1) Asham (1) Assexualidade Mística e o Arrebatamento (4) Auto-conhecimento (2) Baal (1) Baptismo (1) Batistas (1) Belém (1) Bíblia (5) BÍBLIAS HEMEROTECA (1) BÍBLIAS HEMEROTECA - EM BUSCA DA VERDADEIRA TRADUÇÃO | Tradução Correta do NT (3) BIBLIOTECA DE TEOLOGIA E EXEGESE ECUMÉNICAS - LINKS (1) BIG BANG (4) Bispas (1) Bispo Aprigio e o Apocalipse (1) Blogues (1) Braga e os Bispos (1) Buenas noches y Buenafuente 1x06 HD | 20/05/2012 | Completo (1) Cabras a cantar são nova sensação do YouTube (1) CALACUS (2) Calvinismo (4) Calvino (1) Caparot (1) Capitalismo não ético (1) Caraítas (2) Carman (1) Carmelitas. Uma vida de oração (1) CARREIRA DAS NEVES (1) Carta aos Hebreus contestada (1) Carta de Deus (1) Carta do HaShem (1) Carta do HaShem a um yehud antinomiano (1) Casa de José (1) Casa de Judá (1) Casamento Judaico (1) Catequese (1) Catequese - Lições (2) Católicos tradicionalistas (1) Cauvinismo (1) CBN LIVE (1) Céu (2) Christianity (1) Ciência (1) CINA (1) Ciúmes (2) Comensalidade (1) Community (1) Compaixão (1) Conservative Judaism (1) Consultório Sexual (3) Contraditório Judaico ao B´rit Hadashah (1) Conversão (2) Conversas com a Nilce (1) Corpo de Deus (1) Criação (1) Cristianismo Progressivo (3) CRISTIANISMO TRINDADE E MITRAÍSMO (1) Cristianismo versus Judaísmo (1) Cruz (1) CUIDADO COM QUEM ANDA - AMISH GRACE - FILME SOBRE A FÉ AMISH NO MOMENTO DA MORTE (1) Culinária (1) D-us morreu no Holocausto? (1) D'us (1) D'us Ele-Ela (1) DAM (1) DAVID É O MESSIAS REENCARNADO (1) de Sandi Dubowsk (1) Debate (4) Debate: Israel não havia quebrado a aliança antes da vinda de Jesus (1) Debates de Afecto Com Uma Feminista (3) DEFICIENTES (1) Deificação (3) Deus (2) Deus Ele - Ela (2) Deus. (1) DEZ MANDAMENTOS (3) Diálogo com o Judaísmo (2) DIÁLOGO ENTRE ATEUS E CRENTES (2) DIÁLOGOS COM O MEU PASTOR BATISTA (1) DIÁLOGOS DE POESIA (2) Disciplina (1) Dízimo (2) DOES JUDAISM NEEDS G-D? (1) e não observada. Não seja plateia (1) É razoável acreditar num Deus? (1) e sim ator. Porém (1) Easter (1) Echad (1) Economia (2) ECUMENISMOS (1) Ed René Kivitz (1) Efraim (1) Eibissa (1) El Cristianismo y las grandes religiones (1) El Hijo de DIos - Teaser Western bíblico futbolero (1) Élder Luís Magalhães Apresenta Judaísmo e Osho (1) Elias (1) EM BUSCA DA BÍBLIA (1) EM OBRAS (1) Emoções (1) Enoch (1) Equality & Gender Issues (1) Escatologia (6) ESCATOLOGIA CRISTÃ (5) ESCATOLOGIA JUDAICA (5) Escatologia Judaica Crente em Yeshua (3) Escatologia Muçulmana (1) ESCOLA DE TEOLOGIA (1) ESCOLA DE TEOLOGIA E BIOLOGIA (1) Escórias (1) Estatísticas (1) ET'S (1) Ética (1) Eunuco (1) Evolução (1) exegese (1) Existe uma guerra espiritual como é interpretada em Efs 6:12? (1) Experiências após a morte (1) Ezequiel 23:20 em Mazal (1) Ezequiel 28 (1) Falo (1) Famílias (1) Fátima (1) FAV TWEETS (1) Feminismo (1) Festas (2) FILISTEUS (1) Filmes místicos (1) Find people who care much more about works of compassion and about inner spiritual growth than they do about doctrines. (1) Frei Bento Domingues (2) FUN AND SPORTS (2) FUTBOLEROS TV (1) Gays (1) Genealogia (2) Génese (1) Genesis (1) GÉNESIS 1-3 (5) GÉNESIS 1:1 (1) Genizah (1) GEOLOGIA (1) GLBT (9) GLBTI (2) Gnosticismo (1) Guehinom (1) Guerra (1) Guerras (1) Guilgul Neshamot (2) HA Satan (2) Hades Intermediário (1) Halal (1) Hans Küng (1) HaShem (1) Hassidismo (1) HEMEROTECA DE EBOOKS (1) Hesed (1) Hora do Enterro de Jesus (1) HUMOR (2) Humor bizarro (1) Identidades religiosas em Portugal: identidades (1) Idolatria (1) IGREJA DE INGLATERRA (1) Igreja Evangélica (1) Igreja Ortodoxa (3) iguais-aos-Apóstolos (1) Illuminati (1) Imagens (2) iMissio (1) Imortalidade (2) improvise. (1) Impureza (1) Índice (1) INFERNO (4) Inquisição Católica (1) Inquisição Protestante (1) Inquisições (1) Intercessão (1) INTRO (1) Irmãos de Jesus (1) Isa (1) Isaac (1) Isaías 9:6 (1) Islam (2) ISRAEL (2) Javá (1) Jean Cauvin (1) Jesus (7) JESUS ANTES (1) Jesus Cristo - um presente dos gregos - Ivani de Araujo Medina (1) Jesus Cristo Presente Dos Gregos (1) JESUS DEPOIS.... (1) JESUS E AS RELAÇÕES DO MESMO SEXO (1) Jesus e o Centurião (1) Jesus foi preso na noite de terça-feira (1) JESUS NÃO DESCENDE DE DAVID (1) Jesus um Plágio? (1) João 1 (1) João 1:1 (3) JOÃO 1:1 Mateus 2:23 Isaías 53 (3) JUDAÍSMO (7) Judaísmo 101 (3) Judaísmo Humanista (1) Judaísmo Liberal (2) Judaísmo Trinitariano vs Judaísmo Monoteísta Puro (1) JUST LIVE LIFE (1) Kabbalah (4) La Historia de la Religión en 1 Minuto (1) Laicidades (1) Lapidação (1) Leandro Lima - Uma Defesa do Batismo Infantil e por Aspersão (1) LECTIO DIVINA (1) Lefebvrianos (1) LEI DE NEWTON (1) Leis e costumes de Iom Kipur (1) Leis Noahides (1) LGBQ (1) LIBERALISMO (1) Lilith (4) Links (1) LOGOS FM (1) LUTERO 2016 (1) Lutero e o Mal (2) MACEDO DE CAVALEIROS (1) Maçonaria (2) Mahdi (1) Mal (1) Malkitsdec (1) MANIF (1) MANTRAS (1) Mário Soares (1) MAS APENAS O PRIMEIRO HEBREU - J. Herculano Pires e Anselmo Borges (1) mas um problema (1) masculina ou neutra ou dual? No meu link da SEPTUAGINTA (1) Mashiach Ben Constantinus (1) Massiach (1) Masturbação (1) MATEUS 16:20 (1) Mazal (8) MAZAL HOJE - O DIABO | AS RELAÇÕES HUMANAS | O CRIACIONISMO (2) Medula Óssea (1) Meet the Amish (1) Melania Trump (1) Mesopotâmia (1) Milénio (1) Mística (2) mística nupcial (1) Mitch Hedberg (1) Mitos sexuais (2) MOMENTOS DE FÉ E COMPAIXÃO (1) Monja (1) MONOGAMIA | PRAZER | ROMANTISMO (1) More Ventura Twitcam (1) Moré Yossef Felix (1) Morte (2) Mortes (1) Mudanças (1) mulher (1) Mulher Segundo o Judaísmo Bíblico (1) Mulheres (1) MÚSICA (2) Música Judaica (1) não ensaie (1) não existe Neemias 11:16 (1) Nascimento de Jesus (1) Nascimento Virginal (1) Nasi (1) Nazoreu (1) NDE (2) Near Death Experience (1) nem Adão (1) Nem Eva (1) nem pecado original (1) no nível energético (1) Noiva do Cordeiro (1) O Fruto do Pecado Original (1) O mal (1) O Maligno (1) O MEU SITE (1) O mito do lençol manchado de sangue (1) O Nome (1) O Nome de Deus (1) O Nosso Destino Futuro (1) O Racialismo Excêntrico do Falo e de Lilith (2) O Ritual Tashlich (dos Peixinhos) (1) O SEXO DOS ANJOS (1) O sexo é a música do matrimónio (1) O TEMPO (1) O testamento do Papa Bento XVI (1) OIEV (1) Online Contemporary Jewish Community. (1) Open Theism (2) ORAÇÕES PELOS DOENTES (1) ORAR (1) Origens (1) Os Novos Dez Mandamentos (1) OSHO (1) OSHO: D-us não é uma solução (1) Osservatore Romano (1) Ovnis (1) Oxysgenos Design (1) Padre Beto (1) Padre Carreira das Neves (1) Padre da Lixa (3) Padre Quevedo (1) Padrões da Comunidade do Facebook (1) Palavra da Sabedoria (1) Pânico Na Band - 29/07/12 - COMPLETO (HD) (1) Papa (2) Paper.li (1) Parousia (1) PASTOR BATISTA FAMOSO E ESQUECIDO (1) PASTORES QUE NÃO ACREDITAM EM DEUS (1) Paulo Brabo (1) PDF (1) Pecado contra o Espirito Santo (1) Pecado Original (7) Pecado Original não existe nos Judeus (1) Pentecostes (1) Perdão (1) PERDOAR (1) Peshitta (1) Pessach (2) Poesia (1) POLÍTICA SEXY (1) Political and Religious Subjects (1) Porque razão o inconsciente tem uma atuação mais forte do que o consciente? (1) Post Mortem (1) Predestinação (2) Profecia (1) Purgatório (1) quebrou quando não creu Nele? (1) Quiyamah (1) Rabinato (1) Rabino Marcos Andrade Abrão (2) Rabino Marcos Andrade Abrão (1) Rádio Goom (1) Rádio Los 40 (1) RAP (1) Reencarnação (1) REFO 500 (1) Reform Judaism (2) REFORMATION (1) Regressão (1) Religião Hebraica e Cananita (1) Religiosas(os) de Clausura (1) Ressurreição (5) RETRO TUMBLR (1) Ricardo Gondim (1) RIT - Programa Vejam Só - A Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal (1) Ritual Kosher (1) Ritual Tashlich (dos Peixinhos) (1) Romanos 9 (1) ROMANOS 9 | PREDESTINAÇÃO | LIVRE-ARBÍTRIO | LIVRE AGÊNCIA | ADÃO NÃO FOI O PRIMEIRO HOMEM (1) Rosh Marcos Andrade Abrão (3) Ruído (1) Sacerdócio Feminino (1) Sacrifício de Jesus (1) Sacrifícios (1) SALMO 23 (1) Salvação (3) Samael (1) Samaritanos (1) Santidade Judaica (1) Santíssima Trindade (3) Santo Ofício (1) Santos (1) Santos Constantino e Helena (1) SARAH (1) Satan (2) Saúde (1) Serpente (1) Sete Leis de Noach (1) Sete Mandamentos (1) Sete Mandamentos de Noach (1) sexualidade (2) Shabbat Shalom (2) Sharia (1) Shechita (1) SPAM (1) Street View (1) Talmud (2) Talmude (1) Tanach (1) TANTRA (1) Teísmo Aberto (2) teologia (1) Teologia Relacional (1) Teólogo Kadu Santoro (1) TERCEIRA GUERRA MUNDIAL (1) TESE SOBRE HOMOSSEXUALISMO (1) Teshuvá - Tefilá - Tzedaká (1) Texto antigo fala que o Prefeito Pôncio Pilatos ofereceu sacrificar filho no lugar de Yeshua (1) The House of Yahweh My Side of the Story (1) The Shlomones -I'm Going to a Seder - Passover Pesach (1) This is my Bible (1) TIMELINE (1) Tom Horn (1) Torah (1) TORAH COMPLETA (2) Tradução Correta do NT (2) Transfusões de sangue (1) TRANSMUTAÇÃO (1) Tratado de Sotá (1) Tratado de Sucá (1) TREVAS (1) Trindade (4) tumblr pessoal (1) TUMBLRS (2) TWEETS (1) TWEETS LIBERAIS E CONSERVADORES (11) TWITCAM (1) TWITTERS QUE SIGO (1) TWWW.TV (1) Tzemah Yoreh (1) Um pastor sexualmente culpado e promiscuo (1) UMA PESSOA QUE NASCEU SURDA MUDA PENSA EM QUE IDIOMA? (1) UNÇÃO (1) Unitarismo (1) Valedor (2) VALORES (1) valores e práticas - 2011 (1) Verbo (1) Véu (1) Vida de Contemplação (1) VINGANÇA (1) VIOLÊNCIA (1) Virgem Maria (1) VIVER (1) Você crê em Deus ou em Elohim? (1) Yachad (1) Yachid (1) YESHAYAHU/ISAÍAS 52:13—53:12 (1) Yeshu (1) Yeshu ha-Notzri (1) Yeshua (4) Yom Kippur (1) Yoshke (3) Yossef Pai de Miriam (1)

VERBETE SOBRE CIÚME

Read more

GLBT News

Read more

ESKUP ÚLTIMA HORA

Tuultimolibro




Padrões-da-Comunidade-do-Facebook e do Judaísmo Secular ou Humanista » http://cavrt.blogspot.pt/2012/10/padroes-da-comunidade-do-facebook.html



Robespierre Cardoso da Cunha
Simples o dominio que esta por trás dela é de um anjo caído ...HA'Satan


Francisco Sales Gonzaga
só isto e prq eles seguem anjo caido?será que o sujeito ñ esta vendo o anjo caido não? gente acorda!!!!!


Regina Da Silva Farias
ñ é nda por causa de anjo nenhum é por causa de poder só isto e riquezas ela sabe que se começa falar a vdd tera que devolver oque tomou dos inocentes a 2mil anos e tera que pga pelos crimes que cometeu nestes 20 seculos!


Regina Da Silva Farias
ela ainda é muito poderosa esta na epoca do barro mas ainda é muito forte!


Alcides Jose de Castro
Mas como posso ser conhecedor da vdd e ensinar a mentira?pode patecer ingenuo de minha parte mas quantas pessoas nas trevas.e JESUS CRISTO,O NAZARENO sempre diz que a vdd liberta.como posso cultuar imagens de gesso uma vez que D+us busca adoradores que o adorem em Espirito,pela fé.


Francisco Sales Gonzaga
A idolatria e depravação dos homens>A ira de DEUS se revela do céu contra toda impiedade e perversão dos homens que detém a verdade pela justiça; romanos cap;1;vers;18porquanto o que de DEUS


Francisco Sales Gonzaga
se pode conhecer é manifesto entre eles,porque DEUS lhe manifestou.vers;19!


Magalhães Luís
Eu ainda não percebi porque razão se afirma que a Igreja Católica leva à idolatria. Como é que uma teologia apoiada em Santos e teólogos de primeira qualidade ainda leva a uma questão do século XVI?! Quando as Igrejas da Reforma que tinham essa disputa já chegou a um entendimento da postura Católica. Para chegar a uma posição consensual nas cerimónias litúrgicas ecuménicas recorre-se a ícones.


Magalhães Luís
Continua-se a pensar a partir da mentalidade sectariana evangelical, unicista, unitariana, judia-muçulmana...


Magalhães Luís
E aos crentes em Yeshua vão estudar mariologia. Passo 1: http://pt.scribd.com/doc/99504667/MARIOLOGIA



X
Alcides Jose de Castro......a igreja católicas criou muitos costumes para se diferenciar entre as religião....para aderir mais adeptos.....criou costumes quem nem existe na Biblia,o de padre não poder casar,isto não existe, é apenas uma forma que igreja católicas achou de não dividir seus bens.....do vaticano não dividir seus bens com estas famílias....mais podemos ver muitos filhos bastardos jogados ao leu.....muitos jovens sendo usados pelos padres....não existe a crisma....entre muitos outros costumes ....o de idolatria....pois o Papa é o maior criador de imagens....mais pela posição social .....e politica ....pela força de poder politico.....ela consegue continuar a enganar......um pastor disse em uma de suas pregações que a África sofre até hoje as consequências das escravidão.....do Egito.....pois lá foi o lugar que Cristo foi crucificado.....e pela nação do Egito ser um povo negro.....entendeu-se que é racismo.....mais na verdade é só as consequências de pecado do passado.....Deus acabou com Sodoma e Gomorra pelo pecado do luxuria.....do imagens ....e idolatria ..e do homossexualismo que existia na época.....e este mesmo pastor disse que Deus ama os homossexuais....mais condena seus pecados.....foi criticado por isso ...e o Papa para defender a família católica disse a mesma frase.....que Deus ama os homossexuais mais condena seus pecados....ama as pessoas mais não seus erros.....e ninguém se importou....nada houve contra ele......tudo que a igreja católica aprova ....fala......por causa da politica...economia......do poder......tudo é aceito......e se de qualquer religião disser.....é condenado......a justiça do homem é cega......a justiça do homem é conveniente......só a Deus....é justa e fiel......por isso nunca vamos enteder ninguém nem o mundo pois os homens são corruptos e todo mundo tem um preço.....e cada um mostra seu valor na hora da verdade.......o mundo jás do maligno......e o que vale....entre muitos é sobreviver......enquanto deveria ser saber viver.....pois sem YHWH não somos nada......ou podemos até ser por um tempo.....mais não podemos ser o tempo todo...assim é a verdade e a mentira......tudo pode durar por um tempo mais nunca o tempo todo.....Deus tira as mascaras.....desnuda os soberbos....rebeldes...desobedientes.....arrogantes......


Magalhães Luís
A questão do Padre ser casado ou não, não tem a haver com argumentos materialistas. Que estão presentes, é claro, ninguém contesta isso. Mas o Padre casa misticamente com Jesus. Que é superior a qualquer casamento humano.


X
PAZ DE ESPÍRITO, MELHOR CALMANTE!
Às vezes as tribulações da vida nos deixam abalados e perdemos a paz e o sono. Sentimo-nos acuados e encurralados por sentimentos turbulentos que assombram nossa alma. O melhor remédio para um sono reparador é a paz de espírito, fruto da confiança em Deus. o rei Davi, quando estava passando o momento mais amargo de sua vida, fugindo de seu próprio filho Absalão, que queria tirar-lhe a vida e tomar-lhe o trono, disse: "Deito e logo pego no sono, porque só tu, Senhor, me fazes repousar seguro".


Magalhães Luís
Eu sou um cristão que está casado misticamente com Jesus; não o troco por mulher alguma.


Magalhães Luís
Sou celibatário com toda a liberdade.


Magalhães Luís
Todo o sacerdote apaixonado por Jesus devia ser celibatário.


Magalhães Luís
Estou com São Paulo.


Magalhães Luís
1 Coríntios 7: 32 Pois quero que estejais livres de cuidado. Quem não é casado cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor,

33 mas quem é casado cuida das coisas do mundo, em como há de agradar a sua mulher,

34 e está dividido. A mulher não casada e a virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santas, tanto no corpo como no espírito; a casada, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido.

35 E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma.
João Ferreira de Almeida Atualizada (AA)


Magalhães Luís
"O homem não casado e o virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santos, tanto no corpo como no espírito; o casado, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à esposa."


Magalhães Luís
"A mulher não casada e a virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santas, tanto no corpo como no espírito; a casada, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido."

X
Se o padre tem a ideia que casa com Jesus Magalhães Luís.....ainda é pecado maior ainda...de ignorância pois todos os padres tem suas amantes.....e o vaticano incoberta oculta tudo isso....sempre que aparece na mídia algo sobre isso de um padre ele fica um tempo fora e depois volta......lá tudo é acobertado....esse negocio de celitabo....é falso.....veja o Francisco renunciou.....ficou um tempo acobertado....e hoje já mora quietinho nos palácios do vaticano.....lá tudo funciona na mesma politica.....tudo se acoberta.....todos os estupros......toda luxuria......todo fruto da carne é acobertado e oculto pelo vaticano.....se você cre que existe mesmo celibato na igreja católica você é muito ingênuo.....


Magalhães Luís
"E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma."


Magalhães Luís
Pois eu não tenho amante alguma. Só Jesus na minha vida. E comigo tenho muitos santos.


Magalhães Luís
E não vivo na lúxuria.

X
Algum crente.....já foi casado com uma mulher por caridade?


Magalhães Luís
Sim. Por caridade. Existem crentes assim. Para as tirarem da prostituição. Com autorização eclesiástica. Nada às escuras. 


X
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk......quanta hipocrisia Magalhães Luís


Magalhães Luís
Agora essas mulheres estão casadas com pessoas que realmente as amam no aspecto unitivo e procriativo. Cristãos praticantes. E nessas congregações toda a gente participa nesses eventos reconstructivos da nova biografia dessas almas.

X
Você está vendo que você só confirmou tudo o que eu disse Magalhães Luís.....o Vaticano aprova....tudo......e os padres enganam a si mesmos....pois a sociedade já sabe ....sem essa de caridade.


Magalhães Luís
Com certeza, mas não é da ICAR. Não menciono denominações. E foi um pedido de uma outra Igreja a outra Igreja. Que pediu ajuda. Pois não sabiam mais como ajudar. Foi algo interconfessional. Contaram-me. Gente de credibilidade.


X
Você não precisa casar com uma mulher para ajudar ela Magalhães Luís.........Para de se enganar com esses da clerezia.....Fica dizendo essas heresias absurdas de caridade e outros besteirol.


Magalhães Luís
José casou com Maria, a nossa Mãe, por caridade e obediência.


Magalhães Luís
Sabia disso?! Para não ser apedrejada.


X
Magalhães Luís......me desculpe...mais com a hipocrisia deslavada não dá da para falar.....e voce ainda fica argumentando se achando o bom......me poupe...desta.....todo o padre tem amante sim e é acobertado pelo Vaticano.......ele sabe que não vive o pecado pois casar e ter família não é pecado.....o pecado é a hipocrisia....sua de disser que era só caridade......


Magalhães Luís
José casou com Maria, a nossa Mãe, por caridade e obediência. Sabia disso?! Para não ser apedrejada. Sabia. Estou apenas a imitar o santo.


Magalhães Luís
E mais: "O homem não casado e o virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santos, tanto no corpo como no espírito; o casado, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à esposa."

Magalhães Luís "A mulher não casada e a virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santas, tanto no corpo como no espírito; a casada, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido."


Magalhães Luís
"E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma."


Magalhães Luís
Destaco: "A fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma."


Magalhães Luís
Sem distracção alguma.


Magalhães Luís
Sem distracção alguma.


Magalhães Luís
Sem distracção alguma.


Magalhães Luís
Destaco: "A fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distracção alguma."

X
Magalhães Luís.....ou voce é muito safado.....ou é ignorante.....Jose amava a Maria....já estava para se casar com ela......e por ser um homem temente a Deus....e por um anjo ter falado com ele....e por ele ver que ali se fazia a gloria de Deus.....se fazia cumprir as promessas.....e depois eles tiveram muitos outros filhos.....ele respeitou Maria no tempo que Deus deu a ele....mais a mulher que voce casou não precisava de sua caridade desta forma......me engana que eu gosto.....isso tem outro nome......que vergonha usar as Palavras Bíblicas para justificar esta heresia blasfêmia...hipocrisia....



Magalhães Luís
José amava Maria?! E por um Anjo ter falado com ele?! Isso é em Mateus 1:20. Em "19José, com quem Maria ia casar, era um homem que sempre fazia o que era direito. Ele não queria difamar Maria e por isso resolveu desmanchar o contrato de casamento sem ninguém saber."


Magalhães Luís
Veja: "José, com quem Maria ia casar, era um homem que sempre fazia o que era direito. Ele não queria difamar Maria e por isso resolveu desmanchar o contrato de casamento sem ninguém saber.""


Magalhães Luís
Não fala de amor. Fala de fazer tudo direito.


Magalhães Luís
E mais » Escreve São Paulo: "E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distracção alguma."


Magalhães Luís
 E centre-se no que diz São Paulo: "E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma."

X
Magalhães Luís.....as pessoas usam versículos da Biblia...e querem usar em sua vida achando que estão fazendo as mesmas coisas igual da Palavra....se voce se casou com alguém seu celibato se foi no casamento.....hoje voce pode ser uma pessoa resguardada......mais não no celeibato...na pureza.....


Magalhães Luís
O celibato, no meu caso é retomado quando eu quiser. Eu quando fiz o voto de celibato não era perpétuo. Pois era um religioso calvinista, não era um religioso católico. Tinha alguns privilégios especiais. Eu queria crescer no conhecimento do Senhor. Sem distracções.


Magalhães Luís
E durante anos não me distraí do Senhor.


X
Eu já fui da Igreja Católica e tenho muitos da família na igreja católica e sei como funciona estas coisas lá....


Magalhães Luís
Se sei algo hoje devo-o a esse tempo. "O homem não casado e o virgem cuidam das coisas do Senhor para serem santos, tanto no corpo como no espírito; o casado, porém, cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à esposa."


Magalhães Luís
Eu fui monge a tempo inteiro e sei como funcionam estas coisas lá...


Magalhães Luís
Não ouvi dizer.


Magalhães Luís.....quando voce perde a virgindade.....perdeu amigo....quando perdemos algo....esta perdido principalmente num caso como esse......a pureza.....é assim ou se é ou se não é.....deixa de hipocrisia.....voce já de certeza se deitou ou coabitou com alguém e quer me dizer qaue é puro sexualmente.....me poupe......


Magalhães Luís
"E digo isto para proveito vosso; não para vos enredar, mas para o que é decente, e a fim de poderdes dedicar-vos ao Senhor sem distração alguma."


Magalhães Luís
Celibato não é virgindade.


Magalhães Luís
Celibato não tem a ver com ser puro sexualmente. Isso é ser monge budista.


X
HIPOCRISIA....Magalhães Luís..........voce não vive de celibato assim como nenhum padre vive isso é só enganação.....enganam vocês mesmos e tentam enganar os outros.........besteirol.........o celibato é um costume só no papel.....de igreja católica.....mais na pratica não funciona.....de forma nenhuma........HIPOCRESIA>>>>>>>>>>
No dicionário Magalhes esta escrito assim: Celibato estado de uma pessoa que se manteve solteira...celeibatario que ou aquele que nunca se casou.......portanto.......para de HIPOCRESIA.....

Magalhães Luís
Os três conselhos evangélicos (de «virgindade-pobreza-obediência») constituem teologicamente um unicum. Os três conselhos não são separáveis: na sua unidade eles evocam a fé na Santíssima Trindade (escolhe-se ser pobre perante o Pai rico de todos os dons; obedientes como o Filho; virgens pelo amor unificador e fecundo do Espírito Santo), eles unem intimamente o cristão ao mistério do Filho encarnado que viveu pobre, casto e obediente; exprimem com radicalidade o dinamismo das três virtudes teologais; conduzem ao redescobrir da estrutura originária do ser humano e an­tecipam o mundo novo. Não se pode «professar» a virgindade, sem professar também a pobreza e a obe­diência.


Magalhães Luís
Mas dentro da Igreja Católica um padre pode casar-se. Basta ser padre católico da Igreja Católica de rito oriental.


Magalhães Luís
Só o padre de rito latino é que não pode casar.


Magalhães Luís
No rito ocidental se você quiser casar pode casar-se na Comunhão Anglicana e depois pedir para ser integrado na Igreja Católica.


Magalhães Luís
Por isso qualquer padre pode casar-se. Só tem é que escolher.


Magalhães Luís
Repito. Os três conselhos evangélicos (de «virgindade-pobreza-obediência») constituem teologicamente um unicum. Os três conselhos não são separáveis: na sua unidade eles evocam a fé na Santíssima Trindade (escolhe-se ser pobre perante o Pai rico de todos os dons; obedientes como o Filho; virgens pelo amor unificador e fecundo do Espírito Santo), eles unem intimamente o cristão ao mistério do Filho encarnado que viveu pobre, casto e obediente; exprimem com radicalidade o dinamismo das três virtudes teologais; conduzem ao redescobrir da estrutura originária do ser humano e an­tecipam o mundo novo. Não se pode «professar» a virgindade, sem professar também a pobreza e a obe­diência.

X
Magalhães Luís
Se não quiser invocar a santíssima Trindade na sua vida sacerdotal, tem o rito oriental e a Comunhão Anglicana.

Magalhães Luís........HIPOCRESIA ...e EGOCENTRISMO.......essa é sua religião esse é seu deus.......chega......sem definição..........................................................................................................................e o pior de tudo fica tentando se argumentar...............................................................seja seu sim. sim............seu não não o que vier além disso é maligno....................cada vez se compromete mais...quanto mais fala.....mais azeda tudo....


Magalhães Luís
Não quer entender é consigo. Mas pergunte a um padre se no rito oriental não se pode casar.


Magalhães Luís
Passar bem.

X
Tem muita sujeira em muitas lugares Magalhães Luís.......não em tudo mais em muita coisa em muita religião.....e escondem tudo debaixo do tapete.....conhecedores da Palavra ........é cheio de hipocrisia......enganação......só Deus para por terra toda sujeira......enganação.


Magalhães Luís
Que a afectividade e a sexualidade não são uma fatalidade, imposta pelas leis da natureza e da sociedade, mas são o campo de uma escolha livre, é o próprio Jesus quem o proclama, antes de mais sendo Ele próprio celibatário e proclamando que há aqueles que escolhem a via da continência por amor do Reino dos Céus (cf. Mt 19, 12). Ao proclamar a possibilidade desta escolha livre, o Senhor restitui ao casamento a sua dignidade de escolha livre. Sobretudo a mulher, que tinha a sua dignidade restringida à procriação, sente-se liberta e reconhecida na sua dignidade como pessoa. Não é por acaso que, na Igreja nascente, são as mulheres que escolhem a virgindade como caminho para seguir a Cristo, que suscitam o ideal da virgindade como caminho cristão de amor.


Magalhães Luís
Eu hoje retomo esse caminho. Por isso fico mais livre para estudar e poder depois partilhar.


Magalhães Luís
O celibato não é uma renúncia ao amor; é a escolha de um amor novo e este converge com o amor do Bom Pastor. A própria complementaridade homem-mulher encontra expressão de profundidade e de intimidade mística, onde o melhor de cada um exprime a comunhão dos santos. São Bento e Santa Escolástica, São Francisco e Santa Clara não são os únicos exemplos.

Magalhães Luís.......voce vive na carne......do seu próprio egocentrismo........faz um churrasco da própria carne e não consegue nem sentir dor.......nem ver nada......vive num arco íris......


Magalhães Luís
Eu escolhi este amor novo. Imitador de São Paulo. E das suas palavras: "Sem distracção".


Magalhães Luís
Você parece que quer me incentivar negativamente.


Magalhães Luís
Em vez de me ajudar. Eis um poema que descreve o que queremos ser. O que a nossa alma quer ser. »»»»»»»»»

Seja a alma humana leve, branca e pura como a neve, 
A fim de que a sua lisura seja tudo menos breve. 
Essa pureza química na verdade sã consiste; 
A mentira, triste mímica, lá não cabe, lá não existe. 
E assim, no refrigério dessa alva simplicidade, 
Encontra-se viva e salva a irmã humanidade!...

Miguel Neves